05 de dezembro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais

Destaques

A Administração Regional do Plano Piloto informa que saiu o Resultado do Chamamento Público para Cadastro de Ambulantes, confira: 

 

Venda de Picolé – MARLICE ELIAS CARNEIRO
Venda de Salgados Industrializados – JULIO DE SOUZA COSTA
Venda de Pipoca – GILBERTO FERREIRA ROCHA
Venda de Bebidas Não Alcoolicas – LEVINALDA COSTA REIS e ISAURI SOUZA DE JESUS

Venda de Frutas – Não houve procura

A Administração Regional do Plano Piloto abriu chamamento público convocando interessados em trabalhar em área pública, voltada à oferta de alimentação e bebidas não alcóolicas diversificadas, por meio da prestação de serviços de ambulantes com ponto fixo.


O cadastramento de ambulantes interessados para participação no processo de habilitação será realizado sede da Administração Regional do Plano Piloto no Setor Bancário Norte – SBN, Quadra 02, Bloco K, 2º Subsolo –  Edifício Wagner, Brasília/DF, por ordem de chegada, com autorização de acesso ao 2º subsolo efetuada pela GEGET/DIDOT/CODES, de 03(três) em 03(três) pessoas, de forma organizada, no dia 25/11/2022, das 9h30 às 12h e das 14h às 17h, para preenchimento do requerimento e entrega de toda documentação exigida no edital.


Caso haja mais interessados do que o número de vagas disponíveis, haverá sorteio dentre os credenciados para a especialidade referenciada no item 4.4 do edital. A divulgação dos contemplados será na terça-feira, 29/11, no site desta Administração Regional: www.planopiloto.df.gov.br.


Mais informações estão disponíveis no edital.

DODF 220 25-11-2022 INTEGRA

Um passo importante foi dado em direção à renovação do Setor Comercial Sul (SCS) do Plano Piloto. O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan) aprovou, por unanimidade, nesta quinta-feira (24), a proposta do Projeto de Lei Complementar (PLC) para ampliar os usos e as atividades do setor.

Com a medida, são previstas mais de 280 novas atividades comerciais, institucionais e de prestação de serviços no SCS, como faculdades, creches, educação profissional de nível técnico, serviços de tecnologia da informação, entre outros. No entanto, a proposta não prevê a possibilidade de moradia no local.

O projeto, elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), atende as demandas do comércio da região, além de trazer outros benefícios para a população que transita diariamente naquela área – como mais atividades noturnas, para reduzir a ociosidade e a insegurança no setor após o horário diurno.

O Conplan aprovou, por unanimidade, nesta quinta (24), a proposta do PLC para ampliar os usos e as atividades do Setor Comercial Sul | Foto: Divulgação/Seduh

Na avaliação do secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira, a medida vai estimular novas oportunidades e dinamizar o SCS. “Tenho a certeza que estamos dando mais um passo importante para a revitalização dessa área central de Brasília”, avalia. “É um processo que vai trazer, mais rapidamente, esse reflexo tão positivo que buscamos para o Setor Comercial Sul”.

“Todos esperamos que a Câmara Legislativa do Distrito Federal possa dar esse presente para o Setor Comercial Sul, para podermos, já a partir do ano que vem, com esse projeto sancionado, ter mais esse indutor, esse estímulo de transformação e vitalidade para o Setor Comercial Sul”Mateus Oliveira, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Relator da proposta, o vice-presidente da Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio-DF), Ovídio Maia, se emocionou ao elogiar a ampliação de usos e atividades. De acordo com o gestor, a iniciativa será importante para combater o descaso de anos com o setor, estimulando e economia e trazendo para a legalidade várias empresas que hoje atuam sem licença no local. “O Setor Comercial Sul, indiscutivelmente, vai renascer”, afirma. “Esse é um trabalho ímpar. Teremos carteiras assinadas, com empresas se estabelecendo lá. A melhor inclusão social para as pessoas é uma carteira assinada. E um projeto só é ótimo quando o principal objetivo forem as pessoas”.

Também favorável à medida, a representante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU-UnB), Gabriela Tenório, parabenizou a futura diversificação do setor: “Que cheguemos a essa diversificação do SCS como um exemplo para diversificar outros setores ainda muito monofuncionais. A ideia é misturar mais usos para favorecer uma série de coisas, como a complementariedade das funções e um comércio mais próximo”.

Próximos passos

Após a aprovação do Conplan, a expectativa é que o texto seja enviado à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), para ser apreciado pelos parlamentares. Em seguida, o material segue para ser sancionado pelo governador.

“Todos esperamos que a Câmara Legislativa do Distrito Federal possa dar esse presente para o Setor Comercial Sul, para podermos, já a partir do ano que vem, com esse projeto sancionado, ter mais esse indutor, esse estímulo de transformação e vitalidade para o Setor Comercial Sul”, destaca Mateus Oliveira.

Arena Guará

Na ocasião, o colegiado também votou a favor do parcelamento do solo para criar um lote para o Arena Guará, um equipamento público que possui uma quadra de esporte com cobertura que pertenceu ao antigo Colégio Maxwell. A Administração Regional do Guará solicitou a medida para que o local seja destinado a práticas desportivas e culturais.

Ainda na mesma reunião, o Conplan aprovou o remembramento dos lotes 4 e 5 da SHCSW e CCSW 6, no Sudoeste/Octogonal, a ampliação do lote da Promotoria de Justiça de São Sebastião e o desdobro de um lote situado na QS 3, Rua 420 de Taguatinga.

Fonte: Agência Brasília

Uma área imensa na região central de Brasília passou a ser acolhida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) por meio do programa Adote Uma Praça, da Secretaria de Projetos Especiais (Sepe). Estruturado com um amplo estacionamento, gramados, bancos, iluminação e espaço para plantio de árvores e espécies nativas do cerrado, o espaço integra a parte externa do Sesi LAB, um museu 100% interativo que abre as portas ao público no próximo dia 30.

Área externa do antigo Touring se configura como um amplo espaço de lazer e cultura | Fotos: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

Com projeto de Oscar Niemeyer, esse Museu do Futuro, como vem sendo chamado pelo setor, fica localizado em local privilegiado da capital, bem no coração do Plano Piloto, nas antigas instalações do Touring Club. “A CNI [que inclui o Sesi]  e o Sistema S atenderam a um chamado do governo com sensibilidade”, afirma o secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade. O Sistema S é formado por Serviço Social do Comércio (Sesc), Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), Serviço Social de Aprendizagem do Transporte (Senat), Serviço Social de Transporte (Sest) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

“O programa tem esse propósito, o de resgatar a consciência cidadã”Roberto Andrade, secretário de Projetos Especiais

Desde que foi implantado, em 2019, o Adote Uma Praça já contou com mais de 120 “padrinhos”, entre pessoas físicas e jurídicas de todas as regiões administrativas de Brasília. A adesão continua a crescer, sinalizando diversas solicitações de empresas e particulares atualmente em tramitação – são mais de 17o processos em andamento.

Além das praças, os interessados poderão adotar outros logradouros, como estacionamentos, parques e até campos de futebol – como ocorreu, recentemente, no Paranoá. “Foi um programa em Brasília que deu certo, dando um sentido de pertencimento, de que a coisa pública é do povo”, avalia o titular da Sepe. “O programa tem esse propósito, o de resgatar a consciência cidadã”.

Instalações têm infraestrutura para abrigar grandes eventos

O museu

Espaço onde o passado e o futuro andam de mãos dadas com o saber, o sensorial e o lúdico, o Sesi LAB é uma iniciativa única no Distrito Federal e no país. Até 31 de dezembro, ficará aberto ao público gratuitamente. A partir dessa data, o acesso se dará mediante a cobrança de ingressos, salvo nos pacotes fechados para visitas escolares e programação cultural.

“Firmamos com o GDF uma parceria público-privada e, por meio do programa Adote Uma Praça, nós nos responsabilizamos por uma área em torno do edifício do museu de  fazendo melhorias de infraestrutura e sendo responsáveis pela segurança”, explica a gerente de Desenvolvimento Institucional do Sesi, Cândida Oliveira. Incluindo as instalações internas, sinaliza ela, são 33 mil m². “Vamos ofertar uma programação cultural bem diversificada e especial nos fins de semanas e feriados”, reforça a gestora. 

Veja aqui mais informações sobre o projeto.

Depois de quase dez anos de espera, o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (Ppcub) foi apresentado à sociedade em uma audiência pública neste sábado (19), com mais de 300 participantes. A proposta de Projeto de Lei Complementar (PLC) sobre o tema foi elaborada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e discutida no auditório do complexo da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

Três pilares compõem a proposta apresentada: proteção do patrimônio urbanístico e arquitetônico de Brasília, uso e ocupação do solo e planos, programas e projetos para o futuro da capital | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

“Quero reforçar o compromisso do Governo do Distrito Federal com a construção coletiva de uma proposta de lei que está aqui para ser discutida dentro de uma lógica de construção colaborativa de cidades”Mateus Oliveira, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Para ampliar ainda mais os debates com a população, será realizada uma nova audiência pública do Ppcub, prevista para o início do próximo ano. A decisão atende as sugestões de representantes da sociedade civil e a uma recomendação feita à Seduh pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), para garantir mais tempo aos debates.

“Quero reforçar o compromisso do Governo do Distrito Federal com a construção coletiva de uma proposta [de lei] que está aqui não para ser imposta, mas para ser proposta, e para ser discutida dentro de uma lógica de construção colaborativa de cidades”, declarou o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira. “Depois de vários anos, o governo apresenta uma proposta, e o que queremos é ouvir a sociedade.”

Durante mais de cinco horas de audiência pública, os cidadãos presentes participaram do evento de forma presencial e virtual. Aproximadamente 40 pessoas, de diversos segmentos da sociedade, se inscreveram para apresentar sugestões à minuta. A proposta possui três pilares principais: a proteção do patrimônio urbanístico e arquitetônico de Brasília, o uso e ocupação do solo e os planos, programas e projetos para o futuro da capital.

 

Audiência pública durou cinco horas e contou com ampla participação | Foto: Divulgação/Seduh

Celebração
 

“Estamos tratando da maior área urbana tombada do mundo, que é Brasília. A nossa responsabilidade é enorme para as próximas gerações”Saulo Diniz, superintendente do Iphan-DF

Na ocasião, o secretário Mateus Oliveira afirmou que a apresentação do Ppcub à população representa uma verdadeira vitória para Brasília, que aguarda há anos o regramento da área tombada. “Esse é um momento de celebração”, lembrou. “Foram duas gestões de governo que passaram, desde então, até ser possível o retorno até aqui”.

O superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Distrito Federal (Iphan-DF), Saulo Diniz, reforçou a importância da iniciativa: “É um momento em que todos nós faremos parte da história do Distrito Federal. Estamos tratando da maior área urbana tombada do mundo, que é Brasília, com 120 km² de tombamento. A nossa responsabilidade é enorme para as próximas gerações”

Na mesma linha de raciocínio, o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Silva, elogiou a decisão de apresentar o projeto de lei e ampliar os debates com a população: “Brasília precisa de socorro, e o Ppcub, neste momento, é um desses instrumentos. Era um assunto que se arrastava havia muito tempo, como tantas questões relacionadas ao patrimônio da cidade”.

A medida também é importante para atender outras reivindicações no DF. Segundo a secretária-executiva de Gestão e Planejamento do Território da Seduh, Janaína Vieira, somente as regras de ocupação de solo na área tombada de Brasília envolvem normas e gabaritos muitas vezes contraditórios entre si, sendo necessário sistematizar tudo. “Isso é um trabalho para o Distrito Federal, para a população que sofre todos os dias”, ressaltou. “Esse produto [a apresentação do Ppcub] é a consolidação de mais de mil normas para facilitar o acesso da população às informações”.
 

“É a primeira vez que alguém decide discutir seriamente a ocupação do Setor de Chácaras; só isso é já um avanço fantástico”Jardel Lopes, morador da Vila Planalto

A administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, parabenizou o andamento do plano, instrumento necessário para fazer a gestão do conjunto urbanístico de Brasília: “Pela inexistência do Ppcub até hoje, temos uma série de lacunas que inviabilizam o trabalho do gestor público, que só pode fazer aquilo que estiver previsto em lei. Enquanto há lacunas que não dizem claramente o que o gestor público precisa fazer, simplesmente ele fica sem ter como fazer. E o Ppcub vem para ditar essas diretrizes e preceitos”.

Considerações

“É a primeira vez que alguém decide discutir seriamente a ocupação do Setor de Chácaras; só isso é já um avanço fantástico”, reforçou Jardel Lopes, morador da Vila Planalto, durante a parte da apresentação que abriu espaço para a população se manifestar.

A diretora da Associação dos Micro e Pequenos Empresários do Sudoeste (Ampes), Michelle Lemos, também comemorou: “Nunca vi, ao longo desses dez anos, um esforço tamanho da Secretaria [de Desenvolvimento Urbano e Habitação] em prol desse regramento. Quero reconhecer o brilhantismo dessa equipe. “O Ppcub vem para corrigir problemas de 30, 40 e 50 anos, e precisamos dele”.
 

“A partir do momento em que tivermos uma regra, que o lote só vai até tal lugar, que não pode grade, que não pode cobertura assim ou assado, vamos cumprir com a lei”Dênio Moura, promotor de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística do MPDFT

Já a arquiteta e urbanista Tânia Batela propôs a criação de um quadro comparativo entre as propostas novas e o que já existe na lei, para facilitar o debate junto à sociedade. “Que se separem e especifiquem as normas vigentes das propostas novas, baseadas em suas respectivas legislações”, resumiu.

Também presente à audiência, o promotor de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Dênio Moura, destacou a importância da participação social para discutir a nova proposta: “A existência do Ppcub é um sonho do Ministério Público também, para que, finalmente, a ordem seja retomada. A partir do momento em que tivermos uma regra, que o lote só vai até tal lugar, que não pode grade, que não pode cobertura assim ou assado, vamos cumprir com a lei”.

Etapas

Depois de anos em discussão, a proposta do Ppcub passou pelo crivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do DF (Iphan), pelo fato de ter sido construída dentro dos limites da Portaria n° 166/2016 do instituto, usada como referência na elaboração do projeto.

Além disso, a proposta foi debatida por seis meses com as entidades civis e do governo que integram a Câmara Temática do Ppcub, criada em abril pelo plenário do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan), a pedido dos seus conselheiros.

“Não é uma minuta nova”, lembrou o secretário Mateus Oliveira. “É o acúmulo de inúmeras reuniões, discussões, estudos e trabalhos desenvolvidos há duas gestões e que, apesar de todas as dificuldades nesses anos, como a pandemia, só foi possível trazer aqui pelo empenho incansável de uma série de servidores que trabalharam dia e noite por isso.”

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Fonte: Agência Brasília 

Em mais de duas horas de audiência pública promovida na noite de segunda-feira (7) pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), representantes de entidades civis e do governo elogiaram a proposta do projeto de lei complementar (PLC) que trata da ampliação dos usos e atividades para o Setor Comercial Sul (SCS), no Plano Piloto.

Mais de 40 pessoas participaram da audiência pública na sede da Seduh, que foi transmitida pelo canal da pasta no YouTube. A reunião contou com a presença de representantes de entidades comerciais, de academias e da sociedade civil organizada, que fizeram as suas considerações.

“Enxergamos no SCS uma potencialidade para novos usos, tanto comerciais quanto de prestação de serviços”Mateus Oliveira, secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Alguns exemplos desses usos e atividades são estabelecimentos que reúnem serviços de faculdades, cursos de pós-graduação, creches, educação profissional de nível técnico e tecnologia da informação, entre outros. A proposta não prevê a possibilidade de moradia no local.

Representantes do comércio e da sociedade civil participaram da audiência que define novas normas para o SCS | Foto: Divulgação/Seduh

O projeto atende as demandas do comércio da região, além de trazer benefícios para a população que transita diariamente naquela área. O objetivo é estimular novas oportunidades. “Enxergamos no SCS uma potencialidade para novos usos, tanto comerciais quanto de prestação de serviços”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira. “Essa gama de novos usos no PLC vem dar uma condição de atração de investimentos para o local, a exemplo da educação, com faculdades”.

Uso ampliado

Presente à audiência, a secretária-executiva de Gestão e Planejamento do Território da Seduh, Janaína Vieira, ressaltou que o texto não trata de mudanças nos parâmetros de ocupação do setor: “Ele não altera nada com relação a parâmetros, altura de prédios, coeficiente de aproveitamento, nada. Só amplia os usos”. Ela lembrou que todo o Setor Comercial Sul tem passado por um processo de reformas, com obras e melhoria dos espaços públicos.
 

“Todos querem um SCS pulsante, vivo e contribuindo para o desenvolvimento econômico”Lígia Meireles, prefeita do Setor Comercial Sul

“Os setores Comercial Sul e Bancário Sul são, particularmente, áreas muito delicadas no centro da cidade, que apresentam um nível de ociosidade imobiliária muito grande”, observou a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. “Certamente, esses novos usos podem estimular a ocupação na região”.

Considerações

A prefeita do SCS, Lígia Meireles, elogiou a proposta da Seduh: “Existem empresas no Setor Comercial Sul sem licença e tem outras que querem ir lá ocupar os espaços vazios. Entendo que toda contribuição é importante para avançar nisso. Todos querem um SCS pulsante, vivo e contribuindo para o desenvolvimento econômico”.

Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista do Distrito Federal (Sindivarejista-DF), Sebastião Abritta, o objetivo principal é resgatar o SCS. “Queremos a legalização de quem já está lá e também a possível instalação de outras empresas no setor, que é um cartão-postal de Brasília, mas a cada dia tem sido depredado”, pontuou. “Precisamos trazer movimentação para lá. Onde há movimento e público, há renda”.

Já a representante do Conselho Comunitário da Asa Sul, Patrícia Carvalho, apontou a importância de ter mais estudos técnicos sobre as novas atividades no setor. “Também tem a questão da segurança, das pessoas em vulnerabilidade social, a questão do trânsito e as atividades que se enquadram como polos industriais”, ressaltou.

Na ocasião, o Conselho Comunitário da Asa Sul entregou uma lista com observações ao PLC para o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação. “É importante lembrar que todas as propostas passam pela avaliação criteriosa do Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Distrito Federal], além do Conplan [Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal], que exerce um papel fundamental e respeita a lógica de participação social nos debates urbanísticos”.

Próximos passos

Após a apresentação do Projeto de Lei Complementar, a equipe da Seduh vai finalizar a minuta do PLC, fazendo os ajustes técnicos necessários na proposta.

Em seguida, o texto será encaminhado para a deliberação do Conplan e, no momento seguinte, enviado à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) para ser apreciado pelos parlamentares. 

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação

Fonte: Agência Brasília

Elas possibilitam que os cidadãos possam ir e vir com liberdade, autonomia e segurança. No reforço à garantia desse direito previsto na Constituição, o Governo do Distrito Federal (GDF) investiu, entre janeiro de 2019 e novembro de 2022, R$ 183 milhões na construção de calçadas públicas por meio de obras da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), da Secretaria de Obras e das administrações regionais.

Cerca de oito mil empregos foram gerados nas obras de construção de calçadas no DF | Fotos: Paulo H Carvalho/Agência Brasília

“Esse é um programa continuado para atender a comunidade. As demandas são grandes e os pedidos constantes. Pretendemos fazer 1,5 mil km nos próximos cinco anos”André Vaz, diretor de Urbanização da Novacap

Em aproximadamente quatro anos, foram feitos cerca de 530 km de passeios, atendendo a pedestres das 33 regiões administrativas. Essa extensão representa aproximadamente, em linha reta, a distância de Brasília a Uberaba (MG), que é de 525,7 km.

A Novacap foi responsável pela maior parte do trabalho. Ao total, foram 304 km de calçadas construídas em 23 regiões administrativas, ao custo de R$ 108 milhões. “Depois do asfalto, calçada é o item mais pedido aqui dentro da Novacap. A gente observou essa necessidade e o governo, de 2019 para cá, já executou os mais de 300 quilômetros de calçada”, afirma o diretor de Urbanização da Novacap, André Vaz.

Já a Secretaria de Obras respondeu por mais 209 km em dez localidades específicas, com investimentos de quase R$ 75 milhões. Os demais quilômetros foram construídos pelas administrações regionais. Cerca de oito mil empregos foram gerados nas obras.

Demanda constante

As regiões que receberam o maior volume de calçadas foram Plano Piloto (167,4 km, incluindo as obras da W3 Sul e das quadras 700); Vicente Pires (135 km); Águas Claras (27,7 km); Taguatinga (16 km); Recanto das Emas (14,8 km); Lago Sul (13,9 km); Samambaia (11,7 km); Brazlândia (11,1 km); Gama (10,3 km); e Ceilândia (10 km).

Anne Rossignoli, moradora das quadras 700 da Asa Sul, diz: “Essa reforma é essencial. A W3 estava super decadente, com muitos buracos nas calçadas”

A auxiliar administrativo Anne Rossignoli, 42 anos, é moradora há 35 anos das quadras 700 da Asa Sul. Ela diz que a comunidade aguardava a reforma das calçadas há bastante tempo. “Essa reforma é essencial. A W3 estava super decadente, com muitos buracos nas calçadas. Que bom que chegou a melhoria”, afirma. A mulher que costuma andar bastante a pé já sente a benfeitoria.

A expectativa é de que no próximo ano o trabalho se intensifique. A Novacap espera executar em 2023 o programa contínuo de reforma, manutenção e implantação de calçadas e rotas acessíveis lançado neste ano. O edital está em fase de análise das propostas ganhadoras.

O contrato prevê o investimento de R$ 53 milhões por ano para o serviço que será feito por oito empresas divididas em oito lotes, que representam todas as regiões administrativas do DF. O contrato tem duração de cinco anos e os recursos podem ter origem do próprio governo e de emendas parlamentares.

“Esse é um programa continuado para atender a comunidade. As demandas são grandes e os pedidos constantes. Pretendemos fazer 1,5 mil km nos próximos cinco anos”, explica André Vaz.

Qualidade do passeio

“Melhoramos também o bordo das calçadas. Na maioria delas estamos colocando meio-fio cordão de um lado e do outro, o que ajuda para que a calçada não ceda, já que os canteiros também têm trânsito de veículos para poda, roçagem e serviços de telefonia e elétrica”André Vaz, diretor de Urbanização da Novacap

Além de ampliar os quilômetros de novas calçadas, o GDF tem investido na melhoria do processo de implantação dos passeios. A primeira novidade é a questão da acessibilidade com a inclusão de rampas dentro das normas. A outra mudança foi a melhoria no acabamento. Antes feito de forma manual, o processo agora conta com equipamento mecânico.

“Melhoramos também o bordo das calçadas. Na maioria delas estamos colocando meio-fio cordão de um lado e do outro, o que ajuda para que a calçada não ceda, já que os canteiros também têm trânsito de veículos para poda, roçagem e serviços de telefonia e elétrica. Isso tem feito com que dure mais e evitado grandes problemas, como fissuras”, acrescenta o diretor de Urbanização da Novacap.

Mais uma alteração no serviço está ligada à preparação do terreno. Uma camada de brita tem sido colocada antes do concreto, que também ganhou mais espessura. No caso de passeio com trânsito para serviços de iluminação elétrica, a Novacap inclui uma malha de aço no concreto, o que dá durabilidade à calçada.

Fonte: Agência Brasília

O Lote 45 do Setor de Embaixadas Norte (SEN), no Plano Piloto, também poderá ter prédios da administração pública. A extensão do uso e das atividades permitidas para o terreno foi autorizada pela Lei Complementar n° 1.017 – norma de autoria do Poder Executivo sancionada pelo governador Ibaneis Rocha e publicada na primeira página da edição de quarta-feira (19) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

A iniciativa, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), tem por objetivo permitir no local outras atividades além daquelas voltadas apenas para as embaixadas.

Com isso, ainda será possível regularizar no lote uma obra inacabada do Ministério Público do Trabalho (MPT), iniciada em 2006. Essa construção estava paralisada, aguardando o desfecho da questão, pois, à época, não havia amparo da legislação com relação ao uso do terreno. 

“A lei permite que o MPT, que já tem projeto para o local e já tinha iniciado as fundações de um prédio há quase 20 anos, possa concluir esse prédio próprio para a sua sede”, informa o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira. “A partir desse momento, a lei torna possível a aprovação do projeto e a retomada das obras.”

A proposta de flexibilizar os usos e atividades para todos os lotes do SEN já havia sido aprovada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Distrito Federal (Iphan), nos pareceres técnicos n° 32/2019 e nº 30/2021. Essa mudança também está prevista na proposta do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCub).

Fonte: Agência Brasília

O investimento em melhorias para o Setor Comercial Sul (SCS) vai aumentar. Uma ordem de serviço para reforma da Quadra 4, no valor de R$ 1,4 milhão, foi assinada nesta quinta-feira (27) pelo secretário de Governo, José Humberto Pires. O chefe da pasta aproveitou a ocasião para visitar as obras nas quadras 3 e 5, iniciadas em setembro.

 

“O objetivo é melhorar não só o aspecto físico e estético da área, mas sobretudo revigorar a economia do SCS”José Humberto Pires, secretário de Governo

A quantia acertada com a LAN Empreendimentos, empresa vencedora da licitação, é proveniente da Fonte 100, cujos recursos podem ser empregados livremente pelo Executivo. De acordo com o contrato, estão previstos nove meses de trabalho. E as obras começaram logo após a assinatura da ordem de serviço.

“O serviço será executado por etapas para não atrapalhar a rotina local”, comenta José Humberto. “É uma requalificação feita de forma integrada com todo o setor empresarial da região. O objetivo é melhorar não só o aspecto físico e estético da área, mas sobretudo revigorar a economia do SCS.”

O secretário de Governo, José Humberto, aproveitou a ocasião para visitar as obras em andamento no Setor Comercial Sul | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

As melhorias na Quadra 4 incluem reforma do pavimento existente no bolsão de estacionamento e remarcação de sinalização viária. Também serão feitos serviços de paisagismo, execução de calçadas e implantação de mobiliário urbano. O secretário de Obras e Infraestrutura, Luciano Carvalho, observa que a nova ordem de serviço dá continuidade a um processo de benfeitorias que contemplará o SCS inteiro.

“A Praça do Povo foi o ponto de partida para essa requalificação. E a reforma das quadras 3 e 5 está em andamento”, aponta. “Estamos refazendo as calçadas, investindo em acessibilidade, melhorando os espaços públicos e organizando as ocupações”. Para a etapa da obra que envolve as duas quadras, foram investidos R$ 7.562.648,82. “Também estamos trabalhando em ações para as quadras 1 e 6”, adianta Luciano.

  Foto: Emanuelle Sena/ASCOM RA-PP

Os projetos do SCS têm sido feitos pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). “Nossa equipe tem trabalhado para entender as necessidades da comunidade que frequenta a região”, conta o titular da pasta, Mateus Leandro de Oliveira. “Apostamos em melhorias que tragam mais segurança e ofereçam um espaço público de qualidade”.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, é importante que um dos espaços mais democráticos de Brasília receba atenção especial do governo. “É o coração pulsante da cidade”, afirma. Já a prefeita comunitária do SCS, Lígia Maria Batista, celebra os cuidados com a acessibilidade na região: “As pessoas poderão se movimentar de forma mais segura”.

Quem trabalha no SCS também aprova as reformas. Comerciante na região há 14 anos, George Ferreira de Medeiros garante que as melhorias trouxeram mais clientes para sua lanchonete. “O setor está muito mais limpo e seguro. Isso faz com que aumente o fluxo de pessoas pela região”, comemora.

Foto: Emanuelle Sena/ASCOM RA-PP

Por: Agência Brasília, com alterações.

O Site da Administração do Plano Piloto está de volta, após ficar fora do ar por conta das eleições. No entanto, os profissionais do site oficial de notícias da RA-PP continuaram produzindo matérias sobre as ações do governo. Esse trabalho começa a ser publicado a partir desta terça-feira (01/11). A data antes do início da matéria indica quando o texto foi escrito.
 

Brasília, 1º de setembro de 2022  – A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, prestigiou nesta quarta-feira, 21/9, a estreia do curta “Me farei Ouvir ”, no Cine Brasília. Primeira gestora negra à frente da RA-PP, Ilka foi uma das entrevistadas do filme, que aborda os gargalos e labirintos que a democracia brasileira produz para dificultar o acesso de mulheres.

“Fiquei muito feliz com o convite. É uma temática necessária. Precisamos discutir a representatividade de gênero e raça na política. O documentário vem como instrumento para fazer esse debate público. Ele é um fator para estimular esse debate, pois vivemos um momento de muitas mudanças e questionamentos no processo eleitoral”, comentou Ilka Teodoro em entrevista ao Metrópoles.

Com direção de Bianca Novais e de Flora Egécia, roteiro de Dandara Lima e trilha sonora original de Ellen Oléria e Paola Lappicy, o documentário foi 100% realizado por mulheres e foi filmado no segundo semestre de 2019.

Taís Andrade, designer gráfica, foi uma das primeiras a chegar ao um tradicional cinema brasiliense, acompanhada da mãe, que participou da campanha de financiamento coletivo para produção do documentário, e estava com muita expectativa antes da estreia. “Acho que vai ser um documentário bem relevante para o momento que a gente está vivendo agora, nesse contexto político”, disse. “Acredito que fala muito sobre você se posicionar, com a sua voz, de se impor e mostra a importância da gente ocupar esses espaços”, completa.

 

Não perca a oportunidade para retomar os estudos!

 

A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é destinada para maiores de 15 anos que não concluíram o ensino fundamental e maiores de 18 que não finalizaram o ensino médio.

 

Inscrição para o 1º semestre de 2023

Período de 2 a 14 de novembro de 2022

 

FAÇA AQUI SUA INSCRIÇÃO

 

ou pelo telefone

Central 156 → Opção 2

 

img-responsiva  O candidato poderá escolher, no ato da inscrição, até duas opções de unidade escolar, dependendo da oferta disponível para o período.

 

Fique de olho nas datas

Inscrição Resultado Matrícula

 

 

img-responsiva 2 a 14/11/2022

 

On-line

ou

Central 156 → Opção 2

 

 

img-responsiva 20/12/2022, a partir das 18h

*Data prevista para divulgação

 

img-responsiva

A consulta ao resultado é de inteira responsabilidade dos candidatos.

 

 

img-responsiva 3 e 10/1/2023

 

Documentos necessários

• Identidade

• CPF

• Duas fotos 3 X 4

• Comprovante de residência

• Declaração Provisória de Matrícula (Deprov) ou Histórico Escolar
• No caso de estudantes menores de idade, também será indispensável a apresentação da identidade e CPF do responsável.

 

 

 

img-responsiva  ATENÇÃO!

 

O candidato que não fizer a matrícula no período estipulado perderá a vaga e ficará sujeito à disponibilidade de vagas remanescentes, que serão ofertadas a partir do primeiro dia de aula, diretamente na secretaria das unidades escolares.

O Governo do Distrito Federal (GDF) regulamentou a Lei Complementar nº 998/2022, que trata sobre o uso e a ocupação das áreas públicas nos comércios da Asa Sul, mais conhecidas como “puxadinhos”. A iniciativa foi possível com a assinatura do decreto nº 43.609, publicado na edição desta terça-feira (2) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

Uma das principais novidades é que os locatários também poderão entrar com o pedido de regularização dos puxadinhos, desde que tenham a procuração dos proprietários | Foto: Divulgação/Seduh

A norma, elaborada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), detalha os conceitos, requisitos e parâmetros previstos em lei para disciplinar a ocupação de 2.134 imóveis no Comércio Local Sul do Plano Piloto, seja com relação aos avanços no fundo das lojas, entreblocos ou nas extremidades das quadras. Também traz mais agilidade aos processos, fazendo adequações de fluxos e procedimentos na norma anterior.

Uma das principais novidades é que os locatários dos imóveis também poderão entrar com o pedido de regularização dos puxadinhos, desde que tenham a procuração que garanta tal medida. Antes, somente os proprietários podiam fazer essa solicitação junto ao GDF. Com a regulamentação da lei, eles devem iniciar o pedido de regularização nos próximos 90 dias, contados a partir da data da publicação do decreto.

Os interessados devem enviar um projeto para a Central de Aprovação de Projetos (CAP) da Seduh. Nele, devem estar estipuladas todas as adequações que os comerciantes e locatários desejam fazer, inclusive sobre adequação das calçadas e acessibilidade ao local.

Caso ainda tenha avanços fora dos padrões legais, os responsáveis deverão demolir as edificações até os limites permitidos, restituindo a área pública desocupada e desobstruída, em até um ano. “O decreto define como pode ser ocupado, tamanhos, distâncias da área pública que pode ter e alguns detalhamentos. Também estabelece os prazos para entrarem com o processo de regularização. Todos os interessados têm 90 dias de prazo. Depois, terão um ano para colocar a ‘casa em ordem’, organizando o espaço de acordo com o projeto aprovado”, explicou a secretária executiva de Gestão e Planejamento do Território, Janaína Vieira.

Simplificações

Uma simplificação trazida pelo decreto é a possibilidade de a Administração Regional do Plano Piloto emitir, no ato do pedido de regularização, o Termo de Autorização Precária de Uso Onerosa, com validade de até um ano. O documento é válido desde que a ocupação seja passível de regularização e não possua interferência com as redes de infraestrutura.

Outra novidade é que o contrato de concessão de uso emitido pela Administração Regional do Plano Piloto agora configura como licença específica para execução de obras em área pública, o que também simplificou o processo. Antes, o projeto era aprovado na CAP, ia para a administração emitir o contrato e, depois, voltava para a CAP emitir uma licença. Agora, o próprio contrato valerá como licença.

Cobrança

Uma das mudanças regulamentadas pelo decreto é a alteração na fórmula de calcular a cobrança pelo uso da área pública construída. Agora, o valor deve ser pago anualmente pelos ocupantes e pode ser dividido em até oito parcelas.

Antes, se o proprietário de estabelecimento construísse em uma área de, por exemplo, 21 metros quadrados, com térreo, subsolo e primeiro solo, pagaria pelos três espaços, ou seja, 63 metros quadrados. Agora, com a mudança na fórmula do cálculo, vai pagar apenas pelos 21 metros quadrados de ocupação de toda a área, diminuindo o custo.

Permissões

O decreto permite a ocupação de, no máximo, 6 metros atrás de cada estabelecimento, sendo vedada nas áreas verdes entre a superquadra e o comércio local. Dessa forma, se preserva o projeto original de Lucio Costa.

A ocupação com construções, inclusive de alvenaria, é permitida apenas nesses 6 metros atrás de cada estabelecimento. Nos entreblocos e extremidades laterais vale apenas com mesas e cadeiras de remoção diária.

Toldos verticais retráteis são permitidos apenas sob as marquises nas ocupações entreblocos e nas extremidades laterais, para garantir o conforto térmico, luminoso e sonoro aos usuários. Já os toldos horizontais retráteis são permitidos somente nas ocupações das extremidades laterais, nos 5 metros além da marquise.

Acessibilidade e fiscalização

Os estabelecimentos deverão preservar as calçadas de pedestres e as ciclovias existentes ou previstas, mantendo-as desobstruídas e garantindo a acessibilidade, mesmo durante o horário de funcionamento.

“Está previsto que todas as medidas sejam adequadas com a acessibilidade. A lei trouxe essa regulamentação para resolver essa questão de uma vez por todas. Desde nos desníveis das calçadas ao acesso dos pedestres”, destacou Janaína Vieira.

A fiscalização pelo não cumprimento do decreto e pela ocupação indevida do espaço público cabe ao DF Legal.

Fonte: Agência Brasília

Brasília, 21 de setembro de 2022 – Um grande trabalho de parceria do GDF Presente, Novacap e Administração Regional do Plano Piloto está sendo realizado para limpar todas as bocas de lobo da Asa Sul. A ação começou nesta quarta-feira (21) na 516 Sul, com a participação de 22 trabalhadores, sendo oito reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape).

O objetivo da iniciativa é evitar alagamentos ao longo da via, que passou recentemente por reformas das calçadas. “Neste primeiro dia foram retiradas dos bueiros 12 toneladas de lama e inservíveis”, informa o responsável pelo Polo Central 3 do GDF Presente, no qual está inserido o Plano Piloto, Alexandro César.

Limpeza das bocas de lobo da 516 Sul nesta quarta-feira (21) | Foto: Divulgação/GDF Presente

O secretário de Governo do DF, José Humberto Pires, destaca que a limpeza das bocas de lobo é realizada durante todo o ano, mas foi acentuada neste momento. “É um trabalho contínuo que se intensifica agora, porque o período de chuvas já começou, lembrando que a W3 teve suas calçadas reformadas. Essa limpeza é fundamental”, afirma.

“No período que antecede as chuvas, muito lixo verde vai parar nas bocas de lobo, além do material que fica em cima do solo e migra para os bueiros com as chuvas. A expectativa é que em todo o DF tenhamos um período chuvoso tranquilo na cidade, devido a ações dessa natureza”, explicou o secretário de Governo. Além da limpeza, todos os bueiros receberam um jato de água para concluir o trabalho.

Os proprietários das lojas da 516 Sul acompanharam o início da ação de limpeza. No passado, a falta de manutenção fez com que alguns estabelecimentos da W3 fossem invadidos pela água das chuvas, que molhou e danificou os produtos à venda. “A ação preventiva é fundamental”, diz César.

O trabalho é realizado todos os dias das 9h às 15h e, segundo o coordenador do Polo, não tem data para ser encerrado. O objetivo é limpar todas as boca de lobo da W3 Sul.

Fonte: Agência Brasília 

Renovada após as obras de infraestrutura feitas pelo governo, a W3 Sul recebeu, nesta semana, uma limpeza completa executada pelo programa GDF Presente. Da 502 até a 516, todas as quadras tiveram as calçadas e seus becos lavados. Cerca de 100 bocas de lobo, espalhadas pela pista, também foram higienizadas e preparadas para o tempo chuvoso que se aproxima.

Além da lavagem das calçadas, foi feita limpeza das bocas de lobo espalhadas pela via | Fotos: GDF Presente

O trabalho contou com a participação do Detran – responsável por organizar o trânsito na via – e de dez reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape) que colaboraram com a faxina. Um caminhão-pipa da Novacap forneceu toda a água usada na lavagem. Com isso, o lado comercial da W3 ficou de cara nova e agradou os comerciantes. A parte residencial será feita em uma próxima etapa.

Ação frequente

“Achei maravilhoso o serviço”, elogiou a empresária Ângela Lima, dona de uma banca de revistas na 506 Sul. “Eliminaram a areia, a sujeira e, por tabela, também ratos que passam aqui. A limpeza é fundamental. E também reparei que estão esvaziando as bocas de lobo desde lá de cima. Há muito tempo não via uma ação como essa. É nota dez!”

O coordenador do Polo Central 3 do GDF Presente, Alexandro César, lembra que esse é o tipo de ação que ocorre a cada seis meses na região. “Muitas bocas de lobo ficam repletas de terra e folhas, que são arrastadas para dentro delas”, aponta. “Além disso, os becos estavam sujos, trazendo desconforto para a população”.

Meios-fios

Equipes do GDF Presente também atuam na W3 Norte

As equipes do programa também executaram nesta segunda (3) e na terça-feira (4), o serviço de fresagem nos meios-fios do início da W3 Norte. “Este trabalho do GDF Presente é um reforço fundamental na conservação do Plano Piloto”, reforça a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. ”Esses reparos contribuem com a segurança durante o fluxo de visitantes e moradores pela cidade e evitam os alagamentos na via”. 

Fonte: Agência Brasília

Breno Biank e Filipe Alves jogam pingue-pongue na praça: programa incentiva o melhoramento dos espaços públicos para lazer da população | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

O programa Adote Uma Praça já recebeu 277 propostas de adoção de espaços públicos entre o lançamento, em maio de 2019, e esta sexta-feira (21). Do total de envios, realizados por pessoas físicas e empresas, 61 já estão concluídos; 61 estão com reformas em andamento; e outros 91 em fase de análise pelas administrações regionais e Secretaria de Projetos Especiais do Distrito Federal (Sepe). As tratativas restantes foram negadas ou suspensas por não atenderem aos critérios definidos por decreto.

Na avaliação do secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade, a quantidade de sugestões indica que a população está comprometida com a cidade. “O projeto tem o cunho de resgate da consciência cidadã e número de locais inaugurados”, aponta. “Em quase quatro anos de existência, demonstra que as pessoas, físicas ou jurídicas, absorveram bem a iniciativa. A preservação do bem público é uma questão de pertencimento”.

As proposições para adoção contemplam 24 regiões administrativas (RAs), dentre as quais 15 cidades já contam com espaços adotados e inaugurados. Destacam-se o Plano Piloto e o Gama, cidades que mais repaginaram espaços públicos. No Plano Piloto, 12 locais estão aptos para uso e outros sete se encontram com obras em andamento. No Gama, dez projetos já foram inaugurados e outros dez estão sendo reformados.

A lista de RAs com proposições aceitas e concluídas é composta ainda por Águas Claras, Brazlândia, Ceilândia, Guará, Jardim Botânico, Lago Sul, Paranoá, Planaltina, Samambaia, São Sebastião, Sobradinho 2, Sudoeste/Octogonal e Taguatinga.

Participação social

“O programa Adote Uma Praça estimula a preservação de áreas públicas na capital e incentiva a participação social para a melhoria de espaços urbanos por meio de parcerias”, reforça a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro. “Isso fortalece ainda mais as ações realizadas pelo poder público, deixando nossa cidade mais bonita, bem-cuidada e organizada. A melhor forma de prevenir a degradação das áreas é com o cuidado coletivo.”

Além de praças, diversos outros locais podem ser alvo de manutenções: áreas verdes, estacionamentos, parques urbanos,jardins, rotatórias,  canteiros centrais de avenidas, pontos turísticos, monumentos e outros espaços e bens de propriedade do DF colocados ao uso da comunidade.

A subsecretária se Desestatização, Desinvestimento e Desimobilização da Sepe, Danielle Rodrigues, explica que existem requisitos para se adotar um local: “Tem que ser uma área usável por toda a população, área pública mesmo, e não pode haver nenhum tipo de impedimento ao uso, como cercas e cobranças financeiras”.

A pasta busca ativamente novos adotantes, a partir da distribuição de folders sobre o programa em áreas que já são cuidadas pela população. “Vemos que há muitas áreas que estão adotadas, porém, não são regularizadas dentro do programa”, comenta Danielle. “Conversamos com moradores que moram próximo a esses pontos e, muitas vezes, a pessoa não sabe o que é o projeto, mesmo já cumprindo boa parte dos requisitos”.

Lazer garantido

A arquiteta Juliana Mendes se juntou a vizinhos de quadra e adotou um parquinho na 313 Sul:  “Foi o pontapé inicial para uma série de melhorias na praça, que estava abandonada, e agora é um lugar vivo, com muitas crianças”

Conforme estipulado em decreto, o objetivo do programa é “qualificar, requalificar, embelezar e conservar os mobiliários urbanos e os logradouros públicos”, bem como “promover ações urbanas comunitárias para desenvolver o senso de pertencimento e a qualidade de vida da população local”. A adesão pode partir de empresas, com reformas em áreas próximas a empreendimentos – desde que não utilizem o espaço para promoção publicitária -, ou pessoas físicas.

É o caso da arquiteta Juliana Mendes, 38 anos, responsável pela adoção de um parquinho na 313 Sul junto a outros moradores. Em abril de 2019, uma outra moradora da quadra iniciou uma mobilização para reforma do local, que estava completamente abandonado. Muitos residentes, incluindo Juliana, aderiram à ideia e iniciaram um trabalho de repaginação.

“Como arquiteta, verifiquei junto à administração regional como fazer a reforma, e foi quando soube do programa Adote Uma Praça”, relembra ela. Com o projeto aprovado, os moradores compraram novos brinquedos, reformaram o alambrado do parquinho e trocaram areia, com apoio de funcionários da administração.

Melhorias para todos

Em outubro do mesmo ano, após seis meses de trabalho intenso, o parquinho foi reinaugurado e novas demandas surgiram. “Foi o pontapé inicial para uma série de melhorias na praça, que estava abandonada, e agora é um lugar vivo, com muitas crianças”, conta Juliana.

A adoção permitiu a compra de cinco brinquedos para as crianças, como escorregadores e balanços, instalados dentro do parquinho infantil, além de uma mesa de pingue-pongue, uma mesa de xadrez e golzinhos para futebol. As aquisições tiveram custo superior a R$ 35 mil, obtido por arrecadação coletiva entre os prédios da quadra.

Os amigos Filipe Alves, 25 anos, e Breno Biank, 26, não moram na quadra, mas consideram a mesa de pingue-pongue como a melhor parte da praça. Ambos trabalham como motoboys de terça-feira a domingo, e, sempre que têm uma pausa entre uma entrega e outra, estão jogando e se divertindo no espaço público.

“A gente viu ela de longe, e foi amor à primeira vista”, revela Filipe, que, após descobrir o equipamento, comprou um par de raquetes e uma bolinha de pingue-pongue. Breno complementa: “É uma distração muito boa e do lado do trabalho; então, quando temos que sair, nosso chefe manda uma mensagem e vamos. Até ele já jogou com a gente”.

Fonte: Agência Brasília

Brasília, 22 de setembro de 2022 – Um projeto apoiado pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU) transformou mais de 87 mil bitucas de cigarro coletadas no Distrito Federal em massa celulósica para serem utilizadas em artesanato. A massa, desenvolvida com tecnologia patenteada pela Universidade de Brasília (UnB), é certificada pela ISO 14001 e os primeiros resultados serão apresentados nesta quinta-feira (22), às 16h, na oficina de arte da Casa da Cultura da América Latina, no Setor Comercial Sul.

Na oficina, uma professora da UnB vai ensinar pessoas em situação de rua a manusear a massa e fazer folha de papel para o artesanato. O projeto Poiato Recicla é a primeira usina de reciclagem de resíduos de cigarros do Brasil. Ele impacta na limpeza urbana, ajudando a diminuir o risco de descarte incorreto de bitucas de cigarro. “Essa tecnologia de reciclagem foi desenvolvida aqui em Brasília, na UnB, e espalhamos para o Brasil inteiro. Já tivemos a apresentação, a instalação das caixas, a coleta e agora vamos para a parte da ação”, explicou o idealizador do projeto, Marcos Poiato.

Para coletar as bitucas de cigarro, o projeto instalou 100 coletores no Plano Piloto, em locais como os Setores Comerciais e Hospitalares Sul e Norte

O SLU abriu espaço para exposição do projeto no Museu da Limpeza Urbana, no Venâncio Shopping. Para coletar as bitucas de cigarro, a empresa Poiato Recicla contou com o apoio do Instituto Lixo Zero e instalou 100 coletores no Plano Piloto, em locais como os Setores Comerciais e Hospitalares Sul e Norte.

Essas instalações foram fruto de acordo de cooperação entre a Administração Regional do Plano Piloto e a empresa, situada em Votorantim (SP). Funcionários da companhia coletaram as bitucas de cigarro, que foram transportadas para a cidade do interior de São Paulo. Lá foram transformadas em massa celulósica para uso em artesanatos e devolvidas ao DF, para serem utilizadas em projetos sociais como o do Instituto No Setor.

“O correto mesmo é não fumar, mas sabemos que esse hábito ainda é muito comum. Portanto, o que podemos fazer é incentivar que o descarte das bitucas seja no lugar certo. Com isso evitamos que elas sejam escoadas pelas bocas de lobo e contaminem nossos lençóis freáticos. Sem falar nessa incrível tecnologia genuinamente do Distrito Federal que pode ajudar na ressocialização de muitas pessoas”, explicou o diretor-presidente do SLU, Silvio Vieira.

Serviço

Oficina de arte com massa celulósica de bituca de cigarro
Local: Casa da Cultura da América Latina – Setor Comercial Sul, Quadra 4, Sala 106 – Edifício Anápolis
Hora: 16h

Fonte: Agência Brasília

Seguindo a Instrução Normativa nº 4, de 1º de junho de 2022, sobre a divulgação e publicidade no período eleitoral, iremos suspender a publicação de conteúdos em nossas redes sociais. 

🗓️ A medida acontecerá a partir do dia 2 de julho até o fim das eleições de 2022. 
Toda e qualquer informação que for essencial para a população do DF será compartilhada no perfil oficial do GDF (@gov_df) e no site da Agência Brasília (agenciabrasilia.df.gov.br).

📢 Caso tenha dúvidas, entre em contato com a nossa ouvidoria!

Com profissionais prontos para imunizar a população e estoque de vacinas disponível, se proteger contra a covid-19 no Distrito Federal tem sido fácil. De segunda a sexta-feira, são mais de 80 unidades de saúde preparadas para aplicar a primeira dose, a segunda dose e os reforços. Dezessete locais também funcionam à noite, das 19h às 22h, incluindo um com atendimento drive-thru.

No Riacho Fundo II, a população ainda não se acostumou a procurar a UBS 5, inaugurada em março | Fotos: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Outra dica é procurar as unidades de saúde com menor demanda. No Riacho Fundo II, por exemplo, a Unidade Básica de Saúde (UBS) 5 tem uma sala de vacinação nova, inaugurada em março. Mas a população ainda comparece mais às UBS 1 e 2 do Riacho Fundo II, localizadas a 2,5 km e a 4 km de distância da nova UBS, respectivamente. O mesmo se repete no Vale do Amanhecer, em Planaltina, onde a UBS 8 foi inaugurada em dezembro do ano passado.

Em Ceilândia, a Secretaria de Saúde oferta vacinação contra a covid-19 em todas as 14 unidades básicas de saúde. “Quanto mais portas abertas, maior a chances de a gente vacinar a nossa população”, afirma a diretora de Atenção Primária à Saúde da Região Oeste, Sandra de França. Ainda assim, há uma concentração em determinadas UBS: enquanto a 2 (localizada na QNN 15) e a 7 (na QNO 10) registram filas, a UBS 11 (na EQNO 17/18) e a UBS 8 (na EQNP 13/17) têm movimento mais tranquilo.

“As unidades que são referência para a covid-19, desde o início da campanha, as pessoas já sabem e vão. Mas em todas as UBS as equipes estão prontas para vacinar”, explica Sandra. A situação se mantém até no atendimento noturno: as UBS 3, 5 e 7 têm sido preferidas por quem vai se imunizar entre as 19h e 22h, mas a UBS 12 (na EQNQ 03/04) também está aberta no mesmo horário e com menos movimento.

A UBS 8 de Planaltina foi inaugurada em dezembro do ano passado

No Plano Piloto, a UBS 1 da Asa Sul (Quadra 612 Sul) é o local com maior número de doses aplicadas diariamente, superando a marca de mil atendimentos por vários dias seguidos. Porém, em menos de 15 minutos de carro é possível estar na UBS 3 da Vila Planalto, unidade próxima à região central da cidade. Ali, a média de vacinas aplicadas diariamente fica entre 200 e 250. O mesmo se repete em outra área: enquanto a UBS 5 de Taguatinga, localizada na movimentada Samdu Sul (Setor D Sul, Área Especial 23) atende pessoas até de outras regiões administrativas, próximo dela está a UBS 8 de Samambaia (QS 314 Conjunto 5), com movimento tranquilo.

Já na região Norte, a dica é estar atento aos dias de abertura de cada unidade de saúde. Localizada ao lado da UPA, a UBS 2 de Sobradinho II vacina contra a covid-19 às segundas e sextas-feiras e registra o maior movimento da região. Porém, quem puder se planejar pode ir às terças e quintas-feiras na UBS 1 de Sobradinho II (quadra AR 13).

Confira a lista de unidades para fugir das filas:

UBS 3 Vila Planalto
Horário de vacinação: das 8h às 12h e das 13h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: Rua Piaui Área Especial 2 – Acampamento Pacheco

Ponto de vacinação na Rodoviária do Plano Piloto
Horário de vacinação: das 7h às 20h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)

Drive-thru da 612 Sul
Horário de vacinação: das 18h às 22h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)

UBS 5 Riacho Fundo II
Horário de vacinação: das 8h às 16h30 – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: QC 6 CJ 16 Lote 1 Área Especial 1

UBS 8 Samambaia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: QS 314 Conjunto 5 Lote 1

UBS 2 Brazlândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: Quadra 45 Área Especial, Vila São José

UBS 1 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNP 7/11 Setor P Norte

UBS 8 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNP 13/18 Lotes A, B, C, D – P Norte

UBS 9 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNP 28/32 Lotes A, B, C e D

UBS 11 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNO 17/18

UBS 12 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNQ 3/4

UBS 15 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: QNR 2 Área Especial 12

UBS 16 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: Quadra 500 AE S/N Trecho 1 Sol Nascente

UBS 17 Ceilândia
Horário de vacinação: das 8h às 17h – SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (Dias úteis)
Endereço: EQNP 16/20 Área Especial E, F

UBS 3 Sobradinho – Nova Colina
Horário de vacinação: das 8h às 12h e das 13h às 17h – SEGUNDAS E QUINTAS-FEIRAS (Dias úteis)
Endereço: Área Especial – Novo Setor de Mansões Nova Colina

UBS 1 Sobradinho II
Horário de vacinação: das 8h às 12h e das 13h às 17h – TERÇAS E QUARTAS-FEIRAS (Dias úteis)
Endereço: AR 13 Conjunto 7 Lote 1

UBS 8 Planaltina
Horário de vacinação: das 8h às 12h e das 13h às 17h – SOMENTE ÀS QUINTAS-FEIRAS (Dias úteis)
Endereço: Área Especial 1 Vale do Amanhecer, Planaltina

UBS 2 Planaltina
Horário de vacinação: das 8h às 12h e das 13h às 17h – SOMENTE ÀS TERÇAS-FEIRAS
Endereço: Entrequadras 1/10 Área Especial S/N – Vila Buritis

*Com informações da Secretaria de Saúde

Jeanine Woycicki, Chefe de Gabinete da Administração do Plano Piloto, participou, nesta quinta-feira, 30/6, da Cerimônia de Lançamento do Conecta IFB que aconteceu no Espaço Museu da Biblioteca do IFB Campus Brasília.

O CONECTAIF é um evento gratuito e anual realizado pelo Instituto Federal de Brasília que reúne inovação, tecnologia e muito conhecimento. Nele, são oferecidas centenas de atividades, todas gratuitas, e nas mais diversas áreas. São oficinas, mostras, workshops, rodas de conversa, protótipos de produtos, arte, cultura, palestras, competições, exposições e muito mais, totalizando 18 eventos simultâneos.

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

“Esses mutirões, para mim, são muito bons. No início do ano, consegui tirar minha carteira de identidade. Nossa, gostei muito e agiliza a vida ter tudo aqui no mesmo lugar”, avalia Eliana de Souza Mendonça, 55 anos. Ela está em situação de rua desde 2019 e vai todos os dias ao Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) Brasília fazer as refeições.

Eliana foi uma das pessoas em situação de rua atendidas no 3º Mutirão de Atendimento às Pessoas em Situação de Rua (PopRuaJud), realizado no Centro Pop Brasília, na Asa Sul (SGAS 903, Conjunto C), nesta quarta-feira (29). A unidade é vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes).

Nesta edição, o PopRuaJud ofereceu, além de atendimento e orientação jurídica, a emissão de documentos, certidões, consultas médicas e vacinação. O público também teve a oportunidade de cortar cabelo, fazer barba e unha.

Eliana Mendonça participou da segunda edição do PopRuaJud, em março deste ano, quando solicitou uma nova carteira de identidade. E, quando soube do novo mutirão, fez questão de comparecer para resolver as pendências que impedem ela de receber os benefícios sociais. “Estou gostando muito do atendimento. Consegui a isenção de um documento que preciso para entrar na lista da Companhia de Desenvolvimento Habitacional no DF (Codhab), e para ser habilitada aos programas do órgão. Também tenho um problema bancário que preciso resolver na Justiça e estou sendo orientada pela Defensoria Pública”, comemora.


A juíza do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Luciana Yuki, coordenadora do Centro de Inteligência da Justiça do DF e uma das organizadoras da iniciativa, afirma que a questão dos agendamentos para ir ao local fisicamente dificulta o acesso da população em situação de rua. “Então, a gente quer trazer esse acesso ao mesmo lugar em que eles estão”, destaca.

O mutirão PopRuaJud é uma parceria entre o TJDFT e a Justiça Federal (Seção Judiciária do DF), com apoio das Defensorias Públicas da União e do Distrito Federal, das secretarias de Desenvolvimento Social (Sedes) e da Saúde, da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e de vários órgãos do Judiciário e Executivo do GDF.

A Administração Regional do Plano Piloto foi parceira do mutirão e realizou dezesseis atendimentos oferecidos pela Junta Militar do órgão. Foram emitidos certificados de reservista, de alistamento e atestados de desobrigação militar.

Foto: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

Para a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, essas parcerias fortalecem a política de assistência social. “É uma forma de garantir a proteção social, de fortalecer a população de assistência social com todos os serviços do Judiciário e do Executivo juntos”, destaca a gestora. Na opinião de Mayara Noronha Rocha, trata-se de um evento completo, inclusive para sanar as dúvidas desse público. “Também é uma forma de incentivarmos para que eles busquem todo tipo de informação e se sintam mais seguros, com mais vontade de seguir novos caminhos”, complementa a secretária.

Próxima edição

Segundo o juiz federal do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) Márcio Barbosa Maia, um dos coordenadores da ação, a 4ª edição do Mutirão PopRuaJud já tem data marcada: 30 de agosto, no Centro Pop Taguatinga – QNF 24 A/E nº 2 Mód. A Taguatinga Norte. A ideia é realizar o evento para marcar o mês do Dia Nacional de Luta da População em Situação de Rua, comemorado em 19 de agosto.

“Nós já celebramos mais de 50 acordos de Benefício de Prestação Continuada (BPC LOAS) e auxílios por incapacidade temporária nos três mutirões”, contabiliza. Para o jurista, os cidadãos se sentem confortáveis no Centro Pop, onde fazem as suas refeições e passam pelo atendimento socioassistencial. “Montamos aqui um portal da cidadania, com todas as instituições à disposição deles, uma vez que, por si só, é dificílimo procurarem esses serviços”, ressalta o juiz federal.

O PopRuaJud é uma iniciativa do Centro de Inteligência da Justiça do Distrito Federal (CIJDF) e tem como objetivo prestar atendimento jurídico a pessoas em situação de rua, conforme Resolução 425/2021 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O documento instituiu, no âmbito do Poder Judiciário, a Política Nacional Judicial de Atenção a Pessoas em Situação de Rua e suas interseccionalidades.

Fonte: Agência Brasília com informações da Administração do Plano Piloto

Em função das obras do Túnel de Taguatinga, uma faixa da Avenida Elmo Serejo, sentido Avenida Central, será interditada nesta sexta-feira (1º/7), a partir das 21h, durante 40 dias. A ação é necessária para a continuidade dos serviços de lançamento da drenagem na bacia de contenção do túnel.

O trecho bloqueado tem 250 m de extensão e terá início na intersecção da Elmo Serejo com a via QSC AE, indo até a entrada do estacionamento da Feira dos Importados. Dessa forma, condutores que estejam indo na direção da feira devem acessar a QSC AE e depois a QSC 01 para chegar ao local.

A ação será sinalizada e contará com apoio do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran). Duas faixas permanecerão livres durante a interdição.

Benefícios

Com investimento de R$ 275,7 milhões, o Túnel de Taguatinga resultará em economia de tempo, alternativas de percursos e mais opções para quem utiliza o comércio da região. Assim que estiver concluído, a estrutura viária fará uma ligação para motoristas que trafegam no sentido Ceilândia, pela Avenida Elmo Serejo, além de oferecer uma via alternativa pela superfície para o centro de Taguatinga, evitando a retenção de veículos nos semáforos do centro da cidade.

Além disso, os carros que estiverem na Avenida Elmo Serejo, sentido Plano Piloto, vão entrar pelo túnel e sair na Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Do outro lado, aqueles que chegarem a Taguatinga pela EPTG também passarão pelo túnel até o início da Via Estádio, saindo logo após o viaduto da Avenida Samdu. Vias marginais darão acesso às avenidas Comercial Sul e Norte e Samdu Sul e Norte.

Fonte: Agência Brasília

Por intermédio da administração do Plano Piloto, parte da equipe do Censo no Distrito Federal reuniu-se com prefeitos de quadra e outras lideranças da região na noite da última quinta-feira (26/5). O encontro foi proposto pela administradora da região administrativa, Ilka Teodoro, com a qual foi firmada recentemente parceria para divulgação do Censo. Estavam presentes o coordenador operacional do Censo no Distrito Federal, Marcelo Alessandro Nunes, a coordenadora de divulgação local, Michella Reis, o chefe da área Brasília, Rafael Gomes Pereira, e dois dos coordenadores censitários de subárea responsáveis pela região Gabriel Batista dos Santos e Leonardo Carlos Cunha.

Na abertura do evento, a administradora da RA, Ilka Teodoro, destacou a importância de pesquisas como o Censo Demográfico para planejar as políticas públicas. “O Censo é a única forma de a gente ter todas essas informações sobre a situação de vida da população, de cada um dos municípios, de cada uma das localidades. Serve de base para outras pesquisas. As informações do Censo também condicionam as outras pesquisas por amostra de domicílios”, destacou.

Em seguida, o coordenador operacional do Censo no DF, Marcelo Nunes, saudou os presentes, destacou a importância da pesquisa e explicou quais seriam os temas principais da apresentação. “O Censo é uma pesquisa que a gente chama de universo, não é uma amostra. O nosso objetivo é visitar 100% dos domicílios do Distrito Federal, não deixar nada para trás. Para isso nós temos uma metodologia, tem uma forma correta de fazer o trabalho”.

A apresentação realizada por Michella Reis durou cerca de 30 minutos e revelou as principais informações sobre o Censo: duração, datas de referência, identificação dos recenseadores, recorte dos dados e utilidade das informações. A coordenadora de divulgação também apresentou os nomes dos supervisores das áreas do Plano Piloto e o quantitativo de profissionais que atuarão em cada região.

“Essa região é central no DF, tem um dos maiores rendimentos da cidade e é onde temos algumas dificuldades de coleta. Portanto, essa parceria com a RA e os contatos junto aos prefeitos de quadra e síndicos nos ajudarão a abrir portas para os recenseadores. O objetivo é não deixar nenhum domicílio de fora”, apontou a coordenadora de divulgação do DF.

Por fim, os participantes tiveram a oportunidade de fazer perguntas e sugestões aos servidores do IBGE. Os presentes também receberam materiais de divulgação e mostraram-se engajados em contribuir com a operação.

Texto: Censo/IBGE

Fotos: Emanuelle Sena/ASCOM-RA-PP

O TJDFT, em parceria com diversas instituições, entre as quais, a AMAGIS- DF, IBDFAM e RIEX-DF, levará à população em situação de rua atendimento jurídico, prestação de serviço e cidadania. O 3º Mutirão de Atendimento às Pessoas em Situação de Rua – PopRuaJud acontece na terça-feira, 28/06, no Centro Pop Brasília, localizado na SGAS 903, das 8h às 13h.

Durante o evento, serão oferecidos acesso facilitado à consulta processual e redução a termo de demandas, tanto para entrar com ação judicial quanto para fins de conciliação pré-processual. Além disso, será promovida campanha de conscientização sobre violência doméstica e familiar contra a mulher.

Uma equipe de voluntários do TJDFT, formada por magistrados e servidores, fará uma triagem dos atendimentos e dará orientações sobre o passo a passo para solucionar cada caso. "Geralmente as pessoas têm mais de uma demanda, é necessário seguir uma ordem. Primeiro  precisa da identidade para depois, por exemplo, acessar o INSS, a conciliação previdenciária do seu benefício. Então, a gente traz as nossas equipes também para isso”, explicou a Juíza de Direito do TJDFT e Coordenadora do Centro de Inteligência da Justiça do DF, Luciana Yuki. 

O PopRuaJud irá oferecer, além de atendimento jurídico e emissão de documentos,  consultas médicas e aplicação de doses das vacinas contra a Covid e a H1N1. Quem for ao evento terá ainda à disposição corte de cabelo, barba e unha. Haverá também doações de roupas e agasalhos. 

A Coordenadora do Centro de Inteligência da Justiça do DF lembrou que alguns dos serviços que serão oferecidos foram solicitados pelas pessoas em situação de rua. “ Cada vez que a gente faz um mutirão, a demanda vem dos próprios usuários dos serviços. Então, eles pediram corte de cabelo, serviços médicos, e aos poucos, a gente vem suprindo essas demandas, acionando diversos órgãos públicos”, afirmou, destacando que a ideia do evento é unir, em um só espaço, instituições para que seja facilitado o acesso aos serviços pela população em situação de rua. 

O 3º PopRuaJud contará com a participação de diversos órgãos e instituições, entre eles a Justiça Federal – Subseção do Distrito Federal, o Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, a Defensoria Pública do Distrito Federal – DPDF, a Defensoria Pública da União – DPU; a Polícia Civil do Distrito Federal – PCDF; a Secretaria de Desenvolvimento Social do DF – SEDES e a Secretaria de Saúde do DF. A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal – CAESB e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC também estarão presentes. 

A equipe da Junta Militar da Administração do Plano Piloto também participará para tratar dos assuntos relacionados ao certificado de reservista, segunda via do certificado e alistamento militar, além e outros que puderem ser oferecidos pela equipe ao público atendido no mutirão.

Doações 

As doações de roupas, sapatos e cobertores podem ser feitas até segunda-feira, 27/6, das 12h às 19h, nos Fóruns do TJDFT. Os itens arrecadados serão entregues à população de rua durante o PopRuaJud. 

Em cada fórum, há uma caixa onde poderão ser colocados os objetos. Foram disponibilizados ainda dois pontos de drive-thru: um na passarela de acesso entre o bloco A e o Palácio da Justiça e outro no Fórum de Taguatinga. 

PopRuaJud

O PopRuaJud é uma  iniciativa do Centro de Inteligência da Justiça do Distrito Federal (CIJDF) e tem como objetivo prestar atendimento jurídico a pessoas em situação de rua, conforme Resolução 425/2021 do Conselho Nacional de Justiça – CNJ. O documento instituiu, no âmbito do Poder Judiciário, a Política Nacional Judicial de Atenção a Pessoas em Situação de Rua e suas inteseccionalidades. 

O principal objetivo é facilitar o acesso à Justiça tanto no aspecto formal – no sentido de garantir o acesso às dependências e serviços dos órgãos que compõem o sistema de Justiça – quanto material, que é relacionado à efetiva prestação jurisdicional célere e desburocratizada, inclusive com a construção de fluxos de trabalho diferenciados.

Serviço

Evento: 3º PopRuaJud

Dia: 28/06

Horário: Das 8h às 13h

Local: SGAS 903, Conjunto C, Lote 78.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, assinou nesta segunda-feira a ordem de serviço para a execução da reforma da Quadra 3. A obra, orçada em R$ 1,6 milhão, prevê a recuperação de pavimentação, calçadas e rampas, além da implantação de nova sinalização, paisagismo e mobiliário urbano.

O governador também anunciou que o estabelecimento de usos e regras do Setor Comercial Sul poderá ser destacado do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCuB). O GDF espera que, tramitando em separado, as regras de reforma e ocupação do SCS sejam estabelecidas com mais agilidade. O PPCuB está em avaliação há dez anos e, no momento, está em análise no Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan). O destaque será feito nesta terça-feira e, depois, convocada audiência pública para, em 30, dias discutir as regras.

“Novas empresas não se instalaram ainda no SCS devido ao PPCuB ainda não ter sido analisado”, disse o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Matheus Oliveira.

“Começa agora a Quadra 3, em seguida vem a Quadra 5, cuja obra já está licitada e em trâmite final para a assinatura do contrato, e até o dia 25 de julho licitamos a Quadra 6 para que possamos concluir toda a reforma do Setor Comercial Sul, que é um marco para a cidade, tudo voltando à vida, principalmente com a abertura dos comércios. Tem um projeto conjunto das secretarias de Desenvolvimento Social e de Segurança Pública para que haja mais segurança aqui, de modo que os comerciantes possam exercer seus ofícios”, avaliou o governador Ibaneis Rocha.

O chefe do Executivo local explicou, ainda, a possibilidade de destacar o projeto para que o estabelecimento de regras de uso do SCS tramite em separado do restante do PPCuB. “É uma possibilidade que me foi relatada pelo secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Matheus Oliveira, que vai ser analisada com agilidade e, dando tudo certo, será encaminhado para a Câmara Legislativa para que, no segundo semestre, a proposta seja apreciada. Isso é muito importante para o Setor Comercial Sul, porque não adianta revitalizar um lugar e ele não ter vida”, destacou Ibaneis Rocha.

O secretário de Obras lembrou que, em breve, também será iniciada a reforma da Quadra 05, com o investimento previsto de R$ 6 milhões e, a seguir, no dia 25 de julho acontecerá a licitação da Quadra 4, cuja obra está orçada em R$ 1,7 milhões. A Quadra 6 já teve o seu projeto de reforma aprovado. “Agora, a proposta de revitalização engata de vez. Numa sequência bonita, o Setor Comercial Sul está sendo revitalizado.

“Nosso compromisso com a população é recuperar toda a área central. Já entregamos o Setor de Rádio e TV Sul, Setor Hospitalar Sul, a Praça do Povo, algumas quadras da W3 Sul e, agora, anunciamos mais esta importante obra de recuperação e valorização do Plano Piloto”, explicou o secretário de Obras, Luciano Carvalho.

 

A dengue é uma doença viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Anualmente são registrados em média 50 milhões de casos em todo o mundo. O vírus é transmitido pela picada da fêmea do Aedes aegypti, um mosquito urbano e diurno que se reproduz em depósitos de água parada.

Tratamento

Como a dengue é uma doença viral, o tratamento é feito para aliviar os sintomas, por meio da prescrição de antitérmicos, ingestão de líquidos e repouso. Portanto, ao primeiro sinal dos sintomas, procure um médico ou o serviço de saúde mais próximo de você.

Prevenção

Não existem medicamentos contra o vírus da dengue nem uma vacina preventiva. Logo, a medida mais efetiva é a eliminação das condições de reprodução do mosquito, mantendo o espaço sempre limpo e eliminando os possíveis acúmulos de água.

Link

Tudo sobre a Dengue no DF

Importante

Os fatores de risco individuais, tais como idade, etnia, presença de comorbidades e infecção secundária podem determinar a gravidade da doença. Crianças mais novas, particularmente, podem ser menos capazes que adultos de compensar o extravasamento capilar e estão, consequentemente, em maior risco de choque por dengue. Também dentro do grupo em maior risco estão indivíduos acima de 65 anos, pois são mais vulneráveis às complicações por possuírem sistema imunológico menos eficiente, pela possível existência de doenças associadas e até pelo fato de se desidratarem com mais facilidade. Até a SE 08 de 2022, foram confirmados 147 casos de dengue com sinais de alarme (1,70% do total de casos prováveis) e 15 casos graves (0,17% do total de casos prováveis). Nesse período não foram registrados óbitos.

*Com informações da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Os trabalhos de melhoria na área central de Brasília não param. Após a entrega da Praça do Povo, no Setor Comercial Sul, completamente reformada, agora é a vez da Quadra 3. No local, será feita a reforma da pavimentação, calçadas, escadas e rampas, além da implantação de nova sinalização, paisagismo e mobiliário urbano. O investimento previsto é de R$ 1,6 milhão.

“O projeto elaborado pela Seduh [Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação] pretende padronizar os principais centros comerciais do Plano Piloto. Para tanto, será adotado visual semelhante ao das quadras da W3 Sul e do Setor de Rádio e TV Sul”, explica a subsecretária de Projetos, Orçamentos e Planejamento de Obras, Ery Brandi.

“Nosso compromisso com a população é reformar toda a área central. Já entregamos o Setor de Rádio e TV Sul, o Setor Hospitalar Sul, a Praça do Povo, algumas quadras da W3 Sul e, agora, anunciamos mais esta importante obra de recuperação e valorização do Plano Piloto”, detalha Luciano Carvalho, secretário de Obras.

“Não vamos parar por aí. Estão em andamento as licitações para a reformas das quadras 4 e 5 do Setor Comercial Sul e a contratação de empresa que vai restaurar todo o pavimento da W3 Sul. Além disso, está em andamento a reforma das calçadas das quadras 700 da W3”, acrescenta a secretária-executiva de Obras, Janaína Chagas.

Fonte: Agência Brasília

As vias públicas que circundam a Paróquia Nossa Senhora da Paz, no Setor Oeste do Gama, estão passando por manutenção. O GDF Presente iniciou o serviço nesta sexta-feira (24), com a ajuda da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) – só no primeiro dia de trabalho, foram usadas nove toneladas de massa asfáltica. As calçadas e meios-fios nas imediações da igreja também estão em reforma.

“Como os acessos a templos religiosos são espaços de grande mobilidade, a má conservação das vias adjacentes traz muitos transtornos”, avalia a chefe da Divisão de Manutenção de Vias (Dimav) da Novacap, Walquiria Marra Rodrigues. “Estamos com uma equipe de nove funcionários recuperando o asfalto – os trabalhos serão concluídos na próxima semana.”

A Paróquia Nossa Senhora da Paz não é a única a ser beneficiada pelas ações do GDF Presente. Nos últimos dois meses, o governo levou melhorias para as imediações de diversos templos religiosos. Os cuidados chegaram à Capela São Pedro Nolasco, na Vila Telebrasília; à Igreja Evangélica Entre as Nações, na Vila Planalto; à Capela São José do Ribamar, na Asa Sul; e à Assembleia de Deus Manancial da Vida, na Vila Telebrasília, entre outras.

Limpeza de áreas públicas

Nas redondezas da Capela Nossa Senhora de Fátima (307 Sul), uma ação de limpeza recolheu 28 toneladas de lixo verde e entulho. “Contamos com dez internos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape) e oito colaboradores do Departamento de Parques e Jardins [DPJ] da Novacap para realizar o serviço“, afirma o coordenador do Polo Central III, Alexandro César. “O passeio público em volta da Igrejinha também foi todo higienizado.”

Para a aposentada Guaraciaba Nunes, 78 anos, é uma felicidade diária ver a região ao redor da capela tão bem cuidada. “Faz anos que caminho por aqui com meu marido todas as manhãs. Observamos de perto as melhorias feitas nas redondezas na Igrejinha”, comenta a moradora da 308 Sul. “As calçadas estão muito limpas, a grama está rastelada… Ficou muito agradável andar por aqui”.

A operação de limpeza do GDF Presente também passou pela Paróquia Nossa Senhora da Saúde (702 Norte) – cerca de 24 toneladas de entulho foram retiradas das imediações do local. “Temos um espaço muito arborizado na área pública ao redor da igreja. A quantidade de folhas no chão era enorme”, afirma o padre Rafael Souza dos Santos. “Na seca, havia um grande risco de incêndio, enquanto na época da chuva o alagamento era certo. A limpeza foi muito importante.”

Calçamento mais seguro

O trabalho feito nas imediações da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, localizada no início do Lago Sul, não envolveu limpeza. Lá, o problema era outro: um passeio público em péssimo estado de conservação. As placas de concreto danificadas foram substituídas e a Novacap cuidou da manutenção das vias adjacentes.

As melhorias tiveram um significado especial para a aposentada Telma Mara Dias, 70 anos. Frequentadora da Nossa Senhora de Nazaré há mais de dez anos, ela levou um tombo feio na calçada em frente à paróquia. “Estava tudo quebrado, era difícil caminhar por ali”, relembra. “Fiquei muito realizada quando arrumaram o passeio. A gente nunca tinha tido uma assistência como essa do governo.”

As vias adjacentes à Praça do Cruzeiro também passaram por manutenção. Além disso, dez internos da Seape e 20 funcionários do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) cuidaram da capinagem, da limpeza e até da pintura da grande cruz que caracteriza o ponto turístico. Ao todo, seis toneladas de entulhos foram retirados do local.

Fonte: Agência Brasília

Os Centros Interescolares de Línguas (CIL) abrem inscrições on-line para os estudantes da rede pública de ensino que estão cursando séries a partir do 6º ano do Ensino Fundamental, do Ensino Médio e do segundo e terceiro segmentos da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Os idiomas oferecidos às vagas de Língua Estrangeira Moderna (LEM) são inglês, espanhol, francês e japonês. Cada candidato poderá se inscrever em até quatro opções de CILs diferentes, de acordo com a oferta de vagas e obrigatoriamente no turno contrário ao da matrícula na unidade escolar de origem.

Contemplados

O resultado dos contemplados da 1ª chamada será divulgado no dia 18 de julho, no site da Secretaria de Educação e nas redes sociais dos CILs, a partir das 18h. A efetivação da matrícula dos estudantes deverá ser realizada na Secretaria Escolar do CIL em que o candidato foi contemplado, entre os dias 20 a 25 de julho no horário de funcionamento do referido local.

A divulgação da 2ª chamada acontecerá no dia 28 de julho e as efetivações devem acontecer no dia 29 do mesmo mês até 1º de agosto. Vale lembrar que a consulta do resultado é de inteira responsabilidade do candidato e/ou seu responsável. Caso a matrícula não seja efetivada na data determinada, o aluno perderá o direito à vaga que estará concorrendo.

Depois da 2ª chamada, haverá um sorteio eletrônico com a disponibilização de novas vagas. Os resultados deste sorteio estão previstos para serem divulgados entre 28 de julho e 4 de agosto, também pelo site da Secretaria.

Inscrições para a comunidade

As inscrições para o público serão disponibilizadas após a conclusão do processo e inclusão dos alunos da rede pública nos Centros Interescolares de Línguas (CILs). Os estudantes da rede pública de ensino que não tenham feito a inscrição dentro dos prazos determinados também poderão concorrer às vagas da comunidade. Porém, neste caso, não terão preferência, mas também precisam estar cursando a partir do 6º ano.

Documentos para confirmação de matrícula

● Original e cópia da Certidão de Nascimento ou Registro Geral (RG) do estudante;

● CPF do estudante;

● RG e CPF do responsável;

● Duas fotos 3×4;

● Comprovante de residência;

● Declaração de escolaridade.

Fonte: Secretaria de Estado de Educação 

Equipamentos da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), o Cine Brasília e o Espaço Cultural Renato Russo (ECRR) estão sob termo de colaboração com duas organizações da sociedade civil (OSCs), selecionadas por chamamento público.

 

Nessa gestão compartilhada, a expectativa é de que os espaços dialoguem mais com a sociedade, ampliem a programação e modernizem o atendimento ao espectador, num modelo de parceria já testado, com sucesso, em todo o país. O investimento é de R$ 4 milhões.

Enquanto, no Renato Russo, a gestão com a entidade não governamental apresenta programação mais intensa, com a volta das clássicas oficinas de artes visuais, a parceria com o Cine Brasília entra em fase de implementação com a expectativa de trazer filmes de qualidade à tradicional tela do cinema, patrimônio material da cidade.

“Trata-se de duas usinas culturais que precisam espelhar programações pulsantes e de qualidade. O Renato Russo com as origens do teatro de resistência no Galpão e Galpãozinho e, agora, com a reabertura da gibiteca TT Catalão. O Cine Brasília com a presença imponente da obra de Niemeyer e o abrigo do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro”, contextualiza o secretário Bartolomeu Rodrigues.

Ebulição no Renato Russo

Encarregada de gerir o Renato Russo, a OSC Instituto Janelas da Arte, Cidadania e Sustentabilidade faz jus a repasse de R$ 2 milhões, com duração de dois anos a contar de abril passado. O projeto de ocupação do equipamento “visa a estimular a manutenção do espírito do espaço, voltado para formação continuada, convivência livre e espontânea, pesquisa, experimentação, intercâmbio, residência, promoção cultural e a participação social.”

“Os equipamentos desempenham papel fundamental na implementação das políticas públicas de cultura e, em especial, na promoção da economia criativa. E o Renato Russo cumpre essa missão pela multifuncionalidade de cada espaço, que atua como laboratório de novas propostas e ideias artísticas”, avalia o subsecretário de Patrimônio Cultural, Aquiles Brayner.

Frequentador do local desde 1994, o professor-doutor Lima Neto, pesquisador de história em quadrinhos, acredita que o movimento do Espaço Cultural Renato Russo vai se beneficiar à medida em que se intensificar a programação cultural, como a abertura das oficinas. Ele sugere que locais específicos do espaço, como a Gibiteca, passarão a ser mais visitados.

O artista visual Valdério Costa, que trabalha, principalmente, com xilogravura, tema de sua oficina a ser realizada no espaço, acredita que o equipamento está “num momento maravilhoso”. “Recentemente, vi um espetáculo de mamulengos belíssimo, além de uma exposição voltada para a poesia e o teatro”. Valdério também é fã da Gibiteca. “É justa homenagem a TT Catalão, com obras de um dos maiores desenhistas do Brasil, que é o Jô Oliveira”, elogia.

Cartão de visitas do Renato Russo, a reabertura da Gibiteca TT Catalão é uma referência em histórias em quadrinhos no DF, com seus 120 metros quadrados que abrigam 23 mil exemplares de diversos gêneros: revistas e livros de super-heróis, mangás, gibis infantis e graphic novels.

Conselheira Regional de Cultura do Plano Piloto, Cleide Soares endossa a avaliação positiva: “Acompanho as atividades de retomada do Espaço Cultural Renato Russo com muita esperança e entusiasmo. Neste tempo de tantas dificuldades, o espaço, com sua programação popular, dialoga e interage com a comunidade. A gente percebe, em cada detalhe, no zelo, na programação, na atração de público, esse espírito de vizinhança, de pertencimento à comunidade. Me faz lembrar muito da empolgação do TT Catalão nos tempos de começo do espaço, como se estivéssemos cuidando de casa”.

Cleide celebra a abertura do espaço para os artistas locais e para a formação de público de arte e cultura. “Celebramos cada espaço cultural aberto para o povo neste tempo complexo. As pessoas precisam de entretenimento, do encantamento artístico e da reflexão cultural para desenvolver senso estético e interpretação crítica. Arte é necessidade básica de uma sociedade”, aponta Cleide.

A atriz Camila Guerra, da Agrupação Teatral Amacaca (ATA), fundada por Hugo Rodas (1939-2022), cujo nome acaba de rebatizar o Teatro Galpão, testemunha a força com que voltam as manifestações culturais no local. “No Espaço Renato Russo, a gente observa que vai ser um ano de muita atividade cultural. Ainda bem, porque a cultura é uma parte muito importante de nossa vida, de muita movimentação crítica, estética, de fruição, que não pode ser deixada de lado na vida dos brasilienses.”

Cine Brasília modernizado

No início de maio, a Secec selecionou a OSC Box Companhia de Arte para gestão compartilhada do Cine Brasília. A entidade tem R$ 2 milhões no termo de colaboração para desenvolver, em 14 meses, estratégias e ações para incrementar a programação e modernizar o equipamento.

Além de voltar a ter uma programação comercial regular a preços mais acessíveis (R$ 10 a meia-entrada), com bilheteria aceitando cartões e transferência por pix, esses recursos financiarão internet gratuita aos usuários, água mineral e manutenção de instalações, como os banheiros.

Subsecretária de Economia Criativa, Angela Inácio, afirma que “o Cine Brasília voltará com mais brilho na sua programação. Esta gestão pretende manter o espírito de diversidade e excelência artística na programação cinematográfica, com filmes de qualidade a preços populares na programação comercial e gratuidade de ingressos em muitas mostras temáticas e em parcerias com embaixadas”.

A gestão compartilhada inclui consultorias para que o “templo do cinema brasileiro”, como é conhecido o equipamento projetado por Oscar Niemeyer, inaugurado em 1960, também ganhe uma loja e um café-bistrô.

A nova programação, além de se manter fiel ao espírito de equipamento vocacionado para a formação de público de cinéfilos, vai se fortalecer com a participação da sociedade civil por meio de curadorias especiais, que se somarão à curadoria do Cine Brasília na definição de produções a serem exibidas. As parcerias com entidades representativas das linguagens de minorias vão promover inclusão e diversidade na programação.

Um dos objetivos da parceria é cumprir a Lei do Curta. O documento legal de 1977, que enfrentou a resistência da indústria cultural e de exibidores, determinava que curtas feitos em 35 mm, de cinco a 30 minutos de duração, precedessem a exibição de produções estrangeiras.

O diretor de Eduardo e Mônica, Renê Sampaio, dá sua receita para o rumo que deve tomar a gestão do espaço de 606 assentos: “Acredito que é importante ter uma programação consistente e constante, que exiba filmes nacionais e internacionais de qualidade e do circuito de arte”, afirma.

“E considero igualmente importante abrir as portas, eventualmente, para filmes de apelo comercial. Essa mistura cria e fideliza o público. Promover temporadas de ingressos a preços populares também é fundamental. Eduardo e Mônica teve ótimo público na pré-estreia no Cine Brasília e também quando entrou em cartaz na sala”, acrescenta.

A diretora-geral do Festival Internacional de Cinema de Brasília (BIFF), Anna Karina de Carvalho, uma das curadoras da 52ª edição do Festival de Brasília, em 2019, defende que a nova gestão não deixe de privilegiar as mostras gratuitas e festivais que já tradicionalmente acontecem no espaço.

“Isso é muito importante. O nosso templo não pode deixar de ser um ponto de encontro anual, não só durante o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, mas em todas as outras grandes mostras”, defende Anna Karina.

Fonte: Agência Brasília

Em linha com o seu planejamento estratégico de expansão de negócios, produtos e clientes, o BRB inaugurou agência no Setor Noroeste, em Brasília, tornando-se a primeira instituição financeira com canal físico na região

.

O espaço, localizado na CRNW 510, Bloco B, no Edifício Soul e Shop, em frente à avenida principal, conta com dois pavimentos e foi selecionado para abrigar mais uma unidade do BRB baseada no novo modelo de atendimento de varejo, em implantação no banco.

A nova proposta inclui layout mais moderno, acessibilidade e um ambiente confortável, que possibilita aos clientes experiência omnichannel – estratégia que integra diferentes canais de comunicação e divulgação, entre compradores, lojas físicas e virtuais –, com oferta de telas que permitem a integração dos canais físicos e digitais. A ambiência inclui, ainda, um espaço para café e aroma personalizados.

“O BRB segue com foco na entrega de uma experiência completa aos clientes”, ressalta o presidente do banco, Paulo Henrique Costa. “O novo modelo de atendimento entrega um banco ágil, completo, moderno, pautado na inovação e próximo dos clientes. Nosso time está pronto para oferecer as melhores soluções de negócios.”

Além da participação no DF, o banco vem crescendo em outras regiões do país. Desde janeiro deste ano, uma unidade do BRB está funcionando em Salvador (BA), no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), estado que já possui 49 agências físicas e 691 correspondentes, com cobertura total dos municípios baianos.

Atualmente, o BRB, por meio de atendimento físico e digital, está presente em mais de 5 mil municípios brasileiros, 39 países e todos os continentes.

Fonte: Agência Brasília

Entre junho e julho, a arte urbana protagoniza duas ações marcantes no Distrito Federal: as 28 paradas da W3 Norte e o muro do Complexo Cultural Samambaia (CCS). Os dois projetos são frutos da política distrital de valorização do grafite comandada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec).

Em quatro anos de trabalho, foram investidos R$ 450 mil só de cachês para 287 artistas urbanos de 26 regiões administrativas e duas cidades do entorno – Águas Lindas e Luziânia –, com cotas para mulheres (mínima de 30%) e, nos últimos editais, para pessoas com deficiência (PCDs).

Os editais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) também têm destinado recursos para a arte urbana, como grafite, batalhas de rimas, slams e oficinas de capacitação. Nos últimos dois anos, os editais FAC Brasília Multicultural I reservaram 1,5 milhão para essa linha de linguagem.

“O grafite é uma arte que mexe com a forma de ser de uma cidade. Brasília é metáfora do modernismo e uma bela tela para a ocupação dessa expressão de traços e cores que reflete o pensamento de uma juventude urbana e seus territórios de pertencimento”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Um dos 28 selecionados para grafitar as paradas de ônibus da W3 Norte, Renato Moll sente-se reconhecido em ocupar, com sua arte urbana, um espaço nobre da cidade. “Isso vai mostrar que o nosso trabalho tem valor e é uma demanda social, que traz inspiração e questionamentos, de maneira democrática, realizado para o público que circula pelo DF”, destaca.

Premiado em primeiro lugar, Moll inspirou-se no sentimento da esperança para tocar os passantes da W3. “A mensagem da arte foi inspirada na música Dias da Serpente, do cantor e compositor carioca B-Negão. Fiquei surpreso por ter sido contemplado com o primeiro lugar, pois sei que temos pessoas incrivelmente talentosas e dedicadas aqui no DF, que estavam participando do edital”, observa.

Outro selecionado, Yong acredita que participar de projetos que colaboram com a cena artística é sempre uma honra: “A W3 é a avenida mais importante e charmosa da cidade, pensar que terei uma obra minha compondo o visual é gratificante. Será empolgante trabalhar nesse projeto”.

Ele observa que, nos últimos anos, a quantidade de projetos envolvendo a arte urbana aumentou bastante em Brasília e o suporte oferecido também cresceu em qualidade. “Precisamos seguir nesse caminho para nos aproximarmos dos grandes polos nacionais e no futuro, quem sabe, sermos vistos como um polo artístico internacional.”

Raissa Miah foi uma das nove mulheres escolhidas pelo edital da W3 Norte com um projeto que vai homenagear a atriz Dulcina de Moraes. “É uma proposta de importância tanto pelo valor histórico de pintar nesse grande projeto de revitalização da cidade quanto por ter sido selecionada entre tantos bons artistas da cidade.”

Com 15 anos de grafite e de arte urbana, Raissa comemora estar com sua arte no Plano Piloto, pintando com cachê e representando artistas mães solos e das quebradas. “Isso é muito relevante para mim. Além disso, o cachê vai impulsionar mais meu trabalho; torna-se mais um passo na profissionalização e portfólio artístico. Fico também feliz com o número de mulheres que estão participando.”

Samambaia com identidade

Em Samambaia, a expectativa é de transformar um muro de 150 m² num painel que aproxime ainda mais o Complexo Cultural à região administrativa. “Existe essa necessidade da identificação, de ter de fato a cara de um espaço cultural, além da valorização da arte urbana, que tem grande importância na cidade”, destaca a gerente do CCS, Suelem Rodrigues.

O coletivo vencedor, formado por Thamiris Flora, May Bucar, Kaus, Corujito e Fedds, receberá cachê total no valor de R$ 16 mil, além dos materiais necessários para a execução do trabalho artístico.

Os integrantes do grupo possuem carreira sólida e apresentaram uma proposta que homenageia a cultura e a diversidade de Samambaia, destacando trabalhos desenvolvidos na região administrativa nas áreas do cinema, das artes visuais e da música. A obra também vai homenagear as crianças – em uma referência ao futuro e às próximas gerações – e a samambaia – planta que batizou a cidade, como elemento símbolo de sua exuberância.

“É importante ter uma política pública voltada para artistas independentes, além da valorização e da visibilidade de projetos como esse. Essa ação possibilita a vontade de continuar seguindo, pesquisando e trabalhando com arte”, reflete May Bucar.

Política continuada

Uma das primeiras ações dessa gestão foi o III Encontro de Grafite, de 2019, idealizado em uma parceria com o Comitê Permanente do Grafite do DF. O edital selecionou 60 artistas para intervenção de tema livre em uma área de até 10 m² do Beco do Rato, no Setor Comercial Sul. Com investimento total de R$ 90 mil, cada artista selecionado recebeu R$ 1,5 mil.

Um dos veteranos do grafite no DF e membro do comitê, Carlos Astro foi um dos selecionados para grafitar dentro do Beco do Rato. “Passei a minha juventude aqui dentro e fico emocionado pela importância que a Secretaria de Cultura e Economia Criativa está dando para intervenções desse tipo. Trabalhamos pelo fortalecimento dos valores da cultura hip hop, e um dos principais deles é o resgate social”, declara.

Mesmo enfrentando as limitações da pandemia da covid-19, as ações em grafite não pararam. Depois de ter realizado dois encontros de grafite, os investimentos na arte urbana seguiram adotando os procedimentos de segurança sanitária. Um deles auxiliou 52 artistas com o edital Prêmios FAC Brasília 60.

“Fizemos o IV Encontro de Graffiti na Galeria dos Estados em plena pandemia e transformamos os vãos do viaduto numa galeria a céu aberto, tornando-se um dos espaços públicos mais visitados por moradores e turistas”, destaca a subsecretária de Economia Criativa, Angela Inácio.

O edital lançado pela Secec selecionou 100 artistas para realizarem intervenção artística de tema livre em uma área de 10 a 20 m² do novo viaduto da Galeria dos Estados. Com investimento total de R$ 150 mil, cada artista selecionado recebeu R$ 1,5 mil.

De Planaltina, a artista plástica e grafiteira Iasmin Kali destaca que sua participação na Galeria dos Estados tem o intuito de não só revitalizar o local, mas de dar visibilidade ao grafite feminino e das artistas mulheres.

“Apesar de termos nomes muito importantes na cena da arte urbana feminina, ainda acho que o movimento das mulheres dentro da arte precisa ganhar mais força e proporção. Esses painéis representam o nosso sagrado feminino, maternidade, conquistas e desafios enfrentados por nós mulheres”, conta.

A presença feminina tem sido uma conquista nos editais do grafite da Secec. Na W3 Sul, com intervenção urbana nas paradas de ônibus, elas representaram 44% dos selecionados. Cada participante recebeu cachê de R$ 3 mil e kit com 20 sprays e uma lata de tinta para a base.

Fonte: Agência Brasília

 

O maior torneio oficial de Beach Tennis do mundo terminou neste domingo (19) em Brasília (DF). Com um balanço muito positivo e números que mostram a força da modalidade no Brasil e no mundo. O ITF Sand Series Decathlon Brasília Classic’22 foi destaque no feriado prolongado de Corpus Christi na capital do País. Nos cinco dias de evento, na área externa da Arena BRB Mané Garrincha, 10.500 pessoas estiveram acompanhando os jogos, lotando as quadras, que reuniram os melhores jogadores do ranking mundial, no feminino, no masculino e em duplas mistas. Dezessete países estiveram representados na competição, que entre profissionais e amadores – de diversos estados brasileiros – contou com um total de 584 atletas.

O Brasil é, hoje, o centro mundial do Beach Tennis. E a  edição deste ano – a segunda do evento em Brasília – só confirmou ainda mais isso. A arena, com 10.000 m² e 11 quadras foi elogiada por todos, assim como a organização. Nela foram utilizadas 864 bolas de beach tennis, 2.500 litros de água mineral, 1.000 litros de isotônico, 120 mil litros de água bruta para banheiros e quadras. Mais de 10 mil quilos de lixo coletado e reciclado. E 650 m³ de areia usados nas quadras, para levar a praia até o Planalto. Uma equipe de 48 pessoas esteve diretamente envolvida na competição, além de mais 150 colaboradores de forma indireta.

Campanha de reciclagem de resíduos eletroeletrônicos

O ITF Sand Series Decathlon Brasília Classic’22 fez uma campanha para arrecadar produtos eletroeletrônicos fora de uso. O resultado foi a arrecadação de 523 kg de resíduos e material enviados para reciclagem e reaproveitamento correto dos componentes. A empresa Zero Impacto emitiu um certificado confirmando essa destinação. 

“Foram cinco dias de muita disputa, com jogos de alto nível, e um evento que proporcionou grandes momentos junto ao Beach Tennis, tanto para os jogadores, como para o público, que pode acompanhar as partidas em um espaço com toda a estrutura, proporcionando um local de lazer no feriado de Corpus Christi. Estamos muito felizes com os resultados, com o atual momento que o Beach Tennis vive em nosso País”, destacou Bruno Ferreira, diretor do torneio.

Os campeões, com dupla comemoração espanhola

O espanhol Antonio Miguel Gomes Viera, líder do ranking mundial, confirmou seu favoritismo e saiu de Brasília com dois títulos. Nas Duplas Masculinas, foi campeão ao lado do italiano Michele Cappelletti – parceiro técnico da Decathlon -, que com o resultado subiu de quarto para número 2 do mundo. Nas Duplas Mistas, Antonio comemorou com a também italiana Flaminia Daina – sétima do mundo. Nas Duplas Femininas, o título ficou com as italianas Sofia Cimatti e Nicole Nobile, números 6 e 3 do ranking.

Entre os brasileiros, destaque para André Baran (7º), vice-campeão nas Duplas Masculinas com o russo Nikita Burmakin (3º). E Vini Font (13º), que disputou a final das Duplas Mistas, com a alemã Maraike Bilgmaier (10ª). Nas Duplas Femininas, Rafa Miiller (4ª), jogando com a venezuelana Patty Diaz (5ª) – parceiras técnicas da Decathlon –  e a dupla Vitória Marchezini e Marcela Vita (oitavas) – campeãs do ano passado – chegaram às semifinais.

"É muito bom jogar no Brasil, uma satisfação enorme, com toda essa festa da torcida, em torneios muito bem organizados”, afirmou a campeã Sofia Cimatti. “Só tenho a agradecer pelo brilhante trabalho que está sendo feito no Brasil pelo esporte. Torneio incrível, com uma estrutura maravilhosa”, comentou o campeão Antonio Miguel.

Maior pontuação e maior premiação da temporada

Mais do que um torneio, ITF Sand Series Decathlon Brasília Classic’22 foi planejado para ser uma plataforma de experiências, com atendimento personalizado e áreas para o público como Praça de Alimentação com diversas opções, muro de escalada, miniquadra de Beach Tennis, ações de ativações com diversos brindes, Boulevard com grandes marcas e apresentações musicais. E quem esteve na arena pode conferir de perto tudo isso. O torneio, o principal da temporada, distribuiu a maior pontuação e a maior premiação de 2022 – 55 mil dólares.

Clínicas movimentam o evento – Na abertura do evento, na quarta-feira (15), uma clínica reuniu crianças da escola pública Classe 43, da Ceilândia P. Sul, ministrada pela Calango Beach Tennis. Elas puderam conhecer de perto a modalidade, assim como todo o espaço em que foi realizado o torneio. Foi dada uma explicação sobre o esporte e, depois, participaram de atividades na quadra, terminando a ação com um lanche.

Já no dia de encerramento do torneio, na manhã de domingo, o brasileiro Vini Font comandou uma clínica com 20 clientes do Banco BRB.

Crescimento do Beach Tennis

O Beach Tennis é o esporte que mais cresce no planeta. E das 2 milhões de pessoas que jogam no mundo, o Brasil soma 800 mil. Um levantamento dos números dos torneios oficiais da Federação Internacional de Tênis (ITF) ao redor do planeta aponta para um crescimento de mais de 2.000% do Beach Tennis desde 2008. Crescimento em que o Brasil aparece com destaque. Em 2022, o circuito mundial terá 71 torneios, sendo 20 deles no País. Dos 11 maiores campeonatos da temporada, 6 serão no Brasil. A premiação total do circuito será de 753 mil dólares e o País vai distribuir metade deste valor, 380 mil dólares, sendo 55 mil dólares no torneio do Distrito Federal.

Uma das principais novidades para este ano do ITF Sand Series Decathlon Brasília Classic’22 foi a parceria do torneio com a Decathlon, maior loja de artigos esportivos no mundo, que chegou ao evento com a marca própria Sandever, especializada em Beach Tennis.  A empresa marcou presença na competição desde a bola oficial até as raquetes e redes. Todos os produtos foram desenvolvidos por praticantes e em parceria com atletas internacionais para garantir a melhor qualidade técnica e prazer na prática do esporte.

O ITF Sand Series Decathlon Brasília Classic’22 foi apresentado pelo Banco BRB, com patrocínio máster da Decatlhon e apoio máster da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. O evento teve o patrocínio da Alto Giro e da Coca-Cola Sem Açúcar, contando também com o apoio do SESC, do Grupo Lig, da Reitec Fibra, da Granado, da Secretaria de Esporte e Lazer do Governo do Distrito Federal, da Administração do Plano Piloto e do Hospital Brasília que faz parte da Dasa, maior rede de saúde integrada do Brasil.

Um evento oficial da International Tennis Federation, da Confederação Brasileira de Tênis e da Federação Brasiliense de Tênis, com a realização do Instituto Pró Brasil e promoção da Zenith Marketing.

Texto: Reprodução

Fotos: Hanna Braga

O Distrito Federal recebe a primeira Feira de Empreendedorismo Turístico e Criativo (Fetuc), até o próximo domingo (19), no Eixo Cultural Ibero-Americano (antiga Funarte). Com entrada gratuita, o evento oferece palestras, oficinas e rodas de negócios para apresentar novas tecnologias ao público e debater inovações para o mercado de turismo brasileiro.

Cada dia da programação, iniciada no sábado (11), conta com oficinas sobre marketing digital e atendimento turístico e apresentações musicais e teatrais. A imersão é realizada pela Associação de Educação, Esporte, Cultura e Economia Criativa (Aecec), com o patrocínio da Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP-DF) e apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do DF (SDE) e do Sebrae-DF.

Para conferir a programação completa, basta acessar o site do evento. A entrada em qualquer palestra ou oficina é gratuita e o evento ocorre de 10h às 21h.

“Devido à pandemia de covid-19, o mercado do turismo foi prejudicado, causando, inclusive, muitas demissões no setor. Assim, a realização dessa primeira Feira do Empreendedorismo Turístico e Criativo tem o total apoio do Governo do Distrito Federal, pois contribui com a diminuição do desemprego e com a geração de renda das famílias”, ressalta o secretário de Desenvolvimento Econômico, Jesuíno Pereira.

O subsecretário de Fomento ao Empreendedorismo da SDE, Danillo Ferreira, comenta que a Fetuc representa o fortalecimento de dois pilares essenciais para a economia do DF: a capacitação de novos empreendedores e o estímulo a quem já gerencia o próprio negócio.

“Quanto mais empreendedores, mais geração de emprego, renda e oportunidades, e isso é devolvido à sociedade em forma de melhorias. Estamos pensando em quem já possui uma empresa, com mais visibilidade, e dando conhecimento para quem pensa em criar o próprio negócio”, explica.

O coordenador-geral da Fetuc, Kaká Senna, estima que, apenas no primeiro final de semana, mais de mil pessoas passaram pelo evento e prestigiaram os 46 estandes comerciais, ocupados gratuitamente por empreendedores locais. “Convidamos empresas de diversos ramos turísticos, de artesãos a agências de viagem, para mostrar ao público a variedade do mercado”, pontua.

“Aqui, não estão apenas as pessoas acostumadas a consumir determinado produto. É um público novo, diversificado, que pode até se sentir incentivado a seguir no ramo empreendedor do turismo”, acrescenta Senna.

A artesã Adenilce Araújo, 73 anos, acredita que oportunidades como essa devem ser valorizadas, porque fomentam a economia de pequenos e médios negócios.

“Iniciativas assim são ótimas para o nosso trabalho, porque um dos problemas maiores é a falta de escoamento dos produtos. Faltam logística, meios de transporte, meios de divulgação. Nós temos o que vender, mas muitas vezes não temos local. Então, aqui é um ponto estratégico que traz muitos benefícios”, afirma Adenilce, que trabalha com vestuário em tecido afro, em tie dye e patchwork desde 1998.

Imersão empreendedora

Para expandir a mensagem empreendedora no Distrito Federal, foram convidadas escolas públicas de Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, Cruzeiro, Gama, Candangolândia e Plano Piloto. Os alunos participam de atividades recreativas e podem assistir às palestras. Por dia, a estimativa é de pelo menos 200 crianças e adolescentes, entre 12 e 16 anos.

As amigas Letícia Aguiar e Isadora Santos, ambas com 13 anos e estudantes do Centro de Ensino Fundamental 1, na Candangolândia, aproveitaram o primeiro passeio após o retorno presencial das aulas, na tarde desta segunda-feira (13). “Jogamos, conversamos e eu até subi no palco pra dançar. Está sendo muito divertido e é um espaço bem legal”, conta Letícia. A amiga Isadora completa: “Ainda não penso em criar um negócio. Mas, quando quiser, pelo menos já vou saber por onde começar”, diz.

Entre os 18 palestrantes da Fetuc, está Pedro Affonso, sócio do Capital Moto Week Entretenimento, responsável pelo Capital Moto Week, evento que reúne cerca de 710 mil pessoas por edição em Brasília. Ele participa nesta quinta-feira (16). A programação inclui apresentações culturais. Na quarta-feira (15), por exemplo, sobe ao palco a Orquestra Filarmônica de Brasília.

Fonte: Agência Brasília

Localizado no canteiro central do Eixo Monumental, o Memorial JK foi construído para homenagear o 21º presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek. Como forma de destacar um dos monumentos mais importantes de Brasília, a CEB Ipes substituiu 200 luminárias convencionais por modelos LED, que potencializam a iluminação pública do museu e toda a área ao redor.

Das 200 novas luminárias LED, 154 são projetores instalados no solo, que fazem um contraste de luz para evidenciar a beleza das esculturas. “Brasília é lembrada por seus monumentos e arquitetura, então precisamos evidenciá-los no período noturno, trazendo conforto e segurança para quem passeia na capital federal”, afirma o presidente da CEB, Edison Garcia.

Os recursos para a nova iluminação do Memorial JK são provenientes da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), no valor de R$ 209 mil. Para além da melhor luminosidade do local, as luminárias LED também são mais econômicas, reduzindo em até 40% os gastos com energia na conta da Administração Regional do Plano Piloto.

Fonte: Agência Brasília

O RenovaDF formou mais 1,6 mil alunos nesta quarta-feira (15), em cerimônia que encheu o Ginásio do Sesi, em Taguatinga. Esses formandos, que fizeram parte do 5º Ciclo do programa, esperam agora juntar-se aos mais de três mil alunos que já foram absorvidos pelo mercado de trabalho, a maior parte deles no ramo da construção civil.

Um desses profissionais é o pintor Wando da Costa Barbosa, de 38 anos. Graças ao aprimoramento no programa e ao certificado recebido, ele conseguiu um emprego, onde começa já nesta semana. “Minha situação estava complicada, tenho quatro filhos pequenos e um maior, de 16 anos. Para pagar as contas é difícil. Me inscrevi no programa, consegui fazer outros serviços e agora fui contratado graças ao RenovaDF. Sou muito grato por essa oportunidade”, contou Wando.

Quem também ganhou uma oportunidade é o agora instrutor do RenovaDF, Tuan Emanuel, de 29 anos. Tuan estava desempregado há dois anos e ia para o terceiro ano sem emprego, em meio à pandemia da covid-19, quando soube do programa. Ele se inscreveu para participar do segundo ciclo, obteve um bom desempenho e foi contratado pelo Sesi, que é responsável por capacitar os alunos. “Vim do ramo alimentício, completamente diferente. E fiquei pensando: para onde vou agora? E o RenovaDF veio para me dar uma direção. A construção civil está crescendo e posso buscar novos horizontes. Posso dizer que foi um divisor e renovador da minha vida. Mudou tudo”, agradeceu.

Wando e Tuan são dois entre os mais de três mil alunos que foram contratados por diferentes empresas do Distrito Federal. Nesta quarta-feira (15), parte dos 1,6 mil alunos receberam o certificado de conclusão do curso das mãos do governador Ibaneis Rocha, que fez questão de exaltar o trabalho.

“Esse programa é grande, cheio de alegria e esperança, e tem se mostrado cada vez mais forte, porque as empresas estão contratando os alunos formados. Graças a Deus temos visto o índice de desemprego diminuir e só tenho a agradecer a cada um dos alunos pelo curso e pelo trabalho que fizeram. Vou trabalhar para ver todos eles empregados”, disse.

Lançado em 31 de maio de 2021, o RenovaDF já recuperou 621 equipamentos públicos em todo o DF e tem 102 em andamento. Quinze cidades já foram contempladas: Ceilândia, Samambaia, Guará, Riacho Fundo, Estrutural, Águas Claras, São Sebastião, Itapoã, Vargem Bonita, Arniqueira, Varjão, Planaltina, Gama, Sobradinho e Plano Piloto.

“O objetivo do RenovaDF é qualificar e gerar oportunidade de emprego em um ramo que cresce, que é o da construção civil. Grande parte desses processos de contratação são feitos dentro da Secretaria de Trabalho, e outros pelas próprias empresas do ramo privado”, acrescentou o secretário da pasta, Thales Mendes.

Em 2021, o RenovaDF recebeu um repasse de R$ 50 milhões de emendas parlamentares para manutenção do programa, seja para custear as aulas, uniformes, materiais e até a bolsa dos alunos. Agora, em 2022, a Câmara Legislativa do do Distrito Federal (CLDF) enviou mais R$ 35 milhões, permitindo a manutenção do programa até dezembro.

Autor de emendas para o programa, o deputado distrital Robério Negreiros comemora a absorção dos alunos pelo mercado de trabalho. “Mais de três mil pessoas já foram contratadas exclusivamente pelo RenovaDF. Somos a única unidade da federação que faz um programa e dá uma bolsa no valor de um salário mínimo a cada um dos participantes enquanto estão se qualificando. Sabemos que a construção civil é o primeiro ponto, depois de uma crise como a que estamos vivendo, que colabora para o crescimento econômico”, afirmou.

Ainda segundo Robério, os parlamentares, o GDF e as entidades do setor de construção civil alinharam um acordo para que os formandos fossem absorvidos pelas empresas. “A Secretaria de Trabalho fez um trabalho aliado ao Sinduscon [Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal] e à Asbraco [Associação Brasiliense de Construtores] no sentido de passar todos os formandos, com diploma, para essas instituições. E elas repassam às construtoras, que estão contratando diretamente os profissionais”, ressaltou.

RenovaDF

O RenovaDF é um programa de qualificação profissional da Secretaria de Trabalho, em parceria com a Secretaria de Governo, em atendimento às demandas das administrações regionais. Os cursos são de iniciação profissional e aplicados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Distrito Federal (Senai-DF), com duração de 240 horas (três meses), com quatro horas diárias.

Os alunos recebem qualificação profissional, com noção básica na área de construção civil, com aulas de forma presencial e, enquanto se qualificam, os próprios alunos recuperam os espaços públicos das cidades.

Eles ganham um kit uniforme, com camiseta, bota, capa de chuva, garrafa d’água, boné, equipamento de proteção individual, lanche e bolsa benefício no valor de um salário mínimo, além de auxílio transporte e seguro contra acidentes pessoais.

Fonte: Agência Brasília

Os moradores da Avenida Contorno, atrás da Rua dos Engenheiros, na Vila Planalto, agora podem andar pela rua com mais segurança. Isso porque foram instalados quatro quebra-molas, junto com a sinalização de trânsito, em pontos estratégicos da via. A demanda era antiga e preocupava os pedestres, já que os veículos eram desobrigados a reduzirem a velocidade.

O trabalho foi realizado em conjunto. O GDF Presente atendeu ao pedido dos moradores para a criação das ondulações e solicitou as sinalizações ao Departamento Estadual de Trânsito  do Distrito Federal (Detran-DF), que também define as características do quebra-molas. Por sua vez, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) fez a instalação da intervenção. Ao todo, 14 pessoas participaram do serviço, executado entre segunda (13) e quarta-feira (15).

A chefe da divisão de manutenção e conservação de vias da Novacap, Walquiria Marra, revela que a ação foi executada conjuntamente. “É uma ação conjunta, porque sem a sinalização e o detalhamento do quebra-mola, nós não conseguimos fazer nenhuma instalação”, afirma a gestora.

Em cada ondulação, gastamos 1,5 tonelada, então, usamos seis toneladas de material para construir as ondulações no total. É importante ressaltar que fazemos o trabalho junto com o Detran, porque se não há a sinalização, ainda há risco de ocorrer acidentes. O Detran também nos oferece um projeto com a altura e largura da ondulação, para não ter erro”, diz Walquíria Marra.

Os quebra-molas, instalados em pontos específicos da via, são do tipo D, uma categoria indicada para ruas estreitas e residenciais. Foram utilizadas 6 toneladas de massa asfáltica, divididas entre as quatro ondulações.

De acordo com o coordenador do Polo 3, responsável pelos reparos no Plano Piloto, Carlos Alexandre, os moradores reclamavam da alta velocidade empregada pelos motoristas. “Era uma falta de respeito e um perigo para vida de gatos, cachorros, mas principalmente dos pedestres”, diz ele. A Avenida Contorno é uma das principais da Vila Planalto e reúne, de um lado da rua, mais de 30 residências e, do outro, um parque.

O presidente da Associação de Moradores da Vila Planalto, Zantuil Santana, completa que, sem nenhum sinal para causar a redução da velocidade, os carros não economizavam no acelerador. “Era a única rua da cidade sem quebra-molas e isso causava muitos acidentes”, completa ele.

Zantuil mudou-se para a Vila Planalto com os pais, aos cinco meses de idade. Hoje com 55 anos, ele alega que a cidade se desenvolveu exponencialmente nos últimos três anos. “Precisamos reconhecer as ações do governo para a comunidade. Apenas no ano passado, tivemos a inauguração do campo sintético, construção de dois quilômetros de calçadas, implantação de placas de endereçamento em todas as ruas e muito mais. Só temos a agradecer e estamos muito satisfeitos”, comenta Zantuil.

O produtor rural Rômulo Gomes, 63 anos, concorda com o representante comunitário. Morador da Avenida Contorno há sete anos, ele ressalta a importância de se sentir seguro no local em que mora. “Direto a gente se assustava com carros correndo, então, tinha que ter muita atenção, o tempo todo. Agora, vai ficar bem melhor”, finaliza. Confira outras ações do GDF Presente:

Fonte: Agência Brasília

Junho é o mês dedicado à doação de sangue. Em 14 de junho, é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. No Distrito Federal, os estoques de sangue da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) estão em níveis inferiores aos considerados seguros, desde o início do ano.

A média de 166 doações de sangue por dia registradas neste ano, entre 1º de janeiro e 31 de maio, não tem sido suficiente para alcançar os níveis de segurança – o ideal seriam 180 doações diárias.

A média de doações de sangue por dia registradas neste ano não tem sido suficiente para alcançar os níveis de segurança | Fotos: Arquivo/Agência Saúde-DF

As reservas do único banco de sangue público do DF estão 53% maiores em relação a maio de 2021 e 23% menores em relação ao mesmo mês de 2020, ano em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a pandemia provocada pelo novo coronavírus e houve a decretação de lockdown no DF.

O estoque estratégico do Hemocentro pode abastecer toda a rede pública do DF e hospitais conveniados de dois a sete dias, dependendo do hemocomponente (hemácia, plasma ou plaqueta), se não houver qualquer doação de sangue no período.

O Dia Mundial do Doador de Sangue foi instituído em 2004 pela OMS para reconhecer o trabalho de voluntários que ajudam a salvar vidas e apoiar a conscientização da população sobre a importância de doar sangue

A plaqueta é o hemocomponente com validade mais curta, de apenas cinco dias. Para mobilizar mais doadores de sangue nos meses de inverno, devido ao não comparecimento de candidatos, a fundação está enviando lembretes por e-mail e por ligação telefônica às pessoas que já podem fazer uma nova doação.

Junho Vermelho

O Dia Mundial do Doador de Sangue foi instituído em 2004 pela OMS para reconhecer o trabalho de voluntários que ajudam a salvar vidas e para apoiar ações que conscientizam a população sobre a importância de doar sangue. A data é 14 de junho, mas o mês todo é dedicado ao tema, por isso batizado de Junho Vermelho.

Para reforçar a data no calendário, o Hemocentro preparou uma programação com diversos eventos na semana. Haverá atrações musicais e palestra sobre o Dia Mundial de Conscientização Sobre a Doença Falciforme (19 de junho). Veja a seguir a programação:

A doação de sangue leva até 90 minutos, desde o cadastro até o lanche pós-coleta. O atendimento é agendado, para não haver aglomerações, e deve ser feito pelo site agenda.df.gov.br

Dia 14, às 8h: Banda do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP)
Dia 14, às 9h30: Integrantes da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro
Dia 15, às 10h: Grupo Choro do Pato
Dia 15, às 8h30: Evento comemorativo sobre o Dia Mundial de Conscientização Sobre a Doença Falciforme

Como doar

A doação de sangue é um processo que leva até 90 minutos, desde o cadastro até o lanche pós-coleta. O atendimento agendado continua obrigatório, para não haver aglomerações, e deve ser feito pelo site agenda.df.gov.br. O Hemocentro de Brasília está localizado no Setor Médico Hospitalar Norte (início da W3 Norte), próximo ao Hran e à Fepecs. O atendimento é de segunda a sábado, das 7h15 às 18h.

Para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 51 kg e estar saudável. Para quem passou por cirurgia, exame endoscópico ou adoeceu recentemente, a recomendação é consultar o site do Hemocentro para saber se está apto a doar sangue.

O estoque estratégico do Hemocentro pode abastecer toda a rede pública do DF e hospitais conveniados de dois a sete dias

Quem teve gripe deve aguardar 15 dias após o desaparecimento dos sintomas para poder doar sangue. Quem teve covid-19 deve aguardar 10 dias após o fim dos sintomas, desde que sem sequelas. Se assintomático, o prazo é contado da data de coleta do exame. Já quem teve contato com pessoa diagnosticada ou com suspeita de covid-19 nos últimos 10 dias fica impedido de doar sangue por sete dias após o último contato com a pessoa.

Vacina

Com relação às vacinas, o tempo de impedimento é mais curto: a vacina contra gripe e a Coronavac impedem a doação de sangue por dois dias após a dose. Já as vacinas Pfizer, AstraZeneca e Janssen impedem por sete dias após cada dose.

Agendamento

O atendimento para doação de sangue é realizado mediante agendamento prévio. A medida foi adotada em virtude da pandemia de coronavírus, a fim de aprimorar o controle do número de pessoas que aguardam para doar sangue.

O agendamento individual pode ser feito pelo site agenda.df.gov.br ou pelos telefones 160, opção 2, ou 0800 644 0160. O horário desse atendimento telefônico é de segunda a sexta, das 7h às 21h, e aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h.

O agendamento de grupos para doação de sangue deve ser feito pelos telefones (61) 3327-4413 ou (61) 3327-4447. Nesses números, o atendimento telefônico é de segunda a sábado (exceto feriados), das 7h às 18h.

Transporte gratuito

Para facilitar o deslocamento, o Hemocentro de Brasília oferece opções de transporte gratuito para doadores, confira:

Linha Vermelha – Rodoviária

De segunda a sexta-feira, um veículo do Hemocentro faz o percurso de ida e volta entre a instituição e a Rodoviária do Plano Piloto.

Ponto de embarque: Piso inferior da Rodoviária, voltado para a Catedral, onde normalmente estacionam os ônibus e vans de transporte de servidores públicos. Horários de saída: Hemocentro para Rodoviária – 8h, 9h, 10h, 11h, 12h, 13h, 14h, 15h, 16h, 17h. Rodoviária para Hemocentro – 8h30, 9h30, 10h30, 11h30, 12h30, 13h30, 14h30, 15h30, 16h30. Acesse o site da Fundação Hemocentro de Brasília para mais informações.

*Agência Brasília com informações da Fundação Hemocentro de Brasília

A Concha Acústica vai passar por obras de urbanismo, paisagismo e drenagem. O serviço, que inclui novas calçadas, estacionamento, plantio de grama e de árvores, terá um investimento de R$ 3,6 milhões. A autorização para a obra foi expedida nesta segunda-feira (13) pelo governador Ibaneis Rocha.

A instalação passou por uma grande reforma e foi devolvida à população em 2021. Agora, as obras são para cuidar dos arredores da estrutura. Serão feitos meios-fios, pavimento de concreto, faixa elevada, pista de caminhada, estacionamento e instaladas bocas de lobo e rede pluvial. Centenas de árvores e milhares de arbustos vão ser colocados na região, que também vai receber plantio de grama.

“Vamos fazer a infraestrutura que estava pendente”, explica o diretor-presidente da Novacap, Fernando Leite. “A drenagem e o sistema pluvial serão refeitos. Vamos fazer a pavimentação, levar meios-fios. O entorno da Concha Acústica será todo feito.”

Polo cultural

Dedicada às apresentações artísticas ao ar livre, a Concha Acústica voltou a fazer parte do cenário cultural do DF em agosto de 2021, após investimento de R$ 422 mil. Além de ter recebido pintura completa e regularização das placas de concreto danificadas que compõem o piso, o equipamento teve o alambrado reformado, estruturas pintadas, refletores instalados e substituição de vidros, entre outros serviços.

“Toda aquela região é um grande polo cultural à beira do Lago Paranoá”, lembra o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues. “A população já abraçou o projeto, e o governador autorizou o início dessas obras para melhorar o que já está bom. A Concha Acústica já está em atividade; fizemos uma intervenção maciça e ela virou um polo cultural. Estamos otimistas com o aproveitamento da região.”

Localizada às margens do Lago Paranoá, a Concha Acústica, projetada por Oscar Niemeyer, tem um espaço de 29.750 m2, com área construída de 8.435 mpara apresentações artísticas ao ar livre. Possui uma concha de 42 m de comprimento e 5 m de altura na parte mais elevada. Há dependências para bilheteria, camarins e banheiros, além de estacionamento público.

Com capacidade para 5 mil pessoas e 200 bancos de concreto instalados, a Concha Acústica tem estrutura composta por três projeções de formas retangulares e uma plataforma de configuração trapezoidal, com um setor circular côncavo. Durante a década de 1970, foi pouco utilizada para eventos artísticos. Parou de funcionar em 2001 e, em setembro de 2003, foi reformada e reaberta. Em 2019, precisou ser fechada devido à pandemia do novo coronavírus, e em 2021 foi devolvida reformada.

Mais obras

O governador Ibaneis Rocha também assinou a ordem de serviço para obras de engenharia que vão complementar as redes de água e esgoto na QI 21, no Lago Sul. O serviço vai custar R$ 76 mil.

“São blocos comerciais que estão sendo implantados na comercial, e vamos contratar a rede de água para eles”, explica o diretor técnico da Terracap, Hamilton Lourenço Filho. “Essa obra atende a população no sentido de termos um comércio local bem-estabelecido e localizado, e também vai atender a comunidade do Jardim Botânico”.

Fonte: Agência Brasília

O Carnaval é uma das pautas prioritárias em andamento na Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), tendo em vista que se trata de setor estratégico abalado nos últimos dois anos em função da covid-19. Dois projetos complementares entre si movimentam essa potente cadeia criativa: o Edital de Apoio das Atividades Carnavalescas Permanentes, que disponibilizou R$ 3,45 milhões para que os carnavalescos retomassem as ações em modo virtual, e a Escola de Carnaval, com um aporte de R$ 1,5 milhão, destinado a programa de capacitação.

Em paralelo, o Fundo de Apoio à Cultura (FAC) destinou, no Edital Brasília Multicultural 1 de deste ano, R$ 6,4 milhões à linha de apoio Jeito Carnavalesco, para premiação de ao menos 77 projetos envolvendo atividades carnavalescas de rua e de escolas de samba. Um dos premiados vai organizar o desfile das escolas de samba em 2023, com aporte de R$ 1 milhão.

“O Carnaval é o espelho do povo, e o Distrito Federal, a confluência do país. Ainda no começo desta gestão, houve a percepção de que não bastava voltar com os desfiles sem um preparo, sem uma organização ou articulação do setor. Depois de muitas escutas e diagnósticos, muitas visitas aos barracões, depois de conversar com gestores, a Secec entendeu que o caminho tinha que ser pela formação e profissionalização de toda a cadeia produtiva do Carnaval”, explica o secretário de Cultura e Economia e Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Emprego e renda

No primeiro projeto, o resultado foi impressionante: 4,5 mil empregos diretos e indiretos gerados, com um apoio a 1,5 mil agentes culturais, sendo 80% de negros e, em sua maioria, de comunidades para além do Plano Piloto. São públicos específicos e, muitas vezes, vulneráveis, como o LGBTQIA+ e as mulheres.

A ideia era de que esses recursos fossem utilizados pelas escolas e blocos para fomentar pequenos eventos, pagar recursos humanos e contas atrasadas e, assim, ganhar novo fôlego. “É uma retomada, porque o DF tem um público de carnaval desde sua criação. Então, é um esforço de rearticulação, da volta desse público para ele sentir que sua escola está voltando e as comunidades também irem voltando para o barracão”, conta a subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural, Sol Montes.

Para o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do DF (Liestra), Hélio dos Santos, o resultado foi animador. “Brasília estava sentindo falta dessas atividades; mesmo nas lives foi um trabalho bom. Foi o que possibilitou que as escolas se estruturassem e fizessem apresentações depois de tanto tempo, levando ao mundo todo o carnaval do DF”, comemora ele. “Essa é uma gestão que abriu as portas para as entidades carnavalescas, nunca tivemos tanto espaço como estamos tendo agora. Espaço e parceria. E o resultado disso virá nos desfiles, porque as escolas estarão preparadas para apresentar um desfile à altura do nosso Carnaval”.

Força na capacitação 

Iniciada desde fevereiro, a Escola de Carnaval é um projeto de projeção nacional. A ação tem como objetivo capacitar os integrantes e interessados das agremiações a retornarem à avenida em 2023, promovendo o diálogo com o terceiro setor e agentes públicos, além de articular toda a cadeia carnavalesca. Para isso, o projeto conta com quatro módulos: Gestão Profissional do Carnaval, Artes Visuais, Artes Musicais e Artes da Dança – englobando, assim, toda a dinâmica produtiva do Carnaval.

A curadoria da Escola de Carnaval deu, ainda, mais força ao projeto. O carnavalesco Milton Cunha, cenógrafo, comentarista de desfiles em diversas emissoras e pós-doutor em narrativas do Carnaval, foi o grande nome por trás dessa capacitação. Em um primeiro momento, ele mesmo entrevistou e analisou a situação dos agentes culturais que realizam o que chamou de “carnaval candango”, para então estruturar as etapas seguintes.

“O tripé da minha curadoria é constituído pela gestão administrativa, o artístico-visual e o artístico-musical. Primeiro, abordo a visão geral da escola de samba como fenômeno da modernidade, da sociedade do espetáculo. Em seguida, vem o resgate histórico, para que figurinista, carnavalesco, projetista de alegoria e compositor saibam que o tema tem um passado. Aí, temos as aulas de croqui, risco, volumetria, ergonomia e também alegoria, com suas noções espaciais. A terceira parte é a musicalidade, quando você trata de enredo, da harmonia musical”, detalha Milton Cunha.

Além de Cunha, outros profissionais renomados das escolas de samba do Rio de Janeiro e de São Paulo também estiveram em Brasília, promovendo oficinas dentro da Escola de Carnaval. Em cinco meses de ações, foram 840 inscrições, com 313 alunos capacitados e certificados e 12 diferentes oficinas.

Só na primeira etapa, foram certificadas 60 pessoas, envolvendo profissionais das escolas de samba e dos blocos tradicionais. Para as 14 escolas participantes, no entanto, a responsabilidade é ainda maior: só poderão desfilar em 2023 os grupos que participarem do projeto, garantindo uma gestão responsável e ainda mais qualidade para as apresentações.

Na avaliação do presidente da Organização da Sociedade Civil Luta pela Vida, gestora do projeto, Rômulo Sulz, essa é uma experiência única para os carnavalescos. “Acredito que em 2023 nossas escolas e blocos carnavalescos experimentarão um salto de qualidade de produção extremamente perceptível a todos, inclusive aos próprios envolvidos”, destaca.

Na execução do projeto, foram gerados 20 empregos diretos e 65 indiretos, incluindo pessoas com deficiência e diversos profissionais do setor cultural. “A população toda se move quando o Carnaval acontece. Ainda temos cursos planejados até agosto, a produção não pode parar. Da mesma maneira inclusiva e diversa com que acontece o Carnaval, a Escola de Carnaval segue a todo vapor, preparando o retorno das nossas escolas”, aponta Rômulo.

Outro ponto alto destacado por ele é a descentralização das atividades da Escola de Carnaval para as regiões administrativas (RAs). Na capacitação nas primeiras oficinas, a curadoria elencou profissionais para repassarem esses conhecimentos em cursos ministrados gratuitamente para o público de outras RAs, como Ceilândia e Taguatinga. Até agora, foram 150 pessoas formadas. Entre os professores, está Valéria Bonifácio, rainha de bateria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Capela Imperial, de Taguatinga.

Familiarizada com o samba desde criança e “cria” da Associação Recreativa e Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc), como ela mesma se define, Valéria participou das primeiras oficinas e depois ministrou a aula de samba no pé em Taguatinga. “Eu me emociono só de falar. Isso plantou uma esperança dentro de nós. Precisávamos muito do curso para a gente se atualizar e entender mais sobre o nosso posto de rainha, de coordenadora de passistas, a função da corte, mas também entender mais sobre o Carnaval”.

Esse cronograma de ações cria expectativas para o Carnaval de 2023. Para o presidente do Grêmio Recreativo Carnavalesco Unidos de Vicente Pires, Luciano Garcia, é a oportunidade de fortalecimento e preparação.

“Esses editais vieram para fortalecer nossas comunidades e toda a estrutura das escolas. Assim, os projetos abrangem as pessoas que estão ativas e inativas, fazendo com que participem. É um resgate, uma capacitação que é de suma importância para que em 2023 a gente consiga fazer um desfile maravilhoso para Brasília. É o que o setor espera”, destaca.

Fonte: Agência Brasília

Cidadãos de 14 a 22 anos interessados em participar do Programa Empregado Aprendiz da Caesb têm desta segunda-feira (13) ao dia 26 deste mês para se inscrever. As inscrições podem ser feitas pelo site da companhia.  O Empregado Aprendiz é um programa técnico-profissional que engloba atividades teóricas e práticas, promovendo cidadania e a inserção no mercado de trabalho.

Podem se inscrever jovens residentes no DF. A idade máxima prevista, de 22 anos, não se aplica aos candidatos com deficiência, aos quais serão reservados 10% do total de vagas. Os estudantes precisam estar matriculados e frequentando a escola em cursos regulares do ensino público fundamental ou médio ou ter concluído o ensino médio, observados os requisitos mínimos de escolaridade exigidos em cada curso. O candidato não pode ter sido contratado anteriormente como aprendiz, por qualquer empresa, e precisa ter disponibilidade para cumprir integralmente a jornada de aprendizagem, no curso e turno para o qual se inscreveu.

As pessoas selecionadas vão trabalhar presencialmente na Caesb durante três dias da semana. No restante dos dias, terão aulas teóricas no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). A remuneração inclui o salário – R$ 661,09 –, mais vale-transporte e vale-refeição ou alimentação no valor de R$ 520,67.

Responsabilidade social 

Atualmente, 65 jovens participam desse programa. Na última seleção pública do Empregado Aprendiz, em 2020, foram 1.721 inscritos.

Por ano, a Caesb investe cerca de R$ 1 milhão nos aprendizes e na qualificação técnico-profissional deles. Para aproveitar o investimento, e como forma de reconhecer o desempenho de cada aprendiz, 30% das vagas de estágio de nível médio foram reservadas para estudantes que participaram do programa, dando continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido.

Em alguns casos, a criança participou do Projeto Golfinho, da companhia com boas notas, chegou ao Empregado Aprendiz e agora tem a chance de seguir como estagiário de nível médio. Isso traz resultados para companhia, com os aprendizes mais assíduos e dedicados nas tarefas diárias.

Para o gerente de Planejamento de Pessoal e Carreiras da Caesb, Carlos Alberto dos Santos, o Empregado Aprendiz vai além de uma obrigação legal das empresas. “Para os jovens, o programa é a porta de entrada para o mercado de trabalho, uma vez que o estudante vivencia a experiência profissional, tão exigida nas vagas de emprego formal”, afirma. “Por sua vez, a empresa desfruta, em suas equipes, de colaboradores com disposição para aprender e compartilhar novos conhecimentos”.

Faça aqui sua inscrição.

Fonte: Agência Brasília

O Dia do Tenista, comemorado nesta quinta-feira (9), pôde ser celebrado com alegria pelos praticantes do esporte na Asa Sul. Nesta semana foi feita a inauguração da quadra de tênis localizada na SQS 202, reformada pela Administração Regional do Plano Piloto, com investimento de R$ 168.022,40.

A quadra recebeu a manutenção completa, com reforma do piso, troca da tela do alambrado, pinturas e manutenção de calçadas ao redor. Também foi feita a entrega de hastes e redes de tênis.

A prefeita da quadra, Lourdes Baldez, agradeceu o empenho da administração em devolver o espaço esportivo à população. “O esforço conjunto da equipe para entender as especificações do Plano Piloto e captar recursos que há muito tempo não eram alocados para a nossa RA foi um grande acerto do GDF e estamos colhendo os frutos disso”, comemorou.

“Essa quadra estava muito abandonada, assim como a maioria dos equipamentos públicos do Plano Piloto. Foi um compromisso meu e do governador Ibaneis Rocha cuidar melhor do Plano Piloto, voltando a alocar mais recursos nessa região administrativa”, disse a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan) aprovou em reunião virtual, nesta quinta-feira (9), o projeto de reforma das quadras 1 e 2 do Setor Bancário Sul (SBS). Entre as melhorias previstas, estão mais acessibilidade, novas calçadas, arborização e reorganização do sistema viário da região.

Elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), o projeto contou com a parceria do Centro de Espaços Públicos da Faculdade Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB), na avaliação do diagnóstico do setor.

O trabalho, coordenado pela arquiteta e professora Gabriela Tenório, também integrante do Conplan, avaliou os espaços públicos do SBS, assim como as condições de acesso, deslocamento e permanência da população que frequenta o local. “O projeto traz ganhos importantes para a população de Brasília, especialmente para pessoas com mobilidade reduzida, além de favorecer a conexão com os setores próximos e a circulação de pedestres no centro da cidade”, afirma Gabriela.

Área movimentada

De acordo com o diretor de Espaço Público e Qualificação Urbana da Seduh, Clécio Rezende, a proposta restringiu-se às quadras 1 e 2 por ter sido identificado nesse trecho o maior fluxo de pedestres no setor, por onde passam mais de 16 mil pessoas por dia.

“O objetivo é atender as demandas por acessibilidade no local, e para isso serão construídos 16.495 m2 de novas calçadas, além de rampas, facilitando o acesso para cadeirantes, idosos, pessoas com deficiência ou com dificuldade de locomoção” , explica o gestor.

Para garantir mais pontos de acesso à área, serão instaladas plataformas elevadas nos principais pontos de travessia para interligar o SBS aos setores vizinhos – como os de Autarquias Sul, Comercial Sul e Cultural Sul –, facilitando o trânsito dos  pedestres.

Já a arborização do setor contará com novas espécies nativas de cerrado e mais de 7 mil m2 de área verde e forrações resilientes para qualificar os percursos dos pedestres e torná-los, além de acessíveis, mais sombreados e agradáveis.

Próximo passo

Encerrada a etapa do Conplan, o projeto precisa ser aprovado por portaria e publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Em seguida, será encaminhado à Secretaria de Obras para a elaboração dos projetos complementares, como drenagem, iluminação e sinalização viária.

Fonte: Agência Brasília


 

De 8 a 10 de junho, será realizado o III Encontro Distrital da Agroindústria. O evento é promovido pela Secretaria da Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF), em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (Fape-DF).

Sediado no auditório da Embrapa Cenargen, a terceira edição do Encontro será dividida em três eixos. No primeiro dia, serão abordados temas gerais relacionados às agroindústrias, como elaboração de plantas baixas, legislação previdenciária rural e atuação do Senar e do Sebrae junto às agroindústrias.

O segundo dia será dedicado à agroindústria artesanal. Haverá palestras sobre Selo Arte, atuação da Emater-DF junto às agroindústrias e sobre o mercado atual da charcutaria artesanal no DF.  Já o último dia será dedicado à produção de bebidas, especialmente fabricação de cerveja e de vinhos.

Durante o evento, serão apresentados casos de sucesso de agroindústrias locais. Haverá ainda no local uma feirinha de comercialização de produtos de estabelecimentos com registro na Dipova (Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal e Vegetal).

Para a subsecretária de Defesa Agropecuária da Seagri-DF, Danielle Araújo, a principal importância do Encontro é incentivar a agroindustrialização no Distrito Federal. “O DF tem uma aptidão fantástica para a agroindústria. A grande maioria das propriedades rurais aqui são pequenas. Então a verticalização da produção agrega muito valor à produção do campo, gerando mais empregos, renda e melhoria da qualidade de vida no espaço rural”.

Um grande objetivo do evento, segundo a subsecretária da Seagri-DF, é trazer informação a quem atua nesse setor produtivo. “Não é à toa que o Encontro Distrital da Agroindústria já está na sua terceira edição. Esse é um evento sempre muito bem avaliado, justamente por trazer um ambiente de inovação, de troca de experiências, oportunizando que vivências e informações técnicas sejam compartilhadas entre os diferentes atores da cadeia agroindustrial do DF”, afirmou Danielle Araújo.

O diretor da Dipova, Marco Antônio Martins, destacou que nas edições anteriores do Encontro Distrital de Agroindústria a média foi de 150 participantes por dia, entre responsáveis técnicos, servidores públicos, proprietários de estabelecimentos, acadêmicos das áreas afins e demais interessados no tema. “Após dois anos sem a realização do evento por conta da pandemia, estamos com uma expectativa muito positiva, pois se trata de um momento único de troca de informação e conhecimento entre todos os elos da cadeia agroindustrial do DF”.

Segundo o gerente de Segurança e Qualidade Alimentar da Dipova, Wendel Lago, espera-se que o evento possa contribuir com o desenvolvimento da cadeia agroindustrial do Distrito Federal, em especial pelo diálogo e formulação de propostas entre os diferentes atores. “Esperamos ainda que os participantes incorporem conceitos relativos à organização do setor agroindustrial, às novas tendências tecnológicas e oportunidades de investimento”, afirmou Wendel Lago.

Os interessados em participar do evento devem preencher o formulário de inscrição clicando aqui.

Confira aqui a programação completa do III Encontro Distrital das Agroindústrias

Texto e fotos: Ascom Seagri-DF

 

A reforma do Setor Hospitalar Local Norte (SHLN) do Plano Piloto foi aprovada pela Portaria nº 52, publicada nesta quarta-feira (8) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). O ato administrativo garante a liberação para executar o projeto de obras no local.

A iniciativa planeja aumentar em 30% o número de vagas para carros e motos, duplicar calçadas, criar uma ciclovia e três praças, além de plantar 91 novas árvores, entre ipês e jacarandás. O objetivo é atender as demandas de acessibilidade e suprir a necessidade por estacionamentos no SHLN.

Atualmente o local conta com 445 vagas, além dos pontos irregulares usados pelos veículos. O projeto prevê uma organização dos estacionamentos, com o acréscimo de 175 novas vagas no setor. Assim, com essas alterações, ficará o total de 620 vagas, das quais 573 se destinam a carros e 47 a motos.

Calçadas e ciclovias

As calçadas serão ampliadas dos 4.527,21 m² existentes para 9.498,34 m², contando com piso tátil, faixas elevadas e travessias. A mudança vai facilitar o acesso para cadeirantes, idosos, pessoas com deficiência e outros cidadãos com dificuldade de locomoção.

Já a ciclovia terá 793,76 m². Os trechos compartilhados, pelos quais poderão passar ciclistas e pedestres, terão no mínimo 3 m de largura. A meta é conectar a Quadra 316/116 com os setores Hospitalar Norte e Terminal Norte por meio da ciclovia e calçadas.

O SHLN possui apenas calçadas que conectam alguns edifícios de forma interrompida, sem a acessibilidade adequada para qualquer portador de deficiência. A partir da reforma, as calçadas acessíveis, passeios compartilhados e ciclovias conectarão os lotes com outras modalidades de transporte, transformando o Setor Hospitalar Local Norte em uma área acessível e socialmente justa.

Praças e vagas

As três praças a serem criadas seguirão os moldes do Setor Hospitalar Local Sul (SHLS), para dar a mesma identidade nesses pontos. Terão mobiliário urbano formado por bancos, lixeiras, vagas para bicicletas e pergolados, que são estruturas de madeira ou metal com cobertura de vidro para uso de pedestres. Estão previstos dez quiosques nesses pontos, para estimular o uso do espaço público e o comércio local.

Quanto à arborização, o espaço contará com 15 ipês-amarelos, 11 ipês-brancos, 31 jacarandás-mimosos e 34 paus-ferro. O plantio de mais árvores e a troca dos pavimentos para blocos de concreto pré-fabricados evita a formação de ilhas de calor e diminui a velocidade de escoamento da água que cai nas ruas.

O projeto foi aprovado em abril pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan). “O grande desafio do governo é achar um equilíbrio entre a valorização do pedestre, do ciclista, com mobilidade ativa e carros”, disse, à época, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira.

Próximos passos

Depois da publicação da portaria, a iniciativa será encaminhada ao Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran), que fará o projeto de sinalização; à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), encarregada do projeto de águas pluviais, e à Companhia Energética de Brasília (CEB), que ficará responsável pelo projeto de iluminação pública.

Fonte: Agência Brasília

Moradores da Vila Planalto que ainda não regularizaram seus imóveis têm prazo de 7 a 30 de julho para entregar à Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab) a documentação necessária para dar andamento ao processo.

Desde segunda-feira (6), funcionários devidamente identificados da companhia estão visitando as residências locais para entregar a Carta Convocatória, que contém a lista dos documentos necessários para a titulação definitiva dos bens. A visitação termina nesta quarta-feira (8).

Os documentos poderão ser entregues na Creche Pioneira, localizada no Acampamento Rabelo – Área Especial. Outra opção é encaminhar o material pelo e-mail regularizavilaplanalto@codhab.df.gov.br.

Uma vez recolhidos todos os documentos, a Codhab vai analisar e habilitar os moradores para doação ou venda direta dos imóveis, de acordo com os requisitos estabelecidos na legislação. O último passo é a emissão das escrituras públicas, promovendo a transferência da propriedade para o cidadão de maneira definitiva.

Fonte: Agência Brasília

Equipes de mobilização do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e representantes da Administração Regional do Plano Piloto estiveram, nesta segunda-feira (6), no comércio local da 209/210 Norte para orientar comerciantes e moradores sobre como fazer a gestão adequada dos resíduos.

O chamado “Dia D da conscientização” é uma parceria entre administração regional e SLU. A pauta dessa ação foi a Lei dos Grandes Geradores (Lei nº 5610/2016) e o enquadramento ou não do estabelecimento como grande gerador de resíduos.

Foram abordados restaurantes e lojas do comércio local. Os mobilizadores do SLU explicaram aos comerciantes e empresários que quem produz mais de 120 litros de resíduos orgânicos ou rejeitos por dia é classificado como grande gerador e deve contratar uma empresa para fazer o descarte.

“Para se ter uma ideia de quantidade, 120 litros seria o equivalente a um saco de lixo de 100 litros e mais quatro sacolinhas de supermercado pequenas. Ou seja, quem produz mais do que isso, de acordo com a legislação, deve ter seu próprio contêiner e contratar uma empresa para fazer a gestão desses resíduos. Quem é grande gerador não pode utilizar o papa-lixo, por exemplo, que é para uso convencional”, explicou a coordenadora de Mobilização do SLU, Efigênia Lustosa.

A administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, participou da atividade e ressaltou a importância desse tipo de sensibilização. “Nosso objetivo foi sensibilizar os comerciantes e moradores sobre a responsabilidade coletiva de cuidar do resíduo gerado. Com essa ação educativa, damos um mais passo para a mudança cultural da população local sobre a destinação correta dos resíduos”, explicou.

De acordo com o representante da prefeitura da 210 Norte, Eudemar Moraes, a conscientização dos comerciantes é muito importante para toda a população, pois se trata de uma questão comunitária.

“Se todos fizerem sua parte, certamente nós teremos nossas cidades mais bem-cuidadas. As pessoas ainda têm muitas dúvidas sobre como fazer a separação. Nossa função é esclarecer essas questões, não só para comerciantes, mas para os moradores também”, disse o mobilizador Erick Ramos.

O que diz a lei

Grandes geradores de resíduos devem contratar empresa privada para fazer a coleta e a destinação de seus resíduos e não podem utilizar os contêineres públicos. A empresa contratada precisa ser cadastrada junto ao SLU para prestar o serviço. Para conhecer melhor a legislação sobre os grandes geradores de resíduos, acesse aqui.

Texto: Agência Brasília

Fotos: Hanna Braga (Ascom RA-PP)

A reforma da Quadra 6 do Setor Comercial Sul (SCS) do Plano Piloto, que fica em frente à W3 Sul, foi aprovada pela Portaria n°49, publicada nesta segunda-feira (6) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). O ato administrativo dá sinal verde para o andamento do processo de recuperação daquele local.

O projeto prevê a instalação de um novo padrão de calçadas, com elementos de acessibilidade, melhorias de rampas e travessias de pedestres. A proposta também reorganiza as vagas de estacionamento e cria áreas de convívio em espaços onde circulam muitas pessoas, como os quiosques e paradas de ônibus.

Está contemplada a instalação de sombreiros metálicos semelhantes aos da Praça do Povo, estabelecendo um elemento de referência e identificação no SCS, além de garantir mais sombra durante o dia e iluminação à noite perto dos pontos de ônibus. Estão previstos ainda canteiros verdes ao longo dos principais percursos de pedestres e a implantação de piso tátil e vagas de bicicleta nos locais de espera.

Outro ponto importante é a inclusão de mais duas paradas de ônibus para atender a demanda da população no local, além da implantação de bancos e lixeiras, permitindo que um número maior de pessoas possa aguardar o transporte coletivo com mais conforto.

O projeto foi aprovado em maio pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan). Na ocasião, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira, destacou que “a ideia é aprimorar ainda mais as intervenções que já estão sendo feitas no Setor Comercial Sul, para garantir mais acessibilidade e as melhorias previstas no Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot)”.

Próximos passos

Com a publicação da portaria, o próximo passo será enviar o projeto de reforma da Quadra 6 para a Secretaria de Obras fazer o orçamento e dar andamento ao processo licitatório.

No início deste mês, o Governo do Distrito Federal (GDF) deu mais um passo na reforma do setor, com o anúncio da licitação para realizar serviços de recuperação do pavimento e das calçadas na Quadra 4 do SCS, além de implantação de mobiliário urbano, paisagismo e sinalização viária.

De acordo com a Secretaria de Obras, também estão em processo licitatório as obras da Quadra 5, que serão licitadas este mês. Já na Quadra 3, as obras serão iniciadas nos próximos dias, segundo a pasta.

Praça do Povo

Até o momento, o GDF já entregou no SCS a reforma da Praça do Povo, um dos pontos mais movimentados do setor. Localizada na Quadra 3, tem uma área de 2,8 mil m² e recebe, diariamente, cerca de 150 mil pessoas. A praça ganhou, em outubro do ano passado, o redesenho dos espaços internos, com novas calçadas, mobiliário urbano adaptado à prática de skate, além de acessibilidade.

Para contribuir com mais segurança no local, foram instalados 30 novos pontos de iluminação pública com 36 luminárias de LED. Foram substituídas 68 luminárias convencionais, que já estavam instaladas, também por modelos de LED.

Fonte: Agência Brasília

O cair da noite nas ruas do Distrito Federal nem sempre significa a hora do descanso ou de diminuir o ritmo dos trabalhos. Pelo contrário. É neste momento que diversos serviços são prestados à população, seja para garantir a limpeza, a segurança ou a mobilidade dos moradores do DF. Ações que, muitas vezes, são complementares às atividades diurnas. Mas, também, invadem a madrugada de uma capital movimentada.

Além dos atendimentos chamados essenciais – casos da segurança pública, da saúde e da educação –, o Governo do Distrito Federal (GDF) executa diversos outros serviços no período noturno. O recolhimento do lixo dos contêineres, por exemplo, não é feito somente ao longo do dia. A coleta convencional e a varrição adentram a madrugada em várias regiões administrativas (RAs), sob responsabilidade do Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

Limpeza a qualquer hora

Três empresas terceirizadas pelo órgão se dividem para a coleta noturna, que começa às 19h e em algumas cidades se estende até as 2h30. Em outras, se encerra às 0h. A varrição, a cargo dos garis, é finalizada às 0h20. No Plano Piloto, por exemplo, as áreas comerciais têm seus resíduos recolhidos à noite, geralmente restos juntados por restaurantes, bares e mercados.

Wudson de Oliveira, 49 anos, é gari coletor há 20 anos. Compõe a equipe do caminhão que vai passando pelos quarteirões. O expediente, geralmente, termina por volta de 1h da madrugada, mas não o incomoda.

“Gosto demais do meu emprego. É um orgulho grande ver a nossa cidade limpa e esse é o meu ‘ganha-pão’”, conta. “O lixo cheira mal, né? Então a coleta tem que continuar de noite”, emenda. Encerrado o expediente, segue para a Rodoviária do Plano para pegar o ônibus “corujão” rumo ao Setor O, em Ceilândia.

“Corujões” rodando pela madrugada

Além de Wudson, centenas de passageiros são atendidos pelos “corujões” disponibilizados pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob). São 17 linhas que operam entre 23h e 6h da manhã, com destino a cidades como Taguatinga, Ceilândia, Gama, Santa Maria, Riacho Fundo, entre outras. E mais 49 que se estendem até pelo menos meia-noite, a depender do itinerário.

“As rodoviárias do Plano Piloto e de Taguatinga Norte funcionam como pontos de distribuição. De lá, os corujões partem para a grande maioria das cidades do DF”, explica o subsecretário de operações da Semob, Márcio Antônio de Jesus. “Essas linhas atendem a uma clientela que trabalha em hotéis, restaurantes, shoppings ou como vigilantes, por exemplo. Eles são os principais usuários. É um segmento da economia que vai até mais tarde”, pontua. O BRT opera até as 0h30, retomando as atividades às 5h. Intervalo esse em que um morador do Gama pode, por exemplo, embarcar em um “corujão” para chegar em casa.

Marcos Rezende, 53 anos, trabalha como vigilante em um shopping no Setor de Clubes Sul. Toma o ônibus no Jardim Ingá, em Luziânia (GO), até o Plano Piloto, por volta das 21h. De lá, segue para o serviço. Eventualmente, devido à escala de horário, pega o coletivo da meia-noite. “É muito bom o ônibus da madrugada. Funciona tão bem quanto os outros e atende a nossa necessidade”, adianta. “Como a cidade não para, as pessoas também não podem parar”, comenta, rindo.

Fumacê é melhor à noite

O trabalho de prevenção e combate à dengue também se estende para a noite. Enquanto equipes da Vigilância Ambiental e do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) fazem as vistorias nos imóveis ao longo do dia, é quando o sol se põe que o conhecido fumacê ganha as ruas da capital. A partir das 18h, 120 camionetes da vigilância exalam o inseticida de ultrabaixo volume (UBV) nas RAs onde são identificadas a presença do mosquito Aedes aegypti.

Em uma caminhada noturna com os cachorros pela SQS 310, a professora Maria Luiza Menezes, 33 anos, avistou o veículo em serviço e parabenizou a ação. “É essencial. Já peguei dengue duas vezes e é uma doença terrível. Sabemos que o produto mata o mosquito transmissor”, diz. Ela lembra que o hábito de muitos durante o inverno pode contribuir nessa ‘luta’ contra a doença. “Nesse frio danado em Brasília, temos muita gente em casa, recolhida e que pode abrir suas janelas para o fumacê entrar”, conclui.

A professora não errou. O agente de vigilância ambiental em saúde Reginaldo Braga explica os horários adequados para a aplicação do UBV. “Estudos científicos apontam que é ao amanhecer ou ao crepúsculo – entre 18h e 22h – que a fêmea do mosquito busca o sangue para a maturação dos ovos. Portanto, é a hora de atacá-la”, observa ele, lembrando que no nascer do dia a eficácia é considerada menor, pois portas e janelas das residências geralmente estão fechadas.

Faixas de pedestres e sinalização de ruas: só mais tarde

De domingo a domingo, equipes da Diretoria de Engenharia de Trânsito do Detran passam a noite espalhadas pelas RAs recuperando estruturas viárias, preparando novas sinalizações nas vias ou pintando novas faixas de pedestres.

O serviço é feito à noite devido ao menor fluxo de carros neste turno. Um dos responsáveis por esse trabalho é o servidor Carlos Araújo, técnico de trânsito. Ele e sua equipe atuam nas vias de Ceilândia, Taguatinga, Sol Nascente, Brazlândia e Samambaia.

Recentemente, a via N2, próximo ao estádio Abadião em Ceilândia, ganhou duas faixas de pedestres, sinalização na pista e pintura de quebra-molas. Faixas pintadas também no Sol Nascente e Taguatinga Norte. “As demandas são intensas. Mas, vias novas que são construídas ou aquelas que são recapeadas têm prioridades para serem sinalizadas”, revela Araújo.

Assistência para quem precisa

Entre os diversos tipos de atendimento oferecidos pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), um é ininterrupto: o prestado pela Unidade de Proteção Social 24 horas (UPS 24h). A unidade é acionada em situações de calamidade ou risco para a população. Além disso, os assistentes sociais da UPS 24h participam do trabalho de retirada de moradias irregulares feito pelo DF Legal. O objetivo é dar o devido atendimento às pessoas que ali estão.

O equipamento fica localizado na 615 Sul, onde servidores estão à disposição a qualquer hora da madrugada. “Temos situações de incêndio, de alagamento, desabamento, onde prestamos apoio à população. Entregamos colchões às pessoas, encaminhamos para um abrigo temporário e também já as incluímos na lista de benefícios oferecidos pelo governo”, explica o chefe da UPS 24h, Euzébio Xavier.

Seja sábado, domingo ou feriado, a unidade segue em funcionamento e atende uma média de 400 famílias por mês.

Fonte: Agência Brasília

Dentro das atividades da Semana do Meio Ambiente, o Governo do Distrito Federal (GDF) preparou uma programação especial para esta terça-feira (7) na Rodoviária do Plano Piloto. Será o Dia D da Semana do Meio Ambiente. Cerca de 70 voluntários dos órgãos do GDF e parceiros estarão, das 9h às 18h, realizando ações voltadas à conscientização socioambiental e à correta separação dos resíduos.

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) estará com mobilizadores distribuindo panfletos, orientando sobre a correta separação dos resíduos e explicando o funcionamento do aplicativo SLU Coleta DF. Já o Projeto Reciclotech estará no local com um ônibus para a coleta de lixo eletroeletrônico, além de oferecer corte de cabelo e pintura de rosto para quem for prestigiar o evento.

O caminhão da empresa Zero Impacto estará presente para divulgação da coleta domiciliar de resíduos eletroeletrônicos e eletrodomésticos. E a Caesb também marca presença, demonstrando o ciclo da água, que é um recurso natural essencial e que precisa ter um uso mais consciente pela população.

Para trazer mais descontração, também haverá atração musical com o grupo Vozes da Indústria, intervenções teatrais e várias surpresas para interagir com o público.

As ações de sensibilização e mobilização socioambiental do Dia D da Semana do Meio Ambiente estão sendo coordenadas pelas secretarias de Ciência e Tecnologia (Secti), do Meio Ambiente (Sema) e DF Legal e pelo SLU, com apoio da Programando o Futuro, Zero Impacto, Rede Alternativa de Catadores, Centcoop e outros parceiros.

Programação
Ações na plataforma inferior (manhã)
– 9h: Musical Vozes da Indústria – Sesi-DF (em frente às catracas do Metrô)
– 9h às 18h: Mobilização e distribuição de material informativo da coleta seletiva
– 9h30: Intervenções teatrais sobre o descarte de eletroeletrônicos
– 10h30 às 11h30: Flash mob e lixeira falante

Exposição na plataforma superior (em frente ao Conic):
– Ônibus do Reciclotec: coleta de eletroeletrônicos, corte de cabelo e pintura de rosto
– Ônibus da Caesb: Expresso Caesb com o Ciclo da Água
– Caminhão da Zero Impacto: coleta domiciliar de eletroeletrônicos e eletrodomésticos

Serviço
Dia D da Semana do Meio Ambiente
– Data: 7/7
– Horário: 9h às 18h
– Local: Rodoviária do Plano Piloto

Fotos: Hanna Braga / Ascom RA-PP

Texto: Agência Brasília 

CONVOCAÇÃO 

com lista de eleitores habilitados 

A Comissão Eleitoral do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto convida a  comunidade cultural para a Assembleia de eleição de candidat@s à lista tríplice para o cargo de  Gerente de Cultura da Administração Regional do Plano Piloto – RA PP.  

Data da Assembleia: 04/06/2022 (sábado) 

Horário: 15 horas 

Transmissão ao vivo pelo Youtube: Conselho de Cultura do Plano Piloto  

Acesse a lista de votantes: habilitad@s a votar 

Acesse o regulamento e convocação da Assembleia 

Candidat@s e eleitores vão receber o link da sala do zoom por e-mail e whatsapp na manhã de  04/06/2022 

contato, dúvidas, esclarecimentos: crcplanopiloto@gmail.com 

CANDIDAT@S À LISTA TRÍPLICE 

  

  Dani Monteiro                                              Dudu Oliveira                                   Jessica Waldino 

                                                                            Kleiton Guimarães              Marcela Rodrigues                Tiago Vieira

NOME ARTÍSTICO 

NOME COMPLETO

Dani Monteiro 

Danielly dos Santos Fernandes Monteiro

Jessica Waldino 

Jessica Waldino dos Santos

KG Produções 

Kleiton Guimarães de Araújo Costa

Marcela Rodrigues 

Marcela Mendes Rodrigues

Tom Brazil 

Tiago Vieira de Paula

Dudu Oliveira 

William Nunes de Oliveira

Fonte: Conselho de Cultura do Plano Piloto

No último dia 2/6, a Administradora Regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, participou de uma Live realizada pelo Sindicondomínio em parceria com Conselho Comunitário de Segurança sobre o Programa “Administração Regional Digital 24h”. A live foi mediada por Maria Celeste Bezerra da Silva, presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Brasília (CONSEG).

O encontro virtual começou com a Administradora explicando o que é Administração Digital: "Administração Regional Digital 24h permite a transição das demandas de serviços entre os órgãos e isso disponibilizado de forma online durante qualquer hora de qualquer dia". Ela também informou que os serviços disponibilizados por enquanto são: tapa buraco, recolhimento de lixo verde, poda de árvore em área pública e algumas demandas de infraestrutura como meio fio.

"Para nós da Administração Regional, o aplicativo da Administração 24 horas facilita e agiliza muito o trabalho. Principalmente pelo fato de catalogar os serviços e enquadrá-los, antes de qualquer coisa, podendo ser criados processos individuais em cima de cada solicitação" contou Ilka Teodoro. "A função de georreferência do aplicativo facilita muito a vida dos gestores públicos" completou.

A Administradora explicou também que algumas demandas que não podem ser realizadas pela própria administração são encaminhadas pela mesma para os órgãos competentes como a CEB para eficientização da iluminação. Para finalizar a live a Administradora Ilka se colocou à disposição, assim como toda Administração para ajudar a população no que for possível.

Texto e imagem: Gabriel Ferraz/ASCOM-RA-PP

Esta é a segunda edição do curso pioneiro ofertado em 2020, logo após o início da pandemia causada pelo novo coronavírus, e que contou com mais de 69 mil profissionais inscritos de cidades e municípios de todas as regiões do Brasil. O SARS-CoV-2 chegou ao Brasil há pouco mais de dois anos e deixou muitas marcas, experiências, aprendizados e sofrimentos pelo caminho, especialmente dos trabalhadores da saúde que lidam diretamente com os impactos da pandemia. O novo curso busca capacitar os profissionais para que possam intervir em seus territórios com uma melhor prevenção, mitigação, preparação, resposta, recuperação, reconstrução e reabilitação em situações de desastres e emergências em saúde pública. 

O foco é no processo de reconstrução das Redes de Atenção Psicossocial em toda a complexidade que elas abarcam, para apoiar a identificação e reorganização de processos de trabalho de gestores do SUS, trabalhadores da saúde pública e de outras políticas públicas, como Assistência Social, Defesa Civil, Educação e Habitação, além de estudantes e interessados em processos de recuperação, reconstrução e reabilitação pós-desastres e emergências em saúde pública.  

Ao todo serão ofertados 6 módulos na modalidade de ensino a distância, com um encontro online quinzenal pelo YouTube da Fiocruz Brasília, relatos de experiência, fórum de discussão, avaliação de aprendizagem e conteúdo em vídeos e podcasts. A capacitação vai abordar o momento atual da pandemia, políticas públicas, demandas de saúde mental, diagnóstico da Rede de Atenção Psicossocial e a carga de trabalho, desgaste e exaustão dos trabalhadores.  

A aula inaugural será no dia 13 de junho, a partir das 15h e transmitida pelo Youtube da Fiocruz Brasília. A capacitação foi desenvolvida pelo Núcleo de Saúde Mental e Atenção Psicossocial em Desastres e Emergências em Saúde Pública (NUSMAPS) da Fiocruz Brasília, em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (ENSP/Fiocruz) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). 

Confira o conteúdo programático, o link para inscrições e mais informações aqui 

Curso de Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Covid-19: Reconstrução Pós-Desastres e Emergências em Saúde Pública
EAD e gratuito
Inscrições: 3 a 12 de junho
Aula inaugural: 13 de junho, transmitida pelo Youtube da Fiocruz Brasília (www.youtube.com/fiocruzbrasiliaoficial)
Mais informações: https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/curso-nacional-de-saude-mental-e-atencao-psicossocial-na-covid-19/

Fonte: Divulgação Fiocruz

O projeto de Educação em Direitos da Defensoria Pública do Distrito Federal, que completa 12 anos de história, está de volta em parceria com diversas instituições para a construção da transformação social.

Tendo a educação em direitos como dever estampado na Constituição Federal de 1988 e na Lei Complementar n.º 80/94, e instituída oficialmente no Distrito Federal por meio do Decreto N° 39.321/2018, a Defensoria propõe a formação de jovens participativos e conscientes, por meio do conhecimento em direitos, deveres, princípios e valores sociais, e da construção coletiva de ideias, dando condições para que sejam autores de sua própria história, apesar do contexto de duras desigualdades.

A bandeira da educação em direitos é defendida como forma de efetivação da cidadania e de acesso à ordem jurídica justa, evitando, assim, a extrema judicialização que ocorre nos dias atuais.

O projeto Conhecer Direito, que já foi o ponto de partida para a mudança na vida de milhares de pessoas por meio da educação, oferece a possibilidade de construção de uma nova forma de convivência, onde se informa para depois responsabilizar e, não, responsabilizar para depois informar.

A partir do dia 19 de maio de 2022, estão abertas as inscrições para a sua 18ª turma.

São 100 vagas limitadas e para garantir a participação, o estudante do 1º, 2º ou 3º ano da rede pública de ensino médio do DF deve fazer a pré-inscrição no link: https://bit.ly/37XdwBD e, em seguida, efetivá-la presencialmente até o dia 10 de junho na sede da Escola da Defensoria Pública do DF (Easjur), com a entrega de declaração de escolaridade, cópia do RG e termo de autorização do pai ou responsável.

As aulas se iniciam em 14 de junho e acontecerão no horário das 15h às 17h, semanalmente toda terça-feira e toda última quarta-feira do mês, na sede da Easjur, localizada no Setor Comercial Norte, Quadra 01, Lote G, Edifício Rossi Esplanada Business, subsolo (próximo ao HRAN e Liberty Mall).

O curso é inteiramente gratuito e oferecerá acesso a material didático consistente em livro “Educação para a Vida e Acesso à Cidadania – Os direitos e deveres da vida humana em sete tempos” (disponível em: https://bit.ly/3oeTvfc), que contempla a jornada do conhecimento sobre as regras básicas da vida em sociedade desde o nascimento, a infância, a adolescência, a juventude, a vida adulta, a velhice, após a morte, até os mecanismos de proteção constitucionais.

Também serão abordados conteúdos de cartilhas temáticas produzidas pela Defensoria Pública do DF, que tratam de assuntos como a Violência Doméstica e Familiar, os Direitos da Criança e do Adolescente, a Pessoa com Deficiência, as Relações de Consumo, o Direito de Família, entre outros que estão disponíveis em: http://escola.defensoria.df.gov.br/easjur/publicacoes/cct/cartilhas/.

Ao final do curso, em dezembro de 2022, teremos um evento de formatura com a maior premiação de bolsas da história do projeto – em parceria com instituições privadas de ensino superior e cursos preparatórios – para os alunos com melhores aproveitamentos em simulados aplicados ao longo das aulas.

 

 

Fonte: Divulgação Defensoria Pública

A Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF) disponibilizou, desde março deste ano, o site Gestão de Riscos (www.gestaoderiscos.cg.df.gov.br), ferramenta que vai auxiliar os órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF) no desenvolvimento de projetos estratégicos para a implementação da gestão de risco. O sítio reúne informações e conceitos sobre o que é a gestão de riscos e a importância da implementação dela nos órgãos públicos, além de modelos de projetos de gestão de riscos que podem ser baixados pelo usuário, gerenciamento e tratamento de riscos.

No endereço eletrônico, o visitante vai encontrar, de forma fácil e rápida, todo o passo a passo para elaborar o projeto de gestão de risco e implementá-lo. A gestão de risco é um processo sistemático para identificar, analisar, avaliar e tratar eventos de risco de qualquer natureza, com o objetivo de minimizar ou potencializar seus impactos sobre os objetivos da organização.

Também é possível acessar todas as informações fundamentais para a implementação dos Programas de Integridade, auxiliando os órgãos e entidades do GDF no desenvolvimento de seus sistemas de Gestão.

Os órgãos e entidades do DF que tiverem interesse na implementação da gestão de risco e dos programas de integridade podem solicitar apoio técnico consultivo da Controladoria-Geral do DF. Além disso, a CGDF também oferece capacitações e sugestão de trilhas de treinamento e aperfeiçoamento voltadas à Gestão de Riscos, Integridade e contratações.

Acesse www.gestaoderiscos.cg.df.gov.br e conheça a ferramenta.

Fonte: Divulgação CGDF


A Administração Regional recebe representantes do IBGE nesta quinta-feira, 26/5, às 19h, para explicar como será a aplicação do Censo e sensibilizar sobre a importância da pesquisa para a implementação de políticas públicas e para a realização de investimentos, tanto do governo quanto da iniciativa privada.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizará entre agosto e outubro de 2022, o Censo Demográfico, que levanta informações sobre a situação de vida da população em cada um dos municípios e localidades do País. 

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) realizou nesta quarta-feira (25) mais um ciclo de um total de sete apresentações da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD) nas cidades. Dessa vez, foram os moradores do Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia que tiveram seu perfil e caraterísticas revelados pelo estudo, como média de idade da população, etnia, se possui ou não alguma deficiência, estado civil.

A apresentação foi transmitida pela internet a partir do auditório da Administração Regional do Plano Piloto. Anfitriã do evento, a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ressaltou a importância da PDAD para a aplicação de políticas públicas. “É uma felicidade muito grande a gente receber aqui essa rodada de apresentação dos dados da pesquisa. Essa pesquisa é completa. Revela outros aspectos jamais abordados por outros estados, como identidade de gênero, orientação sexual e outros recortes que são fundamentais para termos um retrato fiel da nossa sociedade e conseguirmos atender a todos”, destacou Ilka.

O presidente da Codeplan, Jean Lima, que pegou a palavra de Ilka, também frisou que a PDAD é uma importante ferramenta utilizada como parâmetro para se embasar a aplicação de recursos e políticas públicas. Entusiasta do levantamento, Jean deu alguns spoilers da apresentação que seria feita em seguida a sua fala. “Teremos dados sobre perfil dos domicílios, da população quanto a infraestrutura, segurança pública. A vantagem de a gente estar aqui divulgando estes dados é que a população pode ter acesso a ele”, disse Jean.

A pesquisou visitou mais de sete mil domicílios do Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia no período entre junho a dezembro de 2021. Entre os dados mais importantes, registra-se o uso da bicicleta.

Bicicleta apenas como diversão 

Apesar da pouca distância do centro da capital federal, os moradores do Sudoeste, Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia vão na contramão mundial e utilizam cada vez menos a bicicleta como meio de transporte. Essa população prefere ir e voltar de carro do trabalhado ou da escola.

A informação faz parte dos vários recortes que a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD) trouxe nessa quarta-feira (25/5) sobre a população concentrada na Unidade de Planejamento Territorial (UPT Central), que tem ainda o Plano Piloto como integrante.

Curiosamente, esta localidade é a que mais utiliza o meio de transporte entre as demais, mas não chega nem a 1% dos entrevistados, diz o estudo. É o que diz o estudo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

O número decepcionou o síndico de um condomínio no Sudoeste que acompanhou a apresentação. Luiz Valério, 60 anos, elogiou a apresentação, mas se ateve mais ao índice “Deslocamento de bicicleta para o trabalho”. “Brasília se desenvolve no desenho de vias rodoviárias. Sem carro não há Brasília. É uma pena que a bicicleta ainda seja usada apenas para diversão”, lamenta o morador.

Além desse retrato das quatro localidades, a PDAD também revelou a cidade com a população mais envelhecida e de maios renda domiciliar. O estudo também trouxe a região maior quantidade de pessoas negras e que denominaram LGBTQIA+. Aliás, este é o dado inédito entre todas as pesquisas já realizadas no Distrito Federal.

Segundo a pesquisa, o Plano Piloto continua sendo o principal polo de trabalho do DF. Mais de 90% dos moradores afirmam trabalhar na localidade.

Em contrapartida, o Sudoeste/Octogonal tem a maior renda bruta média e ultrapassa os R$ 9 mil mensais entre a população economicamente ativa. O levantamento traz ainda os dados referentes à comparação entre a renda entre homens e mulheres e qual dos gêneros gasta mais tempo com afazeres domésticos. Segundo esse recorte, as mulheres recebem menos que os homens em todas as cinco cidades da UPT Central.

O gênero feminino só supera o masculino quando o dado refere-se às horas dedicadas a afazeres domésticos. Em média, no Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia, elas gastam entre 10h e até 15h por semana com esse tipo de serviço.

Matéria: Ary Filgueira, Assessoria de Comunicação Social da Codeplan

Fotos: Emanuelle Sena/Ascom RA-PP

Veja cada relatório específico diretamente no site da PDAD 2021: http://pdad2021.codeplan.df.gov.br/

“Foram noites muito boas, pois não passei frio. Agora, é seguir a vida e buscar coisas melhores”, conta Andréia Mahe, de 52 anos. A mineira de Itabirito fez dois pernoites nos espaços para pessoas em situação de rua abertos emergencialmente pelo Governo do Distrito Federal (GDF) desde quinta-feira (19), na Ação Contra o Frio.

Ela dormiu no Ginásio Poliesportivo do Centro de Interescolar de Esporte (Cief), na Quadra 907/8 Sul. Essa unidade é um dos dois lugares que seguem em funcionamento, mesmo depois de passado o auge da frente fria. O outro é o Estádio Bezerrão, no Gama.

“Foram os locais com as maiores demandas. Vamos voltar a avaliar a permanência desse trabalho diariamente”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha. “Nós nos preparamos para o pior cenário, com colchões, cobertores, alimentação e banheiro. Isso foi fundamental para que tudo tenha ocorrido bem”, complementa a gestora.

Vale salientar que a frente fria intensa vem perdendo força esta semana no DF. Nesse sentido, houve uma redução na quantidade de pessoas que aderiram ao pernoite nos ginásios de Ceilândia e de Sobradinho, razão pela qual foram desativados nesta terça-feira (24).

Nos quatro locais de pernoite, os cidadãos foram divididos em dois espaços. Um para homens e outro para mulheres e famílias. Lá dentro, receberam um lanche da noite e um café da manhã. Além disso, muitos moradores das quadras próximas a esses locais organizaram ações sociais, como doação de agasalhos, cobertores e alimentos.

Os institutos Barba na Rua e Inclusão e o Movimento Nacional da População de Rua colaboraram na organização dos locais. Diretamente ligados e atuantes com esse público, os representantes dessas instituições ajudaram nas ações realizadas para preservação do bem-estar dos presentes.

Entre outras iniciativas, as entidades levaram apresentações musicais, com representantes do Festival Brasília Moto Week. A comunidade reforçou a atuação com doações de comida, agasalhos e cobertores.

Entre os participantes do GDF, a Ação Contra o Frio contou com equipes de unidades socioassistenciais, como Unidade de Proteção Social 24 horas, Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Profissionais das secretarias executivas de Cidades e de Educação, policiais e bombeiros militares também apoiaram a iniciativa.

Ainda nesta semana, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) vai abrir mais vagas de acolhimento para serem ofertadas àquelas pessoas que desejarem ir para uma unidade. Paralelamente a isso, o Serviço Especializado de Abordagem Social (Seas) segue nas ruas com 28 equipes realizando o atendimento socioassistencial desse público.

“Agradecemos imensamente aos servidores e à sociedade. O momento exigiu atitudes rápidas, que apenas foram possíveis com o esforço e o empenho desses agentes públicos e da comunidade”, enfatiza Mayara Noronha Rocha.

Como ajudar?

Para colaborar com as pessoas em situação de rua, o cidadão pode entregar cobertores e agasalhos nos dois centros Pop e nas 12 unidades do Creas, bem como em todos os pontos disponibilizados pela Sedes para atendimento ao público.

A secretaria ressalta que doar é um ato pessoal e voluntário e que a intenção é amenizar os efeitos das baixas temperaturas para esse público. “São unidades com atuação direta junto à população em situação de rua. O contato contínuo durante o atendimento vai ser fundamental para que as peças cheguem o mais rapidamente a quem mais precisa”, afirma a secretária de Desenvolvimento Social.

Fonte: Agência Brasília

Um alerta de atenção redobrada para os motoristas e a garantia de reforço na segurança de quem passa a pé. Nesta semana, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do Departamento de Trânsito (Detran), começou a reforçar a iluminação de 759 faixas de pedestres em Brasília.

Lançado nesta terça-feira (24), pelo governador Ibaneis Rocha na estação de metrô em Ceilândia Sul, na QNN 16, o Programa Luz na Faixa vai atender nesta primeira etapa 425 travessias no Plano Piloto e 334 em Ceilândia. As regiões administrativas foram escolhidas por serem, entre as 33, as que concentram o maior número de faixas de pedestres no Distrito Federal.

“As faixas de pedestres são uma marca do Distrito Federal. E temos a obrigação de cuidar delas. Cuidar das faixas é cuidar da população que mais precisa: do pedestre, do ciclista, de quem no trânsito é menos valorizado, infelizmente”, disse o governador ao lembrar do atropelamento de cinco crianças, no final de semana, em Ceilândia, enquanto atravessavam a rua em uma passagem sinalizada.

O programa consiste na instalação de um poste de iluminação com cinco metros de altura, contendo uma luminária em LED de 120W, para as vias com até duas faixas de rolamento. Nas vias com mais de duas faixas de rolamento, serão instalados dois postes da mesma altura, sendo um em cada lado da via.

A potência da luminária representa um ganho de 79,34% em relação à iluminação média produzida pelas lâmpadas de LED de 72W – geralmente utilizadas nos postes de cinco metros de altura em vias públicas.

Com isso, o local da faixa ficará destacado em relação ao restante da via, sendo mais uma forma de alertar o condutor sobre a necessidade de atenção diante da possibilidade de travessia de pedestres. “Esta é uma ação não só de segurança no trânsito, mas também de segurança pública, pois ajudará a reduzir os riscos de criminalidade nestes pontos com o reforço na iluminação”, afirmou o diretor-presidente do Detran-DF, Thiago Gomes Nascimento.

Faixas e pedestres mais visíveis

A iluminação reforçada vai garantir maior visibilidade para os pedestres, mesmo nas calçadas e áreas próximas à faixa, fazendo com que a percepção do condutor seja imediata. Isso trará mais segurança, tanto para quem passa por ela de carro quanto para quem a atravessa a pé.

É o caso da comerciante Maria de Lourdes Pereira da Rocha, 63 anos. Cega do olho esquerdo e com visão limitada no direito, a moradora de Ceilândia circula a pé pela cidade e diz que já quase foi atropelada por não ser bem identificada na hora de atravessar a faixa. “Pra mim que tem restrições, essa luz vai ajudar muito, inclusive para enxergar a faixa e percebê-la mais ‘viva'”, acredita.

O custo de implantação é de R$ 6,6 milhões e tem prazo de execução de nove meses, com possibilidade de antecipação. A expectativa do Detran-DF é que em até quatro anos todas as 4,2 mil faixas de pedestres, em vias urbanas do DF, já estejam iluminadas. O governador Ibaneis Rocha avisou em discurso, no entanto, que quer esse prazo reduzido pela metade.

De janeiro a abril de 2022, foram registradas 14 mortes de pedestres, uma redução de 26,3% em relação ao mesmo período do ano passado, quando 19 pessoas morreram vítimas de atropelamento no Distrito Federal. Se comparada a 2020, essa redução é ainda mais acentuada. Naquele ano, 23 pedestres foram vítimas fatais de acidentes.

Participaram da solenidade em Ceilândia os secretários de Governo, José Humberto Pires, e de Obras, Luciano Carvalho; o presidente da Ceb Holding, Edison Garcia; entre outras autoridades.

Fonte: Agência Brasília

Menos de um dia após abrir o Ginásio Poliesportivo do Centro de Interescolar de Esporte (CIEF) para abrigar pessoas em situação de rua durante o período de baixas temperaturas, o Governo do Distrito Federal (GDF) instalou mais três estruturas emergenciais.

Os novos espaços ficam em Sobradinho (Ginásio de Esportes da Quadra 2 AE 3, ao lado do Centro Olímpico e Paralímpico), Ceilândia (Ginásio Regional do Setor N na QNN 16) e Gama (Estádio Bezerrão) e têm capacidade para cerca de 100 cidadãos. Entre sábado e domingo, todos abrem. A necessidade do funcionamento de cada um vai ser avaliado diariamente.

Chamado de Ação Contra o Frio, o pernoite provisório garante a esse público um local seguro para passarem a noite e se resguardarem dos efeitos da massa de ar polar que chegou durante a semana no DF.

“Pensamos nessa ampliação com vista à descentralização dessa iniciativa emergencial. Muitas pessoas preferem não vir para o Plano Piloto, então, oferecemos outras possibilidades de pernoite a eles”, explica a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

As instalações recém-abertas têm estrutura parecida com a primeira da 907 Sul, com colchões, cobertores, lanche da noite e café da manhã, além de banheiro para uso e higienização. O funcionamento também é o mesmo, das 20h às 8h do dia seguinte.

As equipes de abordagem social de rua intensificaram o trabalho de informar essas pessoas acerca do pernoite. O GDF orienta que todo cidadão pode informar esse público sobre esses locais.

Ao saírem do espaço, as pessoas são orientadas a buscarem os dois Centros Pop e os 14 Restaurantes Comunitários para almoçarem e receberem informações sobre os serviços socioassistenciais.

Essa é uma ação integrada e podem ser abertas novas unidades em outras localidades.

Como ajudar?

Para colaborar com as pessoas em situação de rua, o cidadão pode entregar cobertores e agasalhos nos dois Centros Pop e nas 12 unidades do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), bem como em todos os pontos disponibilizados pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) para atendimento ao público.

A Sedes ressalta que doar é um ato pessoal e voluntário e que a intenção é amenizar os efeitos das baixas temperaturas para esse público. “São unidades com atuação direta junto à população em situação de rua. O contato contínuo durante o atendimento vai ser fundamental para que as peças cheguem o mais rapidamente a quem mais precisa”, afirma Mayara Noronha Rocha.

Confira abaixo os endereços das unidades socioassistenciais.

Centros Pop (funcionam diariamente das 7h às 19h)
– Taguatinga: QNF 24 A/E nº 2. Módulo A
– Brasília: SGAS 903, Conjunto C

Creas (funcionam de segunda a sexta-feira das 8h às 18h)
– Brasília: SGAS 614/615, Lote 104 (L2 Sul)
– Brazlândia: A/E nº 1, lotes K/L
– Ceilândia: QNM 16, AE, Módulo A
– Diversidade: SGAS 614/615, Lote 104 (L2 Sul)
– Estrutural: AE 9 – Setor Central
– Gama: AE 11/13 – Setor Central
– Núcleo Bandeirante: Avenida Central, AE, Lote E
– Planaltina: AE H, Lote 6 – Setor Central
– Samambaia: QN 419, AE 1
– São Sebastião: Quadra 101, AE s/nº, Administração Regional
– Sobradinho: Quadra 6, AE nº 3
– Taguatinga: AE nº 9 – Setor D Sul.

Fonte: Agência Brasília

Os acessos às paradas de ônibus na via W3 Sul agora estão mais seguros e renovados. As fissuras e os buracos nos recuos dos abrigos onde param os coletivos vinham gerando dor de cabeça a passageiros e motoristas. Com o tempo, muitos deterioraram. Em mais uma ação do programa GDF Presente, os pavimentos foram recuperados essa semana.

Os pontos da 716 Sul (em frente ao Setor Hospitalar) – um dos mais movimentados da avenida – e os da 712/713 receberam os serviços executados por uma equipe da Novacap. Feitos de concreto, os recuos receberam um novo pavimento, melhorando a circulação no local. Cerca de 20 toneladas de massa asfáltica foram empregadas.

Estudante de um colégio na Asa Sul e moradora de Santa Maria, Sofia Sardinha, 15 anos, pega o coletivo diariamente na 716. Ela aprovou o serviço e revela que estava preocupada com incidentes. “Tinha alguns buracos aqui no acesso do ônibus e na pista. E passa muito pedestre por aqui. Há o risco de tropeçar”, aponta. “Vai melhorar bem. É um serviço que traz segurança para nós, usuários”, acrescenta.

A empregada doméstica Silvana Nascimento, 60, também pega o ônibus para chegar até a residência onde trabalha, ali na região. Segundo ela, o alagamento incomodava. “Quando chovia, alagava toda a pista em volta da parada, muita poça. A gente se molhava algumas vezes. Além do que, vai facilitar para os ônibus, né?”, aponta a senhora. “O GDF está fazendo a coisa certa”, adianta.

“A via W3 tem um fluxo gigantesco de carros e ônibus, é uma avenida fundamental para a nossa cidade. E a circulação desses veículos, a parada nos abrigos, estavam prejudicadas. Agora, vai ficar ‘no padrão de qualidade’ de novo”, afirma o coordenador do Polo Central II do programa, Alexandro César.

Na opinião da chefe de gabinete da Administração do Plano Piloto, Jeanine Woycicki, tais reformas também contribuirão para a acessibilidade de quem passa por ali. “Esse tipo de intervenção é fundamental, pois mostra o cuidado que temos que ter e zelar, ofertando à nossa população espaços seguros e com acessibilidade”, diz.

A tradicional W3 Sul vem recebendo uma série de benfeitorias do GDF e já ganhou novo visual. Com investimento de R$ 21,7 milhões e geração de 800 postos de trabalho, a reforma do lado comercial da avenida contemplou a melhoria do sistema viário e do fluxo de pessoas, estacionamentos, paisagismo, etc. O projeto foi elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). No momento, o governo investe na execução e reforma das calçadas das quadras 700, que circundam a via. Confira outras ações do GDF Presente:

Fonte: Agência Brasília

Os acessos às paradas de ônibus na via W3 Sul agora estão mais seguros e renovados. As fissuras e os buracos nos recuos dos abrigos onde param os coletivos vinham gerando dor de cabeça a passageiros e motoristas. Com o tempo, muitos deterioraram. Em mais uma ação do programa GDF Presente, os pavimentos foram recuperados essa semana.

Os pontos da 716 Sul (em frente ao Setor Hospitalar) – um dos mais movimentados da avenida – e os da 712/713 receberam os serviços executados por uma equipe da Novacap. Feitos de concreto, os recuos receberam um novo pavimento, melhorando a circulação no local. Cerca de 20 toneladas de massa asfáltica foram empregadas.

Estudante de um colégio na Asa Sul e moradora de Santa Maria, Sofia Sardinha, 15 anos, pega o coletivo diariamente na 716. Ela aprovou o serviço e revela que estava preocupada com incidentes. “Tinha alguns buracos aqui no acesso do ônibus e na pista. E passa muito pedestre por aqui. Há o risco de tropeçar”, aponta. “Vai melhorar bem. É um serviço que traz segurança para nós, usuários”, acrescenta.

A empregada doméstica Silvana Nascimento, 60, também pega o ônibus para chegar até a residência onde trabalha, ali na região. Segundo ela, o alagamento incomodava. “Quando chovia, alagava toda a pista em volta da parada, muita poça. A gente se molhava algumas vezes. Além do que, vai facilitar para os ônibus, né?”, aponta a senhora. “O GDF está fazendo a coisa certa”, adianta.

“A via W3 tem um fluxo gigantesco de carros e ônibus, é uma avenida fundamental para a nossa cidade. E a circulação desses veículos, a parada nos abrigos, estavam prejudicadas. Agora, vai ficar ‘no padrão de qualidade’ de novo”, afirma o coordenador do Polo Central II do programa, Alexandro César.

Na opinião da chefe de gabinete da Administração do Plano Piloto, Jeanine Woycicki, tais reformas também contribuirão para a acessibilidade de quem passa por ali. “Esse tipo de intervenção é fundamental, pois mostra o cuidado que temos que ter e zelar, ofertando à nossa população espaços seguros e com acessibilidade”, diz.

A tradicional W3 Sul vem recebendo uma série de benfeitorias do GDF e já ganhou novo visual. Com investimento de R$ 21,7 milhões e geração de 800 postos de trabalho, a reforma do lado comercial da avenida contemplou a melhoria do sistema viário e do fluxo de pessoas, estacionamentos, paisagismo, etc. O projeto foi elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). No momento, o governo investe na execução e reforma das calçadas das quadras 700, que circundam a via.

Fonte: Agência Brasília

O Museu da Limpeza Urbana recebeu, nesta sexta-feira (20), um estande da empresa Poiato Recicla, especializada no serviço de coleta e reciclagem de bituca de cigarro, utilizando tecnologia desenvolvida e patenteada pela Universidade de Brasília (UnB).

Ao longo desta semana, uma ação conjunta entre o Instituto Lixo Zero Brasil e a Poiato Recicla instalou 100 coletores de bituca de cigarro no Plano Piloto, em locais como os setores comerciais e hospitalares sul e norte.

A ação foi fruto de acordo de cooperação entre a Administração Regional do Plano Piloto com a empresa, situada na cidade de Votorantim, em São Paulo. Funcionários da empresa irão coletar as bitucas de cigarro, que serão transportadas para a cidade do interior de São Paulo. Lá elas serão transformadas em massa celulósica para uso em artesanatos e devolvidas ao DF para serem utilizadas em projetos sociais do Instituto Cultural e Social no setor.

O diretor-presidente do SLU, Silvio Vieira, visitou a exposição, localizada no térreo do Venâncio Shopping, e elogiou a iniciativa. “Essa ação é muito importante, não só para Brasília, mas para o Brasil inteiro. A reciclagem de bituca de cigarro é um processo inovador que está chegando em Brasília e obviamente que o poder público, através do SLU, tinha que dar todo apoio necessário para que eles pudessem se instalar aqui”, declarou.

Para o idealizador do projeto, Marcos Poiato, o trabalho vai muito além da reciclagem. “Essa tecnologia que foi desenvolvida aqui em Brasília, na UnB, foi para São Paulo. Espalhamos para o Brasil inteiro e agora estamos chegando em Brasília de volta. Fazemos também um trabalho de educação ambiental e de interação com o público para orientá-lo. Nosso programa inclui, ainda, trabalho de inclusão social e renda com instituições que recebem a massa reciclada e produzem artesanato e outros produtos”, explicou.

A administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, disse que esse é também um investimento em educação ambiental. “Inicialmente são 100 coletores e depois disso pode ser ampliado, podendo chegar a 250. É um projeto piloto que também trata de educação ambiental. Isso porque é uma instalação que chama a atenção visualmente e, aos poucos, a gente vai condicionando a população de que aquele local é o local adequado para fazer o descarte correto da bituca”, afirmou.

A Poiato Recicla inaugurou a primeira Usina de Reciclagem de Resíduos de Cigarros do Brasil, agregando processo de logística inovador para coletar e transformar bitucas de cigarro em massa celulósica, que é certificada pela ISO 14001.

Participaram da exposição do projeto o vice-presidente do Instituto Lixo Zero, Kadmo Cortês, a professora da UnB que desenvolveu a tecnologia, Therese Hoffman, e a empresária Natália Pacini, que patrocinou o projeto.

Fonte: Agência Brasília

A obra de revitalização da passagem subterrânea da 103/303 Norte, que está em fase de finalização, recebeu visita do governador Ibaneis Rocha, na manhã desta quinta-feira (19/5).

Os serviços incluem a reforma da rede de drenagem de águas pluviais e do piso, a limpeza das paredes e a substituição das lajotas danificadas, de corrimãos e da iluminação convencional por lâmpadas de LED – que oferecem maior visibilidade e são mais econômicas. A Novacap, responsável pelos serviços, também vai corrigir as infiltrações existentes e mudar as rampas de acesso.

Durante a visita, o governador caminhou por toda passagem subterrânea observando os detalhes da reforma do local ao lado da Chefe de Gabinete da Administração, Jeanine Woycicki.

"Hoje estamos entregando para a população um espaço mais seguro, limpo e iluminado, com uma melhor acessibilidade, oferecendo mais cidadania para que as pessoas possam circular livremente e usufruir de tudo que a nossa cidade oferece", disse Jeanine.

As 16 passagens subterrâneas originalmente projetadas no Plano Piloto, fazem parte daqueles espaços exclusivamente pensados para pedestres em Brasília.

“É um meio de passagem dos pedestres. São 16 passagens subterrâneas que temos no Distrito Federal e vamos devolver à comunidade esse meio de travessia. Faz parte de um conjunto de obras que temos feito nas cidades. A gente pede que as pessoas evitem o vandalismo e denunciem os casos para que tenhamos esses espaços preservados”, finalizou o governador Ibaneis Rocha.

Texto: Gabriel Ferraz 

Fotos: Hanna Braga 

O Governo do Distrito Federal (GDF) está reformando as 16 passagens subterrâneas do Plano Piloto. O investimento nas obras é de R$ 2,1 milhões. Nesta quinta-feira (19), o governador Ibaneis Rocha visitou a obra da passagem que liga a 103 à 203 Norte, em fase de finalização.

A da 102 Norte, na altura do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), está finalizada, e atualmente o governo trabalha nas quadras 105 e 107 Norte. Assim seguirá até o final da Asa Norte para, em seguida, iniciar os trabalhos na Asa Sul.

“É um meio de passagem dos pedestres. São 16 passagens subterrâneas que temos no Distrito Federal e vamos devolver à comunidade esse meio de travessia. Faz parte de um conjunto de obras que temos feito nas cidades. A gente pede que as pessoas evitem o vandalismo e denunciem os casos para que tenhamos esses espaços preservados”, afirmou o governador Ibaneis Rocha, ao visitar as obras na 203 Norte.

“É um trabalho de manutenção que está sendo feito, até porque as passarelas fazem parte do patrimônio tombado da cidade. Não podemos fazer grandes modificações sem a aprovação do Iphan”, acrescentou.

Os serviços incluem a reforma da rede de drenagem de águas pluviais e do piso, a limpeza das paredes e a substituição das lajotas danificadas, de corrimãos e da iluminação convencional por lâmpadas de LED – que oferecem maior visibilidade e são mais econômicas. A Novacap, responsável pelos serviços, também vai corrigir as infiltrações existentes e mudar as rampas de acesso.

“Nunca foi feita uma intervenção desse nível nas passagens subterrâneas. Estamos recuperando e limpando as passagens, uma repintura com tinta epóxi, de alta resistência, para durar mais. Revisão da iluminação, das grelhas de água pluvial. Serviços para as pessoas utilizarem as passagens com mais segurança”, disse o diretor de Edificações da Novacap, Rubens de Oliveira.

Construídos a cada duas quadras residenciais, os túneis passam sob os eixos W, L e o Eixão. O vandalismo e a sujeira nas passagens incomodam os usuários, mas quem vê as passagens reformadas se mostra impactado. “Era muito suja essa passagem. Tinha buraco, saco de lixo, era muito feia. Agora ela está linda e maravilhosa, parece uma casa pintada que a gente passa com muito carinho. Eu nunca a vi arrumada”, afirma a zeladora Dalva da Silva, que trabalha há 30 anos na 203 Norte.

A reforma das passagens subterrâneas é mais uma ação de cuidado do governo com as cidades. A reforma das tesourinhas; da W3 Sul; do Setor de Rádio e TV Sul; da Praça do Povo, no Setor Comercial; da Avenida Hélio Prates, em Ceilândia e Taguatinga; da Avenida Principal, no Paranoá; e da Avenida dos Pioneiros, no Gama, são alguns exemplos de recuperação de importantes ruas e equipamentos públicos do Distrito Federal.

A aposentada Erenilda de Jesus Santos, que também passava pelo túnel da 103 Norte, gostou do que viu. “Estava de péssima qualidade, inclusive estava até com medo, mas hoje estou sentindo que mudou a cara do negócio. Essa obra está muito bem-feita. Hoje acredito que posso vir até sozinha, sem estar acompanhada da minha neta. A claridade deixa a gente mais à vontade, e o brilho faz parecer que estamos pisando em um espelho. Está bem arrumadinho”, comenta.

Fonte: Agência Brasília

Fotos: Hanna Braga

Na próxima quarta (25/5), a Codeplan apresenta o diagnóstico demográfico, socioeconômico e domiciliar da população do Plano Piloto, Candangolândia, Cruzeiro e Sudoeste/Octogonal.

O dados são da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD 2021), que revela as características dos moradores, levando em conta a idade, etnia, se possui ou não alguma deficiência, estado civil, aspectos das habitantes e muito mais.

SERVIÇO:

25/5, às 10 horas, na Administração Regional do Plano Piloto (SBN Quadra 2, Bloco K, Asa Norte)

Compareça presencialmente ou acompanhe nas nossas redes: youtube.com/CodeplanOficial

📚 Após a apresentação os relatórios ficam disponíveis no site: pdad2021.codeplan.df.gov.br

Fonte: Codeplan

ASSEMBLEIA GERAL
LISTA TRÍPLICE PARA GERENTE DE CULTURA DO PLANO PILOTO
CONVOCAÇÃO
 
A Comissão Eleitoral do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto convoca a comunidade cultural para a Assembleia de eleição de candidat@s à lista tríplice para o cargo de Gerente de Cultura da Administração Regional do Plano Piloto – RA 1.
 
Data da Assembleia: 04/06/2022 (sábado)
Horário: 15 horas
Canal do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto no Youtube
 
Inscrições de ELEITORES para votar em candidat@s até o dia 02/06/2022, às 20 horas, pelo formulário no link https://forms.gle/yt3M7SRxRUPiqTUj7 e cumprir os seguintes
requisitos:
  1. ser maior de 16 (dezesseis) anos de idade;
  2. morar na Região Administrativa I (Asa Norte, Asa Sul, Setor de Clubes, Setor Militar Urbano, Setor Noroeste, Vila Planalto ou Vila Telebrasília)
  3. integrar algum segmento artístico e cultural
 
 
 
CANDIDAT@S À LISTA TRÍPLICE
 
 
 

NOME ARTÍSTICO

NOME COMPLETO

Dani Monteiro

Danielly dos Santos Fernandes Monteiro

Jessica Waldino

Jessica Waldino dos Santos

KG Produções

Kleiton Guimarães de Araújo Costa

Marcela Rodrigues

Marcela Mendes Rodrigues

Tom Brazil

Tiago Vieira de Paula

Dudu Oliveira

William Nunes de Oliveir

 
 
Fonte: Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto – RA-PP

Casacos, jaquetas, cachecóis, luvas e toucas… É assim que os moradores do Distrito Federal saíram de casa nesta quinta-feira (19), considerado o dia mais frio da história. Os termômetros do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) marcaram mínima de 1,4ºC na estação meteorológica do Gama, devido ao avanço de uma massa polar que atinge o Sul, Sudoeste e Centro-Oeste do Brasil. O recorde anterior ocorreu em julho de 1975, quando o Plano Piloto registrou 1,6ºC.

Para proteger a população em situação de vulnerabilidade, que não possui o vestuário adequado para a queda de temperatura, a Defesa Civil, Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) arrecadam agasalhos, cobertores e roupas em geral. As doações, que serão encaminhadas para moradores de rua, entidades assistenciais, hospitais e albergues, precisam estar em condições de uso e limpas. O cidadão deve colocar os itens em sacolas plásticas, preferencialmente transparentes, e entregar no ponto de coleta mais próximo.

A Defesa Civil e o CBMDF começam a receber doações na próxima segunda-feira (23), com a Campanha Agasalho Solidário 2022. Os itens devem ser levados ao Quartel Operacional do Corpo de Bombeiros, Centro de Capacitação Física e Academia de Bombeiros Militares – localizados no Setor Policial Sul (SPS) – e ao Quartel do Comando Geral, no Setor de Administração Municipal (SAM), Quadra 2. As doações também poderão ser deixadas nos batalhões da corporação localizados nas regiões administrativas. O foco da campanha é a arrecadação de agasalhos e cobertores, mas também estão sendo recebidos lençóis, roupas e calçados.

Distribuição

Antes do início oficial da campanha, na quarta-feira (18) a Defesa Civil, por meio da Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil (Sudec), distribuiu 550 agasalhos e cobertores a pessoas em situação de rua que ficam às margens da pista de ligação L3-L4, Avenida L4, 910 Norte e Rodoviária do Plano Piloto. A entrega foi possível por meio de uma parceria com o Colégio Militar Dom Pedro II (CMDP II) e o CBMDF, que realizou uma campanha de arrecadação dos itens junto aos alunos da escola.

“Distribuímos para as pessoas que mais precisam. Às vezes a pessoa só tem um cobertor velho, é muito difícil. Também vamos aos locais indicados pela própria população”, conta o major Souza, da Defesa Civil. “Quem puder doar, que doe também. Carregue casacos e cobertores no carro para dar a alguém em situação de vulnerabilidade no caminho do trabalho ou de casa”, incentiva.

“A parceria da Segurança Pública ultrapassa as ações de policiamento qualificado para reduções criminais, que seguem em queda. Nossas ações são pensadas também de acordo com a necessidade da população. Com o retorno da Defesa Civil para nossa pasta, vamos intensificar essas ações, sempre que necessário”, ressalta o secretário de Segurança Pública, Júlio Danilo.

Já na terça-feira (17), o comando do Colégio Militar Dom Pedro II deu início à campanha no ambiente escolar e a entrega foi possível já na noite de quarta-feira (18), como explica o comandante do CMDP II, tenente-coronel Thiago John. “Percebemos um engajamento muito grande dos alunos, que aceitaram esse desafio em tão pouco tempo. Havia uma necessidade de os alunos participarem da entrega, mas não seria possível, por conta da logística, pois seria necessário que os pais acompanhassem e não seria possível em tão pouco tempo. Mas podemos pensar numa próxima oportunidade.”

Após a arrecadação junto aos alunos, o comando do CMDPII solicitou à Sudec a entrega do material. “A entrega de agasalhos e cobertores às pessoas que estão em situação de rua é uma das nossas atribuições e tínhamos meios para essa distribuição. Esperamos contar com outras parcerias”, finaliza o subsecretário do Sistema de Defesa Civil, coronel Luciano Maximiano.

A Polícia Militar começou a coleta de agasalhos nesta quinta-feira (19). Quem quiser ajudar o próximo pode entregar os itens nos batalhões da corporação até 17 de junho. A ação é desenvolvida anualmente pelo Centro de Comunicação Social em junho, mas como o frio chegou antes do previsto, a campanha foi antecipada. Os donativos serão encaminhados para moradores de rua, entidades assistenciais, hospitais e albergues.

Proteção redobrada

As baixas temperaturas devem se manter até sábado (21), de acordo com a meteorologista Naiane Araújo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). “O frio intenso continua nesta sexta-feira, mas no sábado as temperaturas devem começar a aumentar gradativamente. No sábado, a mínima é prevista em torno de 5°C e a tarde deve ter máxima de 22°C graus. No domingo, a mínima sobe para 10°C e máxima para 25°C”, explica.

A infectologista Ana Helena Germoglio, da Secretaria de Saúde, alerta que, neste período, o organismo humano desenvolve mecanismos adaptativos para sobreviver à temperatura, como o aumento da produção de muco e a congestão nasal. “O corpo precisa manter o calor para evitar que fique tão frio dentro das vias aéreas. Por isso, muitas pessoas ficam com o nariz escorrendo ou entupido”, afirma.

“A gente pode ajudar o organismo mantendo a hidratação, bebendo bastante água e se agasalhando bem, principalmente as crianças e os idosos”, completa. E, como o frio aumenta a circulação de vírus, a orientação da especialista é evitar aglomerações e manter o uso de máscara de proteção facial.

A doméstica Amanda Kênia, 26 anos, se agasalhou corretamente para ir trabalhar nesta quinta-feira (19). Ela apostou na máscara facial, luvas, touca e um casaco reforçado. “Frio só é bom quando a gente está em casa, quentinho. Tenho nem roupa para isso, gosto mesmo é do calor”, diz.

Já a jornalista Carolina Sales, 34 anos, é apaixonada por temperaturas mais baixas. “Estou adorando esta época. Até comentei com meu esposo que já posso tirar todos os casacos do armário. Acho, inclusive, que as pessoas ficam mais elegantes”, afirma. Mãe de uma menina de 7 anos, ela revela que o único problema é acordar a filha de manhã cedo. “Ela só não foi para a escola de cobertor, mas estava agasalhada da cabeça aos pés”, completa.

Fonte: Agência Brasília

 

Nesta terça-feira (18), acontece em todo país, a campanha nacional que reforça a proteção no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes, intitulada: Maio Laranja. A Secretaria de Justiça e Cidadania (SEJUS) oferece serviços gratuitos, especializados em atendimento às crianças vítimas ou testemunha de violência sexual, por meio do Centro Integrado 18 de Maio, localizado na 307 Sul.

O objetivo do Centro 18 de Maio é garantir a proteção integral de crianças e adolescentes, realizando encaminhamentos diversos a vários serviços públicos como saúde, assistência social, defensoria pública, delegacia de proteção à criança e adolescente, Vara da Infância, promotorias de defesa da infância e juventude, aproximando assim os processos de proteção.

A secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, destaca que o trabalho realizado é fundamental. “ Este Centro oferece um acolhimento humanizado de excelência às nossas crianças e adolescentes, porém, o ideal, é que não haja violação de direitos, abusos e violências. Trabalhamos com a prevenção constante e com o desenvolvimento de políticas públicas para estes espaços não sejam mais necessários”.

A coordenadora do Centro 18 de Maio, Thereza Lamare, ressalta a importância do serviço prestado. “ O Centro Integrado 18 de Maio, tem muita relevância para o Distrito Federal, pois é o único local que faz a escuta especializada, que tem como princípio, a não revitimização de crianças e adolescentes, ou seja, o objetivo é que as crianças e adolescentes que são vítimas, falem o menos possível sobre a violência ocorrida”.

Neste sentido, foi criado o Centro 18 de Maio para fazer o acolhimento das crianças e adolescentes que estão sob suspeita ou vítimas de maus tratos e violência de abuso sexual. Psicólogos, pedagogos, fazem o atendimento de escuta especializada, conforme a lei 13;431.

 

Como funciona o atendimento

A coordenadora do Centro 18 de Maio explica que os agendamentos são feitos geralmente pelo Conselho Tutelar, demandas espontâneas, escolas, Vara da Infância, Delegacia, Ministério Público, entre outros. “Assim que a família chega ela é recepcionada por duas técnicas, uma que vai realizar a escuta especializada e a outra que irá realizar o atendimento psicossocial. Elas fazem uma abordagem inicial para explicar o que é o Centro e os procedimentos que serão realizados. Após este acolhimento inicial, uma especialista convida a mãe, ou o pai, ou o responsável que veio acompanhando para se dirigirem a sala onde será realizado um breve atendimento para compreender o motivo do atendimento.

Geralmente os encaminhamentos são realizados para a delegacia, Ministério Púbico, CRAS/CREAS e os ambulatórios de atenção à saúde as pessoas vítimas de violência sexual, também realizamos encaminhamentos aos CAPS e CAPSi. Os encaminhamentos são realizados para as crianças e adolescentes como também para a família dependendo da situação. Há também encaminhamentos para clínicas escolas em parceria com universidades como UNICEUB, UNIP. Após esta breve entrevista pela criança ou adolescente no momento a abordagem inicial”.

 

Reconhecimento e Premiação

A Policia Civil do Distrito Federal, por meio do Projeto “ Caminho das Flores”, premiou o Centro Integrado 18 de Maio, devido ao serviço de excelência no atendimento a adolescentes vítimas de violência sexual. A unidade é coordenada pela SEJUS.

No final do mês de abril, a Secretaria de Justiça e Cidadania, por meio da Subsecretaria de Políticas para Crianças e Adolescentes, (SUBPCA), também assinou acordo de Cooperação técnica com a Vara da Infância e Juventude para com o objetivo viabilizar intercâmbio de conhecimentos técnicos e a realização de atividades comuns, na proteção dos direitos de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual e suas famílias.

 

Explicação sobre a data 18 de maio

A data foi instituída em homenagem à menina Araceli Cabrera Sánchez Crespo, que, em 18 de maio de 1973, com 8 anos de idade, foi sequestrada, drogada, violentada e assassinada. O crime, ocorrido no Espírito Santo, causou comoção nacional. Na investigação, dois homens de famílias poderosas da sociedade capixaba foram envolvidas e chegaram a ser condenadas em 1980; porém, em 1991, foram absolvidos. A situação motivou o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual de Crianças e Adolescentes a incentivar ações de alerta e conscientização sobre o tema, em todo no Brasil.

 

Serviço:

Centro 18 de Maio: É um espaço mantido pela Secretaria de Justiça e Cidadania do DF, para atender de forma integrada e humanizada as crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. O centro reúne assistentes sociais, pedagogos e psicólogos capacitados no atendimento e na escuta especializada de modo a evitar revitimização durante os relatos de violência. No local também é feito o encaminhamento em relação às medidas de proteção às vítimas e de responsabilização dos agressores.

Onde fica: SHCS EQS 307/308
Telefone: (61)-3391-1043

Celular: (61) 991557-6065 (8h às 20h)

Atendimento Presencial: (12h30 às 18h30)

 

Lançamento da Cartilha

A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) divulga nesta terça-feira (18) a cartilha virtual “Diálogo: o caminho da prevenção!”, com informações e dicas para as famílias conversarem com as crianças e adolescentes sobre a violência sexual.

Para acesso à cartilha em PDF (Clique AQUI)

Fonte: Sejus

Vídeo: Ascom/RA-PP

Convidamos vocês para a nova turma do curso virtual gratuito de formação para lideranças, prefeitos/as comunitários/as e moradores com interesse em criar novas associações.                       
Os objetivos deste projeto são: mobilizar e conectar comunidades; estimular a ativação ou reativação de prefeituras comunitárias; mapear e realizar conexões com quadras já ativas e com outras variadas iniciativas sustentáveis e transformadoras do DF.                     
O lançamento da próxima turma será nessa quinta-feira, 19 de maio de 2022 às 19:00 horas pelo aplicativo Zoom.                                    
As inscrições estão abertas no seguinte formulário:

https://bit.ly/FormaçãoParaLideranças

Para mais informações, entre em contato por e-mail: conselhocomunitariodaasanorte@gmail.com                          

Realização: Administração do Plano Piloto em parceria com o Conselho Comunitário da Asa Norte. Facilitador: Jeann Cunha, Prefeito Comunitário da 105 norte.

Chegou a vez das cidades conhecerem um pouco mais da sua população. Após a divulgação da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) 2021, da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), no último dia 9, no Palácio do Buriti, com a presença do governador Ibaneis Rocha, chegou a vez de cada uma das 33 regiões administrativas se informar sobre as características dos moradores, como idade, etnia, se possui ou não alguma deficiência, estado civil, aspectos das habitantes (dados separados das mulheres), entre outras. Além de características dos domicílios, entre os quais arranjos familiares, infraestrutura, atributos internos do lar, animais e indicadores sociais.

A partir desta quarta-feira (18), a Codeplan iniciará um ciclo de apresentações do raio-x das regiões do Distrito Federal. Serão sete encontros por Unidade de Planejamento Territorial (UPT), sendo uma por semana. As UPTs são subdivididas em Central (Plano Piloto, Candangolândia, Cruzeiro e Sudoeste/Octogonal), Central Adjacente 1 (Lago Norte, Lago Sul, Park Way e Varjão), Central Adjacente 2 (Águas Claras, Guará, Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo, SCIA-Estrutural, SAI, Vicente Pires e Arniqueira), Oeste (Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, Taguatinga e Sol Nascente/Pôr do Sol), Sul (Gama, Recanto das Emas, Riacho Fundo II e Santa Maria), Leste (Itapoã, Jardim Botânico, Paranoá e São Sebastião) e Norte (Fercal, Planaltina, Sobradinho e Sobradinho II).

A primeira apresentação da Pdad 2021 será às 10h, desta quarta-feira (18), na Administração Regional do Lago Sul, localizada na QI 11. Ela está inserida na UPT Central Adjacente 1, composta ainda pelas cidades do Lago Norte, Lago Sul, Park Way e Varjão.

Levantamento

Realizada a cada dois anos, a Pdad é a fonte principal de informação para a gestão governamental subsidiar políticas públicas eficazes. O estudo traz um diagnóstico completo de Brasília, tratando de temas para fornecer um retrato socioeconômico de suas 33 regiões administrativas.

Na edição de 2021, a pesquisa visitou mais de 30 mil domicílios, sua grande maioria em áreas urbanas, a fim de investigar aspectos demográficos, de migração, condições socioeconômicas, situações de trabalho e renda, entre outros, de modo a oferecer um amplo diagnóstico das atuais circunstâncias da cidade.

Como novidade, o estudo trouxe o questionário de identidade de gênero e orientação sexual para maiores de 18 anos, a existência de animais domésticos nos domicílios e questões relacionadas à insegurança alimentar.

Fonte: Agência Brasília

A Sedec, tendo como princípio norteador o Marco de Sendai, formulou o Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil, aprovado por meio da Portaria nº 2.457, de 16 de Setembro de 2020, estabelecendo uma base contínua de capacitações entre os anos de 2019-2023.

Esse horizonte, de cinco anos, permite que o plano seja revisado e ampliado e, ao mesmo tempo, fortaleça os mecanismos de capacitação propostos, ampliando o uso de tecnologias e plataformas de Ensino à Distância (EaD), formando e capacitando agentes de proteção e defesa civil, além de celebrar acordos de cooperação com instituições de ensino e pesquisa.

Defesa Civil somos todos nós!

Fonte: Divulgação/MDR

A Comissão instituída para formação da Lista Tríplice para nomeação de Gerente de Cultura, Esporte e Lazer da Região Administrativa do Plano Piloto – RA PP, torna público o resultado final de HABILITAÇÃO de candidaturas, conforme edital nº 01/2022, do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto – RA-PP.

Confira a lista dos candidatos habilitados aqui: Resultado final de HABILITAÇÃO para a lista tríplice.docx

Fonte: Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto – RA-PP

Uma festa promovida com a integração de vários órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF) celebrou na manhã desta segunda-feira (16), no pátio do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), na Asa Sul, o Dia do Gari. Shows musicais, lanches, cortes de cabelo, vacinação, consultas e outros serviços públicos foram oferecidos aos cerca de 4,6 mil servidores que diariamente cuidam da limpeza das cidades, seja na varrição, nos caminhões ou no apoio. Participaram do evento mais de 3 mil garis do DF.

Presente na festa, o governador Ibaneis Rocha circulou entre os garis e os cumprimentou pelo trabalho prestado em prol da organização do Plano Piloto e das outras 32 regiões administrativas. “São essas pessoas que fazem das cidades do Distrito Federal umas das mais limpas do país. Que nós possamos ver, a cada dia mais, o que é feito por todas elas nas ruas da nossa capital”, afirmou Ibaneis Rocha.

Se na tenda central eram feitas as apresentações com música e dança, ao redor os servidores recebiam atendimentos da Secretaria de Saúde com vacinação contra covid-19, influenza e sarampo. Avaliação de catarata e testes rápidos de HIV, sífilis e hepatite também eram oferecidos, além de massagens, cortes de cabelo masculino e limpeza de pele. Tudo de graça.

A Carreta de Mulher também estava disponível para orientações e encaminhamentos contra a violência doméstica. Até o meio da manhã, o posto móvel do Na Hora disponibilizado aos garis já havia feito pelo menos 50 atendimentos entre consultas à Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Neoenergia, agendamento para retirada do RG e cadastramento único nos programas assistenciais do governo.

“É o cuidado com essa categoria que não parou nem um dia na pandemia para manter a limpeza e, consequentemente, promover saúde para toda a população”, declarou o diretor-presidente do SLU, Silvio de Morais.

Ponto facultativo

E a partir de agora, 16 de maio, Dia do Gari, passa a ser ponto facultativo para os servidores do SLU. O ato foi instituído em um decreto assinado pelo governador Ibaneis Rocha durante a festa desta segunda-feira.

Com quase dez anos de SLU, a gari Rosiley Fernandes, 41 anos, se disse orgulhosa do que faz e grata com tudo que vem aprendendo na profissão. Formada em psicologia e aguardando ser chamada em um novo concurso, ela conta que aprendeu nessa última década a ser uma pessoa melhor e tratar bem o próximo. “Trabalhar como gari me abriu diversas portas e é essa gratidão da profissão que levo comigo”, afirmou.

Acompanharam o governador no evento, os secretários de Governo, José Humberto Pires; de Meio Ambiente, Sarney Filho; a deputada federal Celina Leão; e a ex-ministra e também deputada federal Flávia Arruda. “Sinto-me feliz em estar nesta festa feita para quem tanto faz por nós, todos os dias, transformando e fazendo a diferença nas nossas cidades”, concluiu a parlamentar.

Fonte: Agência Brasília 

As obras dos dois viadutos da Estrada Setor Policial Militar (ESPM), no fim da Asa Sul, atingiram 80% de execução em abril. As equipes estão trabalhando para entregar a construção no segundo semestre deste ano, conforme previsão da Secretaria de Obras e Infraestrutura.

Segundo o subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização da pasta, Ricardo Terenzi, as obras entraram na fase final dos serviços. “A laje dos viadutos será concretada ainda em maio. Ao mesmo tempo, estão sendo feitos os serviços de drenagem e terraplenagem das vias”, afirma.

De acordo com Terenzi, os novos viadutos devem aliviar o trânsito na região, sobretudo nos horários de pico. Mais de 20 mil motoristas trafegam no local diariamente.

No projeto, os viadutos são identificados como 62 e 63. O 62 ficará na alça de acesso da ESPM ao Eixo W, conhecido como “eixinho de cima”, com 8 m de altura, 33 m de comprimento e 19 m de largura. Já o outro viaduto, nomeado 63, localizado na alça de acesso ao Eixo Rodoviário Leste (ERL), sentido L4, também terá 8 m de altura, 29 m de comprimento e 15 m de largura. Cada um deles terá duas faixas de rolamento.

Atualmente, no viaduto 63, ocorre o fechamento das formas e preparação para concretagem das vigas, enquanto o viaduto 62 já chegou à fase da concretagem dos guarda-rodas (barreiras modulares de concreto usadas para separar faixas de tráfego). O engenheiro da construção, Gabriel Cardoso, explica a ordem dos serviços para a conclusão da obra:

“No 63, depois da concretagem das vigas, vem a concretagem dos guarda-rodas, que é a fase atual do 62. Posteriormente, vamos fazer a concretagem das lajes de transição dos viadutos, terraplanagem para implantação do pavimento rígido e pavimentação das vias. Quando chegarem a essa parte, as obras já estarão praticamente prontas para o trânsito”.

As obras mobilizaram R$ 9,1 milhões de investimento. O objetivo é aumentar a mobilidade urbana do Distrito Federal e integrar o Corredor Eixo Oeste, que interliga o Sol Nascente ao Plano Piloto. Foram gerados cerca de 150 empregos diretos e indiretos.

Um dos contratados foi o maranhense Elis Antônio, 29 anos, que veio ao DF para trabalhar como carpinteiro, em dezembro do ano passado. Ele estava desempregado e foi convidado a fazer parte da equipe. “Aqui, faço tudo relacionado a carpintaria e ajudo no que mais precisar”, conta. “É muito trabalho, mas acho que os viadutos vão ficar muito bons”.

José Antonio Irmão, 61 anos, nasceu em Recife (PE) e também chegou à capital federal exclusivamente para trabalhar nas obras da ESPM. Chefe da equipe de ferragens, composta por ele e mais oito pessoas, José acumula 28 anos de experiência por todo o Brasil. Já passou por São Paulo, Minas Gerais, Sergipe e Bahia. Para ele, os viadutos do DF vão melhorar o tráfego local: “Todos os dias, no final da tarde, tem engarrafamento por aqui. É um trânsito bem pesado, em todos os sentidos, e os viadutos vão ajudar a diminuir isso”.

Recuperação da via

Além da construção dos dois viadutos, a Secretaria de Obras e Infraestrutura encomendou a recuperação da ESPM. O contrato, no valor de R$ 47,9 milhões, prevê a execução de pavimentação, drenagem, sinalização, paisagismo, calçadas, ciclovias e bacia de detenção. A obra deve chegar à etapa final no primeiro semestre de 2023.

Fonte: Agência Brasília

A Comissão instituída para formação da Lista Tríplice para nomeação de Gerente de Cultura, Esporte e Lazer da Região Administrativa do Plano Piloto – RA PP, torna público o resultado provisório de HABILITAÇÃO de candidaturas, conforme edital nº 01/2022, do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto – RA-PP.

Ao resultado da habilitação cabe recurso que deve ser enviado ao e-mail do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto: crcplanopiloto@gmail.com até às 23h59 do dia 13 de maio de 2022.

Confira a lista dos candidatos habilitados aqui: Resultado HABILITAÇÃO Lista Tríplice Gerência de Cultura RA I.docx

Fonte: Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto – RA-PP

Já tem data marcada a terceira edição deste ano do Casamento Comunitário, programa desenvolvido pela Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus). A cerimônia será realizada em 19 de junho, conforme cronograma divulgado esta segunda-feira (9) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

As inscrições estão abertas até a próxima quinta-feira (12), de forma presencial. Os casais deverão entregar a documentação no posto do Na Hora da Rodoviária do Plano Piloto ou na Praça dos Direitos da QNN 13, em Ceilândia Norte.

Assim como nas outras edições, 30 casais terão a oportunidade de formalizar sua união. No entanto, o número de inscrições poderá chegar a 50, obedecendo a critérios de formação de um cadastro reserva, para o caso de desistência ou anulação do processo seletivo de casais inscritos. Além da inscrição, as etapas para o processo seletivo são análise das documentações, participação no encontro preparatório e cerimônia de casamento.

Desde 2020, o programa já promoveu a união de 228 casais do DF. “O Casamento Comunitário é uma política pública de cuidado e fortalecimento da família”, afirma o secretário de Justiça e Cidadania, Jaime Santana. “Com o apoio de voluntários e parceiros, proporcionamos aos casais a realização de uma cerimônia gratuita e completa, com trajes, decoração, música e outros itens que fazem parte desse momento tão especial”.

O principal objetivo do programa de governo é estimular o direito à convivência familiar e garantir os direitos civis da família, como núcleo social básico de acolhimento, convívio, autonomia, sustentabilidade e protagonismo social.

Documentos necessários

→ Original da Carteira de Identidade (RG) ou da Carteira Nacional de Habilitação (CNH);
→ Se a pessoa for solteira, original da Certidão de Nascimento; se divorciada, Certidão de Casamento com averbação do divórcio, formal de partilha contendo a petição inicial, a sentença e o trânsito em julgado e cópia da Certidão de Nascimento ou documento com o nome do cartório de registro de nascimento, número do livro e folhas;
→ Se viúvo, Certidão de Casamento com a pessoa falecida, Certidão de Óbito da pessoa falecida, formal de partilha contendo a petição inicial, a sentença e o trânsito em julgado e cópia da Certidão de Nascimento. Caso a pessoa divorciada ou viúva não tenha promovido a partilha de bens, deverá se casar pelo regime de separação legal de bens, de acordo com o Código Civil;
→ Original do Cadastro de Pessoa Física (CPF);
→ Comprovante de residência original do último mês de referência no nome do noivo e da noiva, ou declaração de residência de próprio punho;
→ Declaração de Hipossuficiência de Renda, nos moldes do Anexo I do edital;
→ Declaração de Veracidade dos Documentos Registro Digital (Anexo II do edital);
→ As testemunhas deverão apresentar cópia e original de RG, CPF, Certidão de Nascimento (se forem casadas) e Certidão de Casamento com averbação de divórcio (se forem divorciadas). As testemunhas que se farão presentes no cartório não serão as mesmas do dia da cerimônia.

3º Casamento Comunitário 2022
Inscrições desta segunda-feira (9) a quinta (12), das 9h às 17h, no posto do Na Hora da Rodoviária do Plano Piloto e na Praça dos Direitos da QNN 13 – Ceilândia Norte.

Fonte: Agência Brasília 

O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), lançou nesta segunda-feira (9) um amplo diagnóstico da sociedade brasiliense. Por um período de dois anos e ouvindo cerca de 86 mil pessoas, a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) 2021 traça as necessidades, anseios e comportamentos da população de Brasília, seja no Plano Piloto ou nas outras 32 regiões administrativas.

O relatório conta com uma seção de resultados, dividida em dois conjuntos de informações. O primeiro aborda as características demográficas dos moradores, como migração, saúde, educação, trabalho e renda. Já o segundo trata dos atributos domiciliares, com dados sobre a infraestrutura dos domicílios e em suas proximidades, os serviços domiciliares e o inventário de bens, os locais predominantes de compras, a existência de animais domésticos e situações de insegurança alimentar.

“Ninguém desenvolve políticas públicas se não tiver dados precisos. Então, a melhor maneira de não errar é sendo balizado por uma coleta perfeita de dados que sinalize quais as demandas e anseios da população”, afirmou o governador Ibaneis Rocha, presente no lançamento da pesquisa, no Salão Branco do Palácio do Buriti.

Estima-se que, atualmente, o DF tenha 3.010.881 habitantes, com renda média renda domiciliar de R$ 6.329,14. Desses, 57,4% se autodeclaram negros, 18,5% possuem algum tipo de deficiência e 46,5% são casados. Quando se trata de educação, 36,3% dos habitantes possuem ensino superior completo e 69,6% estudam em instituições públicas de ensino.

Somente nesta gestão, a Codeplan saltou de um investimento de R$ 300 mil, no começo de 2019, para R$ 6,2 milhões, em 2022. O DF é o único ente federativo, por meio da Codeplan, a produzir um levantamento mensal da taxa de emprego e desemprego no país.

“A proposta do governo é transformar a companhia em um instituto, assim como já é o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)”, adiantou o presidente da empresa, Jean Lima.

Gays e pets

Além das questões tradicionais, a pesquisa trouxe um novo questionário sobre gênero e apontou que 3,8% da população se declara LGBTQIA+. Outra novidade é a inclusão dos pets nesta edição da pesquisa. Das casas entrevistadas, 11,1% têm gatos, 41,9% cachorros, 5 % aves e 2,3% peixes.

Os carros dominam como o principal meio de locomoção dos brasilienses: 62,7% possuem Carteira Nacional de Habilitação e 38,1% utilizam ônibus para chegar ao trabalho – uma porcentagem menor que a dos que se deslocam de carro, que é 52,5%.

A Pdad apontou que 40,7% trabalham no Plano Piloto e 40,4% trabalham na RA de sua residência. A População Economicamente Ativa (PEA) do DF é de 58,9% e somente 32,5% usufruem de plano de saúde privado. “A pesquisa é imprescindível para a boa gestão das nossas cidades ao trazer um raio-x dos problemas e subsidiar as nossas ações, fortalecendo as políticas públicas voltadas ao cidadão”, afirmou o administrador da Candangolândia, Pablo Valente.

Em Brasília, 15% da população vive sozinha, 13,7% são casas com mães solteiras; 23,6% são de casais sem filhos; e 34,5% de casais com filhos. Desses lares, 99,0% possuem acesso à internet; 40,4% contam com TV por assinatura, número inferior aos lares que possuem serviços de streaming (61,6%). Do total da população, 21,6% usufruem de serviços domésticos prestados por diárias ou mensalistas.

Participaram do lançamento da Pdad, além do governador e do presidente da Codeplan, o secretário de Governo José Humberto Pires e os deputados distritais Agaciel Maia e Fernando Fernandes, entre outras autoridades políticas do DF.

Por: Agência Brasília

Nesta sexta-feira (6), a Administração Regional do Plano Piloto divulgou em suas redes sociais a ação digital Mães Monumentais em homenagem ao Dia das Mães, a ser comemorado no domingo (8). A iniciativa associa os monumentos de Brasília com características maternais.

As artes têm feito sucesso nas redes e os internautas têm pedido mais monumentos. A equipe de comunicação da administração do Plano Piloto, responsável pela criação das artes, anunciou que mais cards serão divulgados amanhã.

“A minha mãe é a Rodoviária”, comentou Victor Maia, na postagem no Instagram. O card da Rodoviária é acompanhado dos dizeres: “Mãe Rodoviária – Um coração tão grande que sempre cabe mais um”. Já a internauta Daniela Luciana comenta: “Me sinto a mãe Memorial JK e queria ser mais a Cine Brasília. Amei o post! ” A mãe Memorial JK é descrita como a “mamãe que lembra de tudo! Inclusive, você já lavou a louça? “. Já a mãe Cine Brasília é aquela que está “sempre por dentro do que acontece na telinha e na telona! Supercult ela”.

Ilka Teodoro, a administradora regional do Plano Piloto, comentou que “amou a brincadeira” e se sente um misto das mães Torre de TV, UnB, Rodoviária do Plano Piloto e Memorial JK. Para conhecer como é o perfil de cada mãe monumental e saber que mãe é você ou com qual monumento a sua mãe se parece, basta acessar as redes da administração (Instagram e Facebook).

A Quadra 6 do Setor Comercial Sul (SCS) do Plano Piloto, que fica em frente à W3 Sul, será reformada após decisão do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan). O colegiado aprovou, por unanimidade, em reunião virtual nesta quinta-feira (5), o projeto de requalificação do local, elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh).

A proposta prevê a instalação de um novo padrão de calçadas, com elementos de acessibilidade, melhorias de rampas e travessias de pedestres. Também serão reorganizadas as vagas de estacionamento e criadas áreas de convívio em espaços onde atualmente circulam muitas pessoas, como quiosques e paradas de ônibus.

O projeto contempla a instalação de sombreiros metálicos semelhantes aos da Praça do Povo, estabelecendo um elemento de referência e identificação no SCS, além de garantir mais sombra durante o dia e iluminação à noite perto dos pontos de ônibus, favorecendo a permanência das pessoas.

A iniciativa ainda prevê canteiros verdes ao longo dos principais percursos de pedestres e a implantação de piso tátil e vagas de bicicleta nos locais de espera. Outro ponto importante é a qualificação das paradas de ônibus, com a implantação de bancos e lixeiras, permitindo que um número maior de pessoas possa aguardar o transporte coletivo com mais conforto.

“A ideia desse projeto é aprimorar ainda mais as intervenções que já estão sendo feitas no Setor Comercial Sul, para garantir mais acessibilidade e as melhorias previstas no Plano Diretor de Ordenamento Territorial [Pdot]”, informou o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira.

De acordo com o subsecretário de Projetos e Licenciamento de Infraestrutura, Vitor Recondo, requalificar a Quadra 6 é importante para beneficiar uma área que possui grande circulação de pessoas. “Aquele trecho, depois da rodoviária, é um dos pontos mais movimentados do Plano Piloto, pois dali partem ônibus inclusive para o Entorno. Então, precisamos qualificar aquele espaço”, ressaltou.

Relatora do projeto no Conplan, a conselheira e representante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU-UnB) Gabriela Tenório parabenizou a Seduh pela iniciativa de requalificar as áreas públicas de Brasília. “Que a equipe de técnicos da Seduh possa ser estimulada a desenhar mais mobiliário urbano com essas características”, disse.

O projeto será concluído com a incorporação das sugestões e recomendações dos conselheiros. Depois, vai ser enviado para a Secretaria de Obras, que será responsável pela elaboração dos projetos complementares e orçamento das obras.

Parcelamento

O Conplan também aprovou o parcelamento urbano do solo Residencial Fazenda Santa Maria, área prevista no Pdot de 2009 e localizada no Setor Habitacional Meireles, na região administrativa de Santa Maria.

O terreno possui 45,89 hectares, área em que serão criados 17 lotes de uso residencial, comercial e de serviços. A expectativa é que o local receba até 11.013 habitantes.

Fonte: Agência Brasília

Flores, plantas, artesanatos e diversos outros itens serão oferecidos na Feira Rural no Parque, que ocorre neste domingo (8), em edição especial, com produtos voltados para o Dia das Mães. Além de poder comprar um presente artesanal, feito com muito carinho, o visitante vai ter contato direto com quem produziu e estará contribuindo com a agricultura do Distrito Federal. A feira será realizada no Estacionamento 10 do Parque da Cidade, entre 9h e 14h.

Alimentos como geleias, café artesanal, cogumelos, pães, pimentas, condimentos, biscoitos, frutas e verduras também serão comercializados no espaço. A Feira Rural no Parque é realizada a cada 15 dias e vem atraindo cada vez mais a participação de produtores e dos frequentadores do parque, que vão ao local em busca de esporte e lazer.

Para a presidente da Emater-DF, Denise Fonseca, espaços de comercialização como esse do Parque da Cidade contribuem para o desenvolvimento da agricultura local e geram emprego e renda para o campo. “Além de comprar um produto de qualidade a preço justo para quem compra e para quem produz, o consumidor ainda ajuda no fortalecimento da agricultura do Distrito Federal”, destaca.

A realização da feira é resultado de parceria entre a Emater-DF e o Parque da Cidade, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer.

Serviço:

Feira Rural no Parque
Data: 8/5 (domingo)
Horário: das 9h às 14h
Local: Estacionamento 10 do Parque da Cidade

Fonte: Agência Brasília

Os dados são alarmantes. Mais de 96% dos focos de doenças epidêmicas como dengue, chikungunya, zika e febre amarela estão dentro de casa. Por isso, todo cuidado é pouco. O perigo de contaminação pode estar ao lado, mais perto do que se imagina. Assim, o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor dessas enfermidades, é um dever de todos. E o GDF tem feito sua parte.

Atualmente, mais de 1,2 mil agentes da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) – ligada à Subsecretaria de Vigilância em Saúde, da Secretaria de Saúde (SES) – estão nas ruas das 33 regiões administrativas, fazendo visitas domiciliares, levantamento de índices de inspeção (controle da presença de recipientes com larvas transmissíveis) e borrifação, com o uso de mais de 20 caminhonetes UBV, veículos adaptados com bombas pulverizadoras de inseticida contra o Aedes aegypti.

“Ampliamos nossa capacidade de visitas domiciliares e cobertura com o fumacê, melhorando, e muito, o atendimento à população com as instalações das tendas nos hospitais”, comenta o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero. “E por que fazemos isso? Para que o indivíduo que chegue com sinais e sintomas seja imediatamente tratado para não evoluir para um quadro mais grave.”

Contudo, de nada adiantam todas essas medidas de prevenção contra a dengue sem a participação ativa da população. Daí a importância de seguir à risca as recomendações e dicas no combate ao mosquito. “O povo esclarecido é a melhor ferramenta”, lembra o subsecretário. “É imperativo que a gente faça um trabalho de saúde pública com todo mundo, inclusive com o público, com a participação da sociedade”.

Sempre é bom lembrar: nada de pneus, vasilhames ou qualquer tipo de recipientes com água nos quintais, que são verdadeiras maternidades para o Aedes aegypti. Para se ter ideia do risco, um mosquito fêmea grávida desova 350 ovos por vez. “O mosquito desova tanto numa caixa-d’água quanto numa tampa de garrafa”, alerta Divino Valero. “Hoje o mosquito desova até em fossa asséptica”.

Dicas importantes

→ Nas residências horizontais, como casas, é importante observar o quintal para que não haja nenhum tipo de recipiente com água parada;

→ Cantinhos escuros, como salas de TV e quartos, são visados pelos mosquitos, que sofrem de fotofobia – têm sensibilidade à luz – e buscam esses lugares para se esconder. O ideal é arejar o ambiente, abrindo janelas e cortinas;

→ Também é recomendável pulverizar repelentes no ar, além de bater toalhas atrás de móveis e cortinas, deixando que a luz tome conta do espaço;

→ Em casas acortinadas, é aconselhável, todas as manhãs, abrir as cortinas para deixar a luz solar entrar;

→ Se você mora em apartamento, a primeira coisa a fazer é observar, junto ao zelador e o síndico, todos os espaços que podem servir de criadouros do mosquito da dengue – fosso do elevador, área de jardim, pérgulas. Não deixe que águas fiquem empoçadas após lavar calçadas e pisos, e nada de plantas aquáticas;

→ Se você mora em chácara, fique atento às cisternas e fossas e observe todo o terreno baldio, verificando se não há lixo que acumule água;

→ Quem tem fossa asséptica deve tampar com uma tela a boca do cano, evitando que os mosquitos se reproduzam no local;

→Informe às inspetorias de saúde de cada região administrativa sobre vizinhos que tenham abandonado a casa, ou estejam viajando, e tenham deixado sem os devidos cuidados espaços como piscinas, lotes e jardins;

→ Em caso de sintomas como febre, dores abdominais ou dores atrás dos olhos, o recomendável é procurar, imediatamente, qualquer unidade básica de saúde (UBS).

Fonte: Agência Brasília

Nesta sexta-feira, 6/5, a Administração Regional do Plano Piloto divulgou em suas redes sociais a Ação Digital “Mães Monumentais” em homenagem ao Dia das Mães, a ser comemorado nesse domingo, 8/5. A iniciativa associa os monumentos de Brasília com características maternais. 
Para conferir a ação acesse @admplanopiloto no Instagram e Facebook. As artes têm feito sucesso nas redes e os internautas tem pedido mais monumentos. A equipe de comunicação da Administração do Plano Piloto, responsável pela criação das artes, anunciou que mais cards serão divulgados amanhã.

“A minha mãe é a Rodoviária”, comentou Victor Maia, na postagem no Instagram. O card da Rodoviária é acompanhado dos dizeres: “Mãe Rodoviária – Um coração tão grande que sempre cabe mais um”. Já a internauta Daniela Luciana comenta: “Me sinto a mãe Memorial JK e queria ser mais a Cine Brasília. Amei o post! ” A mãe Memorial JK é descrita como a “mamãe que lembra de tudo! Inclusive, você já lavou a louça? ”. Já a mãe Cine Brasília é aquela que está “sempre por dentro do que acontece na telinha e na telona! Super cult ela”.

Ilka Teodoro, a Administradora Regional do Plano Piloto, comentou que “amou a brincadeira” e se sente um misto das mães Torre de TV, UnB, Rodoviária do Plano Piloto e Memorial JK. Para conhecer como é o perfil de cada mãe monumental e saber que mãe é você ou com qual monumento a sua mãe se parece, basta acessar as redes da Administração Regional (@admplanopiloto).

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Administração do Plano Piloto (@admplanopiloto)

 

 

 

Arte dos Cards: Îagûara Flor – ASCOM/RA-PP

Texto: Ramíla Moura – ASCOM/RA-PP

Legenda das artes:  Hanna Braga – ASCOM/RA-PP

Um dos pontos mais emblemáticos de Brasília, a Praça do Cruzeiro, localizada estrategicamente no Eixo Monumental, está de cara nova. Graças à atuação do GDF Presente, o espaço foi limpo, pintado e teve recuperado um trecho de asfalto que estava esburacado.

E isso não foi tudo. O matinho saliente que se esgueirava por entre as pedras portuguesas de boa parte da calçada foi todo arrancado e os serviços de capina e varrição efetuados com rigor. Para que o local pudesse ser revigorado, uma equipe de 50 pessoas foi mobilizada desde segunda-feira (2).

“Todo ano a gente faz o trabalho de zeladoria desse local que foi o marco da primeira missa celebrada aqui em Brasília”, explica o coordenador do Polo Central III, Alexandro César. “Ali é um ponto turístico muito frequentado por várias tribos, principalmente nos finais de semanas, quando as pessoas se reúnem para ver o pôr do sol, encontrar os amigos… Então precisa, claro, estar bem cuidado e bonito, e esse é o nosso serviço”, reforça o servidor.

Dez reeducandos da Secretaria de Administração Penitenciária (Seape), assim como servidores do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e da Novacap, participaram da operação, finalizada nesta quarta-feira (4).

Para ajudar na limpeza da ampla área física, um caminhão de hidrojato foi utilizado na ação, com a força da água jorrando também no simbólico crematório de velas. “Aqui é um lugar de lazer, ponto de encontro da galera, mas também de fé”, explica o estudante de Economia e entusiasta do pedal, Alex Ribeiro Venturini, 27 anos. “Sempre passo aqui de bike. É um lugar bonito, com uma bela vista”, conta.

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, a manutenção do espaço é vital por sua localização singular na capital do país. “O pôr do sol na Praça do Cruzeiro está entre os mais lindos da cidade, muito prestigiado pela comunidade e fica no coração da cidade”, observa. “Então, levar a melhoria a espaços públicos como esse é importante para o interesse coletivo”, salienta.

 

As obras de ampliação da bacia de contenção do Parque da Cidade, na área da 912/913 Sul, foram concluídas. Com o término dos trabalhos, o reservatório teve a capacidade ampliada para 200 mil m³ – antes o volume era de 100 mil m³. O investimento foi de R$ 2,4 milhões.

A intervenção consistiu na escavação de 113.717,71 m³, execução de 570,26 m² de área de gabiões (espécie de muro flexível e drenante, que ajuda a  evitar desabamentos) e plantação de 5.073,82 m² de área de grama. Também foram incluídas 289 unidades de cerca viva plantada.

A obra está associada à construção do viaduto da Estrada Parque e Indústrias Gráficas (Epig) e tem o objetivo de aumentar a capacidade da bacia atendendo o sistema de drenagem do Sudoeste, do Setor de Indústrias Gráficas (SIG) e do final da Asa Sul, das quadras 13 a 16.

“Essa obra foi uma exigência do Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] para que fosse possível tirar do papel o viaduto da Epig. Era necessário ampliar o sistema da rede de drenagem. Foi a ampliação da capacidade da lagoa”, explica o secretário de Obras, Luciano Carvalho.

Os serviços foram executados pela TVA Construção Eireli. Ao todo, foram gerados 50 empregos diretos.

As obras integram o projeto do Corredor Eixo Oeste, que prevê o alargamento de pistas e a construção de faixas exclusivas nas principais vias de ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, como a Avenida Hélio Prates, a Epig e a Estrada Parque Polícia Militar (ESPM), que leva ao Terminal da Asa Sul.

Fonte: Agência Brasília

Quem está planejando adotar um novo amigo pode procurar a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) de Zoonoses do Distrito Federal. Mais de 30 animais estão à espera de um novo tutor, para distribuir carinho e lambidas. São 14 cães e 19 gatos que chegaram ao órgão entre setembro de 2021 e março deste ano por determinação judicial devido a maus-tratos, ou por vínculo epidemiológico, em que há suspeita de oferecer risco à saúde pública. A Zoonoses só recebe animais por meio dessas duas formas, já que não atua como abrigo e não recolhe animais nas ruas. Segundo o gerente da Dival, Isaías Silva Chianca, o objetivo do órgão é um só: evitar a transmissão de doenças de animais aos humanos.

“O ideal é não ter que receber nenhum animal, porque não temos estrutura ou protocolos para garantir o bem-estar e saúde deles. O nosso foco é outro, é evitar a propagação e a transmissão de doenças para os humanos”, afirma Isaías.

Em 2021, 496 animais chegaram ao órgão por determinação judicial ou por vínculo epidemiológico. Todos foram vermifugados, vacinados contra raiva e testados contra leishmaniose, conforme o procedimento.

No caso judicial, os bichinhos são levados para o órgão, em geral, quando há falecimento do tutor, interdição de espaços ou maus-tratos. Os animais, então, ficam em observação clínica por 10 dias para checar se há sintomas de raiva e são examinados contra a leishmaniose visceral. Caso não seja identificada nenhuma das doenças, recebem a antirrábica e o controle de vermes e carrapatos. Em seguida, são disponibilizados para adoção.

Já para os animais em que há suspeita de risco à saúde pública, geralmente cães agressores ou com sintomas de raiva, é preciso que haja um encaminhamento do Sistema Único de Saúde (SUS) ou um laudo emitido por médico veterinário. Com os documentos em mãos, os tutores ou pessoas afetadas pelos animais (que foram mordidas, por exemplo) podem levar os bichos a Zoonoses. No órgão, os animais passam por avaliação clínica e ficam em isolamento por, no mínimo, 10 dias, para acompanhamento de possíveis sinais clínicos de comprometimento neurológico. Sem sintomas da doença, o cachorro recebe a vacina antirrábica e pode ser retirado pelo tutor ou colocado para adoção.

Porém, nos dois caminhos, se houver comprovação do contágio com a raiva, os animais permanecem no órgão, à espera da morte. Mas, uma boa notícia: os últimos registros do vírus em cães e gatos, no Distrito Federal, ocorreram em 2000 e 2001, respectivamente, e o único em humanos em 1979.

Para os pets com leishmaniose visceral, os tutores podem escolher entre o tratamento privado e a eutanásia, realizado pela Zoonoses. Em 2021, houve 204 eutanásias pela doença e, neste ano, até abril, foram 2. A doença é transmitida por um mosquito e não possui tratamento ou cura. Os principais sintomas nos pets são perda de peso, febre, crescimento exagerado das unhas, diarreia, entre outros.

Novo lar

Os 33 bichinhos disponíveis para adoção, atualmente, estão todos vermifugados e vacinados. Em 2021, foram adotados 125 cães e gatos na Zoonoses e, em 2020, 516 animais.

Um deles foi o cachorrinho Remy, escolhido pela estudante Ana Cecília Casada, de 22 anos. Surpreendida pela pandemia, o isolamento social e a saída do irmão mais velho de casa, ela precisou de uma nova companhia e o filhote caiu como uma luva. “Foi um alívio em meio a maluquice que a quarentena trouxe. Ele é muito brincalhão, carinhoso, um amigo de verdade. Claro, tivemos alguns probleminhas, porque ele é macho, então, gosta de demarcar território. Era xixi e cocô pra todo lado! Mas, valeu a pena. Hoje em dia ele é amado por todos, principalmente por mim”, revela Ana. Para a estudante, adoção não é brincadeira. “Eu super recomendo, mas só pra quem tem responsabilidade. Não adianta levar para casa se não puder dar atenção”, alerta.

Para levar um pet para casa diretamente da Zoonoses, é necessário ser maior de 18 anos e apresentar documento de identificação e comprovante de residência, além de coleira, no caso de adoção de cães, ou caixa de transporte, para gatos. Ao escolher o animal, o interessado recebe orientação completa de um servidor e assina o Termo de Guarda Responsável, assumindo o compromisso de prover todo o cuidado e assistência à saúde do animal.

Quem preferir, pode adotar por meio da ONG Amigos da Zoonoses, um grupo de voluntários cadastrados na Secretaria de Saúde do DF que cuidam da saúde e bem estar dos animais disponíveis para facilitar a adoção. Para isso, basta acessar o site Amigos da Zoonoses e responder um formulário com perguntas sobre como serão os cuidados e convívio com o cão ou o gato. Depois, junto com a equipe de voluntários, é realizada a adoção.

A Dival fica no Setor de Áreas Isoladas Norte (Sain), lote 4, Estrada do Contorno Bosque, Noroeste. O horário de visitação é das 10h às 15h, de segunda a sexta-feira.

Fonte: Agência Brasília

Ao longo do mês de abril, as sete regiões de saúde do Distrito Federal realizaram as etapas regionais da Conferência de Saúde Mental. Os eventos reuniram gestores, trabalhadores da área e usuários para debater em conjunto e elaborar novas proposições para a política de saúde mental.

Nesta sexta-feira (29), foi a vez da Região de Saúde Central promover a etapa que encerrou o ciclo de conferências regionais, iniciado dia 1º de abril pela Região Leste. Cerca de 200 pessoas participaram do evento no auditório do Centro Universitário Iesb, na Asa Sul.

O superintendente da Região de Saúde Central, Paulo Roberto da Silva Júnior, destacou a relevância do tema saúde mental e deste momento de debate. “A conferência vem de maneira robusta nos convidar a pensar nossas vidas, o sentido e o propósito de estarmos aqui. O convite é para que cada um de nós possamos pensar a saúde mental de maneira integral e como poderemos contribuir para consolidar e avançar nas políticas da área”, convidou.

A diretora de Serviços de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do DF, Vanessa Soublin, avalia que o evento fecha um ciclo proveitoso das etapas regionais e convoca os presentes a continuarem mobilizados para a etapa distrital, que ocorre nos dias 7 e 8 de junho.

“A gestão pensa muito como operacionalizar as demandas de forma a traduzir os anseios da população, dos serviços e dos usuários para que o plano de trabalho represente o que foi proposto em conjunto”, afirma Vanessa Soublin.

Rodrigo Silva, presidente do Conselho Regional de Saúde de Brasília, lembrou que esta conferência é um marco após 12 anos da realização da última. Além disso, pontuou o significado deste momento. “As conferências servem para trazer diretrizes e fundamentações para formular as novas políticas públicas da área”, indicou.

Representando os usuários, Luciana Claudino, 49 anos, que frequenta há 19 anos o Caps do Riacho Fundo I, agradece o acolhimento por parte da equipe, o tratamento recebido no local e as mudanças que o serviço trouxe para sua vida. ‘Se hoje estou aqui, participando desta mesa, convivendo com as pessoas, muito se deve ao Caps e à equipe”, reconhece.

O pequeno Renato Silva, 8 anos, usuário do Caps Infanto-Juvenil (Capsi) Asa Norte, alegrou o ambiente distribuindo flores confeccionadas por colegas. Segundo a mãe, a costureira Irismar Pereira da Silva, 38 anos, o filho participa de grupos semanais no local e também passa por consultas com o psiquiatra.

“Ele é sempre muito bem recebido. Que hoje possam ser debatidas melhorias para a continuidade desse equipamento de saúde tão importante”, diz ela, que também agradece pelo atendimento prestado pela equipe ao filho.

Para a psicóloga Thais Gabriel, que atua no Caps AD da rodoviária há nove anos, a união das forças para promover a qualidade do serviço reveste a conferência de uma grande oportunidade. “Pensar coletivamente as políticas voltadas para o cuidado em saúde mental e agregar o olhar dos usuários e também da nossa força de trabalho, de nós profissionais que estamos na linha de frente enfrentando o dia a dia, é essencial para melhorar nossa rede de cuidado”, acredita.

A Região Central engloba Asa Norte, Asa Sul, Cruzeiro, Lago Norte, Lago Sul, Noroeste, Octogonal, Sudoeste, Varjão, Vila Planalto e Vila Telebrasília e conta com três Centros de Atenção Psicossocial, dois ambulatórios de saúde mental infanto-juvenil, além das equipes do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf).

Próximas etapas

Das etapas regionais saíram propostas que serão levadas para a etapa distrital da 3ª Conferência Distrital de Saúde Mental, que ocorre nos dias 7 e 8 de junho. Durante os eventos realizados nas sete regiões de saúde, foram eleitas delegados e delegadas para a etapa distrital.

Já da fase distrital sairão propostas e delegados eleitos para representar o Distrito federal na etapa nacional, a ser realizada entre os dias 8 e 11 de novembro, em Brasília.

Fonte: Agência Brasília

Faleceu na última segunda-feira (25/4), a artista plástica Marianne Peretti, aos 94 anos. Famosa por idealizar os vitrais da Catedral e do Panteão da Pátria. A Administração Regional do Plano Piloto registra condolências e deseja conforto aos familiares e amigos de Marianne Peretti.

A Secretaria de Educação do Distrito Federal publicou o edital de licitação para a reforma das instalações do espaço onde irá funcionar a Escola Pública Integral Bilíngue Libras e Português Escrito. Localizado na Quadra SGAS 912, módulos 43 a 48, o terreno tem 120.000 m² e a área a ser contemplada pelas benfeitorias é de 1.624,52 m². Esta será a segunda escola pública do tipo no DF. A primeira fica em Taguatinga.

O valor estimado da obra é de R$ 4.845.784,51. A abertura para o recebimento das propostas está marcada para o próximo dia 13 de junho, às 10h. Após a conclusão do processo licitatório e a assinatura da ordem de serviço, a previsão é de seis meses para a conclusão da obra.

Os serviços a serem contratados incluem impermeabilização dos espaços, adequação do sistema contra incêndio, reformas das redes hidrossanitária, elétrica e de telefonia, entre outros.

O compromisso de instalar a escola bilíngue foi selado em uma reunião no dia 18 de agosto de 2021, no Palácio do Planalto, entre a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá, e a primeira-dama da República, Michelle Bolsonaro. A iniciativa tem como objetivo implementar o ensino bilíngue no Plano Piloto e, em médio prazo, transformar a escola em um espaço que também vai proporcionar atividades de lazer, cultura e esporte.

A nova unidade também receberá materiais, mobiliário e equipamentos necessários para o seu funcionamento.

Fonte: Agência Brasília

A partir das 10h desta segunda-feira (25), estarão abertas as inscrições para o programa Habilitação Social do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran). As inscrições, que devem ser feitas exclusivamente no portal de serviços do Detran, vão até o dia 25 de maio.

Os procedimentos e critérios de seleção constam da Instrução nº 179/2022, publicada no Diário Oficial do DF de 22 de março. O Detran recomenda a leitura integral do edital, que contém todas as informações relativas ao programa.

Para este ano, são oferecidas 5 mil vagas destinadas a pessoas de baixa renda inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e domiciliadas no DF há pelo menos dois anos.

São 1,5 mil vagas para a modalidade Estudante Habilitado e 3,5 mil para Cidadão Habilitado

Outro requisito é que o candidato não esteja judicialmente impedido de possuir a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e não tenha sofrido, nos últimos 12 meses, penalidades decorrentes de infrações de trânsito de natureza grave ou gravíssima ou não seja reincidente em infração média.

As vagas serão distribuídas entre 1,5 mil, para a modalidade Estudante Habilitado, e 3,5 mil, para a modalidade Cidadão Habilitado.

Estudante Habilitado

Para se inscrever nessa modalidade, é necessário ter entre 18 e 25 anos de idade e estar cursando ou já ter concluído os três anos do ensino médio em escola da rede pública de ensino, ou como bolsista integral em instituições privadas. Além disso, é preciso estar inscrito no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou ter participado dessa prova no ano anterior.

Cidadão Habilitado

O candidato a ser beneficiado por essa modalidade deve ter acima de 18 anos de idade na data do requerimento, saber ler e escrever e ainda atender as exigências gerais comuns às duas modalidades.

Serviços disponíveis

A quantidade de vagas  para Habilitação Social observará a proporção para os seguintes serviços:

I – 60% para obtenção da primeira Carteira Nacional de Habilitação – CNH A ou B;
II – 10% para adição das categorias A ou B;
III – 10%para alteração para as categorias C, D ou E;
IV – 10% para renovação da CNH;
V – 10% para CNH definitiva.

O Programa de Habilitação Social será executado em três fases: inscrição, seleção e processo de habilitação. Findo o prazo das inscrições, as secretarias de Desenvolvimento Social (Sedes) e de Justiça e Cidadania (Sejus), parceiras no programa, terão 60 dias para publicar os selecionados de cada órgão no sistema informatizado do Detran. O resultado final dos candidatos inscritos, selecionados e classificados estará por consulta individualizada, exclusivamente em meio eletrônico, no portal de serviços do Detran, em data e hora a serem divulgados.

*Com informações do Detran

Braço do GDF Presente, o programa Cidade Sempre Limpa tem mostrado sua força. A ação conjunta de dez órgãos do governo vai percorrer todas as cidades do Distrito Federal e, nesses primeiros dias, tem feito um grande trabalho de recuperação no Plano Piloto. O Eixo Monumental, a L2 Norte, as quadras 700 e 900 da Asa Norte, o Setor Bancário Norte, a L4 Sul e o acesso à Vila Telebrasília receberam diversos serviços das equipes.

No Eixo Monumental, os garis do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) fizeram a frisagem – retirada de capim das frestas – dos meios-fios, etapa anterior à pintura desses locais. Já na L2 Norte, na Quadra 2 do Setor Bancário Norte, no acesso à Vila Telebrasília, na L2 e L4 Sul, foram asfaltadas vias degradadas por conta das chuvas. Foram utilizadas 10 toneladas de massa asfáltica para esse trabalho.

Nas quadras 700 e 900 da Asa Norte, o GDF Presente – Cidade Sempre Limpa fez um trabalho intenso de recolhimento de lixo verde e inservíveis, o que foi elogiado por moradores da região.

“Tenho observado que o pessoal tem trabalhado duro para manter a cidade em ordem”, afirma César Garcia, morador da 705 Norte. “Percebi que foi uma operação muito rápida, cuidadosa e produtiva. Estão de parabéns”. Moradora da 716 Norte, Gloria Messias também comemora: “Estou muito feliz com esse projeto, porque está dando resultado. A limpeza, o recolhimento de lixo verde, nós estávamos precisando disso.”

A interação dos moradores com as equipes do programa tem sido frequente. “É importante ver as pessoas saírem de suas casas e agradecerem pelo serviço”, comenta o coordenador do Polo Central do GDF Presente, Alexandro César. “Passamos por todas as quadras 700 e 900, na Asa Norte, fazendo a coleta de lixo verde e entulho. Já o trabalho de frisagem é importante para que depois eles possam ser pintados. Isso foi feito no Eixo Monumental e em outras localidades”.

Cidade Sempre Limpa

O Cidade Sempre Limpa faz parte do GDF Presente e conta com a força da integração do governo para atuar em todas as cidades do DF por três meses, com mais de 600 equipamentos à disposição e dez órgãos envolvidos. O objetivo é deixar o DF bem-cuidado em cada detalhe, com asfaltamento, poda de árvores, recuperação de calçadas e meios-fios, sinalização vertical e horizontal, instalação e reposição de lâmpadas e ações de combate à dengue, entre outros serviços.

“Ficamos felizes em ver esse empenho e dedicação com a nossa cidade e recebemos o reconhecimento da população pelas entregas realizadas e pelo cuidado diário com os espaços públicos”, avalia a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

A atual gestão sempre esteve preocupada em cuidar da zeladoria das cidades, bem como em aprimorar esses serviços. O GDF Presente nasceu para ser uma fórmula perene do SOS DF, projeto executado no primeiro semestre da atual gestão. E, agora, o Cidade Sempre Limpa chega com a experiência acumulada ao longo desses anos e a sinergia entre os órgãos de governo para aprimorar o trabalho do GDF Presente.

Fonte: Agência Brasília

Brasília foi desenhada por grandes sonhadores para ser palco de realizações, sonhos e atrações. Com os traços da arquitetura de Oscar Niemeyer e do urbanismo de Lucio Costa, a capital do Brasil chama visitantes dos quatro cantos do país e do mundo para apreciar um verdadeiro museu a céu aberto, no centro da cidade. Além disso, oferece opções em meio à natureza que proporcionam um contato direto com o bioma natural do quadrilátero, o cerrado.

Até alguns anos atrás, Brasília não era vista como um destino turístico e tampouco incluída na rota de principais capitais do Brasil. Inclusive os moradores do Plano Piloto e de outras regiões administrativas preferiam se aventurar pelo entorno ou cidades próximas para aproveitar as férias, folgas e feriados prolongados.

No entanto, a partir de 2019, essa realidade mudou. A Secretaria de Turismo (Setur) impulsionou o setor com R$ 41.645.609,29 nos últimos três anos e desenvolveu 12 rotas turísticas com os principais pontos da capital. Há opções para todos os gostos: atrações para a criançada, cívicas, culturais, gastronômicas, náuticas, religiosas e muito mais. Com isso, Brasília se consolidou, de fato, como a capital da experiência, mesmo diante da pandemia do coronavírus.

O secretário-executivo de Turismo, William Almeida, afirma que o trabalho da pasta teve apoio fundamental do governador Ibaneis Rocha e ocorreu em etapas. “O pontapé inicial foi a reunião com o trade turístico para alinhar as necessidades e ações; em seguida, avaliar os equipamentos turísticos e as capacidades de operação, devolvendo à população para ocupação e utilização dos espaços. Também foram criadas rotas nos mais diversos segmentos com o objetivo de diversificar a oferta turística da capital na prateleira de produtos das agências de receptivo e dos guias de turismo”, explica.

A capital federal foi o primeiro bem moderno inscrito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade, em dezembro de 1987. O título de reconhecimento é concedido a monumentos, edifícios, trechos urbanos e até ambientes naturais considerados especialmente valiosos para a humanidade.

Para o superintendente do Arquivo Público, Adalberto Scigliano, o reconhecimento foi um marco para a cidade, que, à época, tinha apenas 27 anos. “É uma situação muito interessante, porque os locais tombados, na verdade, costumam ter uma história pregressa muito grande, com dois mil anos de idade. E Brasília, não. As linhas, o modernismo da época, chamaram a atenção do mundo inteiro desde a inauguração”, afirma ele.

De acordo com o superintendente, há mais de 1 milhão de imagens que mostram o brilho no olhar dos construtores e visitantes que vinham conhecer a capital, erguida em tempo recorde. “Temos fotos no Arquivo Público de carroças com gaúchos que vieram conhecer a cidade, uma família que acampa em frente ao Palácio da Alvorada exatamente para ver as obras da nova capital. Então, Brasília sempre despertou, pelo seu gigantismo e ineditismo, o interesse da população do Brasil e do mundo”, completa Adalberto.

A cidade foi também tombada como Patrimônio Histórico Federal em 1990 e, pelo Governo do Distrito Federal, em 1991, evidenciando mais uma vez a importância de Brasília no cenário turístico brasileiro. Além disso, vários elementos que compõem a paisagem da cidade foram tombados individualmente como patrimônios, como a Catedral Metropolitana, o Congresso Nacional e o Conjunto Cultural da República, com o Museu Nacional e a Biblioteca Nacional. Estes e outros monumentos estão listados no Guia Turístico.

Pronta para os cliques

Brasília também se consagra como uma capital instagramável, pronta para os cliques dos moradores que passam diariamente pelos painéis culturais e monumentos cívicos e que registram a rotina nas redes sociais, assim como de visitantes, que guardam cada momento na memória e na galeria do aparelho celular. Os painéis de grafite e pinturas tornam a cidade o cenário perfeito para fotografias e ensaios, além de oferecer um pôr do sol digno de cliques e uma rota turística específica.

O charme arquitetônico e colorido da capital rendeu o reconhecimento como a oitava Cidade Patrimônio Mundial Cultural mais instagramável do mundo, com 13,27 milhões de fotos publicadas, de acordo com estudo realizado pela empresa britânica Design Bundles no ano passado. Com o Rio de Janeiro, que ficou em segundo lugar no ranking internacional, Brasília desbancou destinos como Barcelona, na Espanha; Paris, na França, e Bali, na Indonésia.

Fonte: Agência Brasília

A última etapa do Circuito Candango de Skate, em comemoração ao aniversário de 62 anos de Brasília, será disputada nos dias 23 e 24 de abril na pista de skate do Deck Sul, reformada pela Administração Regional do Plano Piloto em 2021. Com a participação de atletas profissionais e competidores de todo o Brasil,  serão realizadas provas nas categorias Feminino, Mirim, Iniciante e Amador. O projeto conta com apoio da Administração do Plano Piloto, da Rádio Cultura 100,9, Caesb, Secretaria de Esporte e Lazer do Governo do Distrito Federal.

Cibele Gonzalez, instrutora de skate, estudante de educação física, é moradora de Brasília desde 1996, sempre gostou de praticar esporte e conta que o skate entrou em sua vida há mais de 10 anos, numa época de dificuldades financeiras, e funciona também como uma terapia em sua rotina de desafios. Gonzalez encara a capital como um excelente lugar para praticar o esporte, agora uma categoria olímpica.

“Brasília é uma cidade-luz, muito linda, a gente sai de casa e tem as superquadras, as ciclovias. Além da pista do Deck Sul, temos a Galeria dos Estados, grafitada de forma muito carinhosa, o Setor Bancário Sul, reduto da galera do street de Brasília, para quem anda de long board tem o Eixão do Lazer, o Parque da Cidade e tem a Praça do Povo do SCS, recém-inaugurada pelo GDF”, contabiliza os espaços utilizados pelos praticantes da modalidade.

Na programação do circuito o público confere oficinas com aulas de skate, montagem e manutenção de equipamentos e bate-papo sobre lesão e reabilitação com fisioterapeuta especializado. As oficinas acontecem na pista de skate do Deck Sul.

O projeto, que conta com a participação de várias associações , recebe o apoio do Governo do Distrito Federal (GDF) por meio da Rádio Cultura 100,9, Caesb e Secretaria de Esporte e Lazer.

Por: Agência Brasília com informações da Administração do Plano Piloto.

Mais uma área pública de Brasília ganha atenção especial por meio do programa Adote uma Praça, da Secretaria de Projetos Especiais (Sepe), que atua em benfeitorias e manutenção de mobiliários urbanos. Desta vez, será reformado o entorno da Embaixada dos Estados Unidos, com investimentos no paisagismo e reforma do estacionamento. A iniciativa foi oficializada na quarta-feira (20), durante a assinatura de um termo de cooperação técnica entre a Sepe, o Escritório de Assuntos Internacionais (EAI), a Administração do Plano Piloto e a embaixada.

“O Adote uma Praça foi lançado no governo atual e surgiu do entendimento da dificuldade em conservar esses espaços com uma manutenção adequada e constante”, explicou o secretário de Projetos Especiais, Roberto Vanderlei de Andrade. “O programa tem um índice de adesão enorme, estando em 33 regiões administrativas do Distrito Federal.”

Durante a cerimônia de assinatura, a chefe do EAI, Renata Zuquim, lembrou que a Embaixada dos Estados Unidos é uma grande parceira do GDF. A afirmativa foi endossada pelo ministro-conselheiro interino para Assuntos Administrativos da embaixada, Roberto Custódio: “É uma honra ter essa oportunidade junto ao Governo do Distrito Federal e poder, mais uma vez, trabalhar com Brasília”.

Renata Zuquim também elogiou a iniciativa da Sepe: “O Adote uma Praça é um programa pensado para fazer essa integração da sociedade e do poder público. Entendemos a importância e a valorização desses espaços, em especial nesse momento pós-pandemia”.

Por sua vez, a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ressaltou a abrangência do documento assinado. “O Adote uma Praça é um projeto muito importante para o GDF, e a administração regional se sente contemplada quando recebe os interessados nesse projeto e pode, assim, manter e cuidar da cidade, melhorando sua funcionalidade”.

Fonte: Agência Brasília

A Comissão Eleitoral do Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto (CRC-RA I), comunica a toda comunidade cultural residente na Região Administrativa do Plano Piloto sobre a abertura do processo de seleção de pessoas para formação de lista tríplice com fins de indicação para nomeação de gerente da Gerência de Cultura, Esporte e Lazer da Administração Regional do Plano Piloto, conforme previsto na Lei Complementar do Distrito Federal nº 934/2017 (Lei Orgânica da Cultura).

REQUISITOS:

Conforme Resolução CCDF nº 01/2019, poderão participar da lista tríplice pessoas residentes e que atuam na área cultural na Região Administrativa do Plano Piloto – RA I há, no mínimo, 2 (dois) anos, com experiência e atuação na área cultural na RA I, possuir notório saber artístico-cultural e conhecimentos técnico-administrativos.

INSCRIÇÕES:

As inscrições poderão ser feitas a partir do dia 25 de abril de 2022  até o dia 09 de maio de 2022, por meio de preenchimento do formulário de inscrição e envio de documentação comprobatória no link disponível aqui.

 

CRONOGRAMA:

25/04/2022 a 09/05/2022 – inscrições de candidatos(as)

11/05/2022 – resultado da habilitação de candidaturas aptas

12 e 13/05/2022 – recursos ao resultado da habilitação

16/05/2022 – resultado final da habilitação de candidaturas aptas

19/05/2022 – convocação da Assembleia Geral para eleger a lista tríplice

04/06/2022, às 15 horas – Assembleia Geral para eleger a lista tríplice

06/06/2022 – envio da lista tríplice, com ata da Assembleia Geral, pelo Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto, para a Administração Regional do Plano Piloto

Até 30/06/2022 – indicação pela Administração Regional de Gerente da Gerência de Cultura, Esporte e Lazer da Administração Regional do Plano Piloto, entre os componentes da Lista Tríplice referendada pelo Conselho Regional de Cultura do Plano Piloto, após a Assembleia Geral, para nomeação pelo GDF.

 

Conforme o Edital, é de responsabilidade dos interessadas o acompanhamento do processo eleitoral, conforme cronograma abaixo. Acesse a íntegra do documento: Edital nº 01/2022 – CRC Plano Piloto.

Campo de futebol de grama sintética novinho, Centro de Ensino Fundamental 1 (CEF 1) reconstruído, wifi-social instalado na Praça Nelson Corso, Museu de Arte de Brasília reaberto, força-tarefa de limpeza, parquinho reformado, campanhas de vacinação contra covid-19, ação integrada contra dengue. Essas foram atividades realizadas nos últimos dias na Vila Planalto, que recém completou 65 anos, e marcam o compromisso do Governo do Distrito Federal (GDF) com a população da região pioneira que abriga a memória da construção de Brasília.

Para encerrar a programação de aniversário, no dia 21 de abril serão comemorados os 61 anos do Clube Social da Unidade de Vizinhança nº1, data em que se celebra também o aniversário de Brasília. Desde o início do mês a Administração Regional do Plano Piloto promoveu a série de iniciativas junto com a comunidade local para homenagear a região.

A programação de aniversário teve o protagonismo da comunidade e o intuito de contemplar a população local, além de atender demandas da área. Antes das celebrações a região recebeu mutirão de limpeza e de conscientização contra a dengue.

Os parabéns, no último final de semana, foram ao ritmo da capoeira, com a presença de lideranças comunitárias e representantes da comissão organizadora das atividades comemorativas.

“Estamos celebrando esse caminhar junto da administração regional com todas as entidades representativas da Vila, trabalhando pela coletividade e pelo melhor para toda comunidade”, disse a administradora regional do Plano Piloto, Ilka Teodoro, que relembrou entregas importantes para a região durante a gestão do governador Ibaneis Rocha.

Fonte: Agência Brasília

O Setor Hospitalar Local Norte (SHLN) terá mais vagas para carros e motos, o dobro de calçadas, uma ciclovia e três praças, além do plantio de 91 árvores, entre ipês e jacarandás. As melhorias estão previstas em projeto da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) aprovado, na quinta-feira (7), em reunião virtual do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan).

“O grande desafio do governo é achar um equilíbrio entre a valorização do pedestre e do ciclista, com mobilidade ativa, e os carros. Nesse projeto, estamos dando 30% de aumento de vagas e mantendo o espaço público com maior qualidade, com mais calçadas, praças e ciclovia”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira.

O objetivo da iniciativa é atender as demandas de acessibilidade e suprir a necessidade de estacionamentos no SHLN. Atualmente, o local conta com 445 vagas, além dos pontos irregulares usados pelos veículos. O projeto prevê uma organização dos estacionamentos, com o acréscimo de 175 vagas no setor. Assim, com as mudanças, serão 620 vagas – 573 para carros e 47 para motos.

Projeto prevê o dobro de calçadas e o aumento de 30% de vagas no Setor Hospitalar Norte | Imagem: Divulgação/Seduh

As calçadas serão ampliadas dos 4.527,21 m² existentes para 9.498,34 m², contando com piso tátil, faixas elevadas e travessias, facilitando o acesso para cadeirantes, idosos, pessoas com deficiência e outros com dificuldade de locomoção. Já a ciclovia que será criada terá 793,76 m². Os trechos compartilhados, em que poderão passar ciclistas e pedestres, terão no mínimo 3 m de largura. A ideia é conectar as quadras 316/116 com os setores Hospitalar Norte e Terminal Norte por meio da ciclovia e calçadas.

O SHLN possui apenas calçadas que conectam alguns edifícios de forma interrompida, sem a acessibilidade adequada para qualquer portador de deficiência. A partir da obra, as calçadas acessíveis, passeios compartilhados e ciclovias ligarão os lotes com outras modalidades de transporte – bicicleta, pedestres e ônibus –, transformando o Setor Hospitalar Local Norte em uma área acessível e socialmente justa.

As três praças a serem criadas, seguirão os moldes do Setor Hospitalar Local Sul (SHLS), para dar a mesma identidade a esses pontos. Terão mobiliário urbano, com bancos, lixeiras, vagas para bicicletas e pergolados, que são estruturas de madeira ou metal com cobertura de vidro para uso de pedestres. Estão previstos dez quiosques nesses pontos, para estimular o uso do espaço público e o comércio local.

Já a arborização do espaço contará com 15 ipês-amarelos, 11 ipês-brancos, 31 jacarandás-mimosos e 34 árvores de pau-ferro. O plantio de mais árvores e a troca dos pavimentos para blocos de concreto pré-fabricados vão evitar a formação de ilhas de calor e diminuir a velocidade de escoamento da água que cai nas ruas.

Os relatores do projeto foram os representantes da Associação Civil Rodas da Paz, Wilde Cardoso, e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU-UnB), Gabriela Tenório. Ambos fizeram algumas recomendações, como complementar os trajetos com mais pontos de iluminação e promover estudos sistemáticos de fluxo de pedestres e ciclistas para subsidiar as decisões.

Depois do Conplan, o projeto ainda precisa ser aprovado por portaria e publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). Só depois disso, poderá ser encaminhado para ser executado.

Regularizações

Cerca de 800 pessoas em mais de 200 unidades habitacionais aguardam há mais de 20 anos pela regularização

O colegiado também aprovou projetos de regularização fundiária de dois locais. O primeiro foi da Vida Nova, uma Área de Regularização de Interesse Social (Aris) localizada em Samambaia. Ao todo, são 757 pessoas em 224 unidades habitacionais, espalhados por uma região de 6,96 hectares, que aguardam a regularização há mais de 20 anos.

“O desafio da questão fundiária no DF é muito grande, e votar esse projeto é muito importante para esses moradores”, comentou o presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Rafael Prudente, que participou brevemente da reunião virtual do Conplan.

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) elaborou o projeto e dará os encaminhamentos devidos após a publicação do decreto do governador que aprova a iniciativa, enviando toda documentação técnica para registro cartorial.

“Agora temos de trabalhar para concluir o mais rápido possível o processo de titulação, pois a população aguarda há muitos anos esse acesso à moradia digna preconizado pela nossa Constituição Federal”, afirmou o presidente da Codhab, João Monteiro.

O segundo local aprovado foi o condomínio Vila Centro Sul, no Setor Habitacional Contagem, em Sobradinho II. A área de 1,01 hectare possui 34 lotes e 236 habitantes. A Urbanizadora Paranoazinho (UP) é a responsável pelo local, considerado uma Área de Regularização de Interesse Específico (Arine) prevista no Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot) de 2009.

Além disso, os conselheiros também votaram a favor, por unanimidade, do remembramento (agrupamento) de dois lotes na Quadra 314 do Setor Comercial Local Sul (SCS).

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

*Com informações da Seduh

Com 17 equipamentos culturais interligados por um leque simultâneo de atividades artísticas, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) celebra os 62 anos de Brasília, após dois anos de interrupção das comemorações presenciais por conta da covid-19.

Batizado de Sorria, Brasília, o projeto comemorativo envolve amplo calendário de ações entre os dias 19 e 24 de abril. Serão realizados de shows a mostras de cinema; de exposições a feiras de economia criativa; de espetáculos populares a apresentações de orquestras, como a Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS).

“Com os museus e centros culturais de portas abertas com entrada franca, o GDF celebra democraticamente nosso conjunto de patrimônios culturais preservados e em pleno funcionamento”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues. Confira o vídeo de apresentação da programação de aniversário dos 62 anos de Brasília:

As atrações ocupam as regiões administrativas do Plano Piloto, Ceilândia, Samambaia, Núcleo Bandeirante, Gama e Planaltina, territórios onde ficam os equipamentos culturais do Governo do Distrito Federal (GDF). A OSTNCS, por exemplo, vai circular entre abril e maio com o projeto Clássicos nas Cidades, que estará nos Complexos Culturais de Samambaia, Planaltina e Casa do Cantador, em Ceilândia.

Eventos vão desde shows a mostras de cinema; exposições a feiras de economia criativa; espetáculos populares a apresentações de orquestras

“Essa volta às comemorações presenciais é um apontamento de esperança para que a sociedade restabeleça o convívio seguro com as celebrações públicas. Optamos por modelo mais intimista, com a maioria das atividades dentro dos equipamentos culturais e um convívio externo sem grandes aglomerações”, destaca o secretário.

Com investimento de cerca de R$ 700 mil, as atividades propõem a quebra da lógica de uma festividade só com o foco no entretenimento e exaltam a preocupação do GDF com a memória cultural por meio de exposições que colocam em dinâmica aspectos históricos. Exemplos disso são a reabertura da mostra “Poeira, Lona e Concreto”, totalmente restaurada e higienizada, que retrata os primeiros tempos da construção da cidade, no Museu Vivo da Memória Candanga, e desenhos inéditos de Oscar Niemeyer, no espaço homônimo, além da valorização da história da Via Sacra de Planaltina no Complexo Cultural da região administrativa.

A mostra “Poeira, Lona e Concreto”, totalmente restaurada e higienizada, retrata os primeiros tempos da construção da cidade, no Museu Vivo da Memória Candanga | Foto: Ascom/Secec

Outro destaque é a ocupação externa do Eixo Cultural Ibero-americano, antigo espaço Funarte de Brasília, que terá uma programação de 21 a 24 de abril voltada ao encontro das famílias e de amigos em torno do seu gramado e galerias com piquenique, Festival de Orquestras Populares, Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, shows e desenhaço. Essa programação reforça o ano Brasília Capital Ibero-americana das Culturas, título mundial outorgado em 2022 à cidade.

As ações também são intensas na Concha Acústica, com shows e mostra de cinema, no Museu de Arte de Brasília (MAB), no Memorial dos Povos Indígenas, com festividade no Dia do Índio, em 19 de abril. O Cine Brasília segue a programação especial e aberta ao público com seleção de filmes emblemáticos e espetáculo comemorativo da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo.

Editais

O primeiro bloco de editais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) vai garantir R$ 36 milhões para, ao menos, 300 projetos de 22 linguagens artísticas. Traz como ênfase o segmento Meu Primeiro FAC para agentes não contemplados anteriormente e entidades carnavalescas.

O edital será publicado em conjunto com dois chamamentos públicos para ações em arte urbana. O primeiro certame é para pintar as 28 paradas da W3 Norte, com cota para equidade de gênero e artista com deficiência. Serão selecionados 28 artistas com cachê de R$ 3 mil.

O outro chamamento é para selecionar coletivo para intervenção artística no muro principal do Complexo Cultural Samambaia. Juntos, têm aporte de quase R$ 100 mil.

No Complexo Cultural de Planaltina, a História da Via Sacra poderá ser conferida no Complexo Cultural da região administrativa | Foto: Ascom/Secec

Via Sacra retomada

Às vésperas da semana do aniversário de Brasília, no dia 15, às 15h, a Via Sacra ao Vivo de Planaltina volta a ocupar o Morro da Capelinha com a encenação dos julgamentos e crucificação de Jesus Cristo. O fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa na ordem de R$ 800 mil garante o evento que completa 50 anos em 2023.

A encenação da Paixão de Cristo no Morro da Capelinha ocorre em formato híbrido, com transmissão ao vivo pelo YouTube do Grupo Via Sacra. No local, haverá um telão LED de 10 por 6 metros, que vai passar a teatralização do Domingo de Ramos e da Santa Ceia, a partir das 13h. A expectativa da organização é receber 100 mil pessoas ao longo do dia, além de cinco mil acompanhando o espetáculo de forma remota.

São 15 estações de cena e o momento mais esperado é o da ressureição, ocasião em que, por meio de efeitos especiais, o ator que representa Cristo parece flutuar no ar. A organização reúne 1,4 mil participantes entre elenco principal e figurantes voluntários. Fechando o espetáculo, um show pirotécnico ao som do Aleluia, de Handel.

“Será um momento de exaltação à fé e de renovar esperança na volta à normalidade. Nossas tradições religiosas e culturais permaneceram inabaláveis e agora voltam com toda a energia, criando um clima de grande expectativa no segmento da economia criativa”, enfatiza Rodrigues.

Confira a programação:

SORRIA, BRASÍLIA

PLANO PILOTO

BIBLIOTECA NACIONAL DE BRASÍLIA – Mostra “Poema em Cartaz”, 19/4, às 11h; contação de histórias do espaço infantil e inauguração de grafite “Livro da Rua”, no dia 23/4, às 10h.

CINE BRASÍLIA – Maratona de seis filmes emblemáticos (em curadoria) em sessões gratuitas no dia 22/4 em comemoração aos 62 anos do equipamento, nas sessões de 10h, 12h, 14h, 16h, 18h e 20h. No dia 21/4, tem espetáculo comemorativo da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo.

CONCHA ACÚSTICA – Atividades diversas com exibição de filmes diversos. Shows, exposição digital de fotografias, entre os dias 21 e 24 de abril.

EIXO CULTURAL IBERO-AMERICANO – Atividades artísticas diversas entre 21 e 24 de abril, com apresentação da OSTNCS (21/4, às 20h); Festival de Orquestras Populares (22 a 24/4, das 18h às 22h), com ações lúdicas no gramado como desenhaço, piquenique cultural e atrações infantis.

ESPAÇO CULTURAL RENATO RUSSO – Reabertura da Gibiteca do Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, que será batizada de TT Catalão, 21/4, às 14h.

ESPAÇO LÚCIO COSTA – Exposição permanente “Plano Piloto de Brasília”, projetado pelo urbanista Lúcio Costa. Como uma verdadeira viagem ao tempo, o visitante tem acesso a fotos e informações históricas, além de uma grande maquete da capital federal.

ESPAÇO OSCAR NIEMEYER – “O Mestre e o Aprendiz”. Exposição de objetos e documentos pertencentes a Gervásio de Oliveira, que trabalhou como estagiário para Oscar Niemeyer no planejamento e construção de Brasília. Abertura 22/4, às 17h .

MEMORIAL DOS POVOS INDÍGENAS – Início dia 19/04, às 10h. com festividade em comemoração ao Dia do Índio, com canto da etnia tupinambá chamado “Oração para a Lua”, com a cantora Nívia Tupinambá, seguido por workshop de pintura corporal indígena. Exposição “Artes e Cultura Indígenas” e feira étnica na área externa com shows. Atividades seguem até 24.4.

MUSEU DE ARTE DE BRASÍLIA (MAB) – O Museu que comemora um ano de reabertura terá ciclo de feiras criativas no hall com ênfase em moda, gastronomia. Será lançada a versão virtual do livro do MAB “Arte e Design em Brasília: 1950 a 2022” no site da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, no dia 21.4, quando um MAB comemora um ano de reabertura.

MUSEU NACIONAL DA REPÚBLICA – Expositivo Principal: “Xingu 57. Fotografias de Domiciano Pereira de Souza Dias”. Mezanino, ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais’ , de Raquel Nava.

MUSEU DA CIDADE – Exposição permanente, com frases talhadas no mármore branco que contam a história de interiorização da capital federal, desde o século 18 até sua inauguração.

PANTEÃO DA PÁTRIA – “Brasília Museu Aberto”. Exposição digital realizada por meio de projeção mapeada de obras de ícones artísticos da história de Brasília na fachada externa do Panteão da Pátria. Dia: 21/4, das 19h às 22h. Há ainda exposição sobre a vida e trajetória política de Tancredo Neves, além do “Livro de Aço dos Heróis da Pátria”, o “Mural da Liberdade de Athos Bulcão”. O público ainda vai conferir o painel “Inconfidência Mineira”, de João Câmara, e o vitral de Marianne Peretti.

CEILÂNDIA

CASA DO CANTADOR – Festival “Circularte” festival de música brasileira, 23.4, às 19h.

NÚCLEO BANDEIRANTE

MUSEU VIVO DA MEMÓRIA CANDANGA – Reabertura da exposição “Poeira Lona e Concreto” (20.4, às 15h) , após restauro e higienização. Com acervo composto pelas edificações históricas, peças, objetos e fotos da época da construção de Brasília, a exposição permanente narra a história da cidade, desde os projetos até a inauguração em 1960.

GAMA

MUSEU DO CATETINHO – Reabertura, no dia 21.4, às 9h, da primeira residência oficial do presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek, durante a construção do novo Distrito Federal. O espaço ficou fechado desde o início da pandemia, em março de 2020, e agora reabre com manutenção de pintura externa e interna, limpeza do forro e troca de peças de madeira da estrutura, eliminação de orifícios no telhado, forro e paredes, revitalização do piso de pilotis, limpeza dos pisos do banheiro, num aporte de R$ 400 mil. A abertura de exposição memorial terá quarteto da OSTNCS. Em seguida, segue a cerimônia de entrega da Medalha de Mérito Cultural “Seu Teodoro”, com apresentação do grupo homônimo.

PLANALTINA

COMPLEXO CULTURAL DE PLANALTINA – Exposição “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”. Mostra fotográfica, figurinos, cartazes e outras peças do acervo. Abertura: dia 20/4, às 20h.

SAMAMBAIA

COMPLEXO CULTURAL SAMAMBAIA – Ação de grafite na fachada (com lançamento do edital de chamamento público dia 20.4) e apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro dentro do projeto “Clássicos nas Cidades” 19/4, às 20h.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

19.4 – TERÇA-FEIRA

Museu da Cidade

9h às 18h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 18h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 18h – Exposição permanente.

Memorial dos Povos Indígenas

10h – Festividade do Dia do índio com canto da etnia tupinambá “Oração para a Lua”, com a cantora Nívia Tupinambá. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas” Indígenas. Feira étnica.

Complexo Cultural Samambaia

20h – Concertos nas Cidades com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro no projeto “Cultura nas Cidades”.

20.4 – QUARTA-FEIRA

Museu da Cidade

9h às 18h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 18h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 18h – Exposição permanente.

Biblioteca Nacional de Brasília

9h às 20h – Poema em Cartaz.

Memorial dos Povos Indígenas

10h – Exposição “Artes para Descobrir as Culturas”. Feira étnica.

Museu Vivo da Memória Candanga

15h – Reabertura da exposição “Poeira Lona e Concreto” com quarteto da OSTNCS.

Museu de Arte da Brasília

9h – Feiras étnicas, exposições.

Complexo Cultura de Planaltina

20h – Abertura da “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

21.4 – QUINTA-FEIRA

Museu do Catetinho

9h – Reabertura do espaço cultural revitalizado e cerimônia de entrega da Medalha “Seu Teodoro”.

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “Niemeyer”, fotografias de Juan Carlos Vega

10h às 12h – Desenhaço e contação de histórias.

12h às 16h – Sambão no gramado.

14h às 20h – Feira criativa.

18h às 20h – OSTNCS.

20h – Ballet dança by Juan Carlos Vega.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

Museu da Cidade

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 17h – Exposição permanente.

19h às 22h- “Brasília Museu Aberto”.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – “Poeira Lona e Concreto” com quarteto da OSTNCS.

Complexo Cultura de Planaltina

9h às 19h – “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Nubia Batista, Eliaquim Camilo, Natasha Barros e Gilberto Cruz. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas”.

Espaço Cultural Renato Russo

14h – Reabertura da Gibiteca TT Catalão.

Concha Acústica

17h – Digão (Raimundos).

Cine Brasília

20h – Especial Os Melhores do Mundo.

22.4 – SEXTA-FEIRA

Eixo Cultural

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “Niemeyer”, fotografias de Juan Carlos Vega

10h às 12h – Palhaçaria.

14h às 20h – Feira criativa.

18h às 20h – Orquestra Popular do Recife.

20h às 22h – Orquestra Popular Quadrafônica.

Museu da Cidade

9h às 17h – Exposição permanente.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 20h – Poema em Cartaz.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – “Poeira Lona e Concreto” com quarteto da OSTNCS.

Complexo Cultura de Planaltina

9h às 19h – “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Mirim Ju Yan Guarani, Ian Wapichana, Gilberto Cruz e Oziel João Filho. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas”.

Cine Brasília

10h às 22h – Sessões de mostra de filmes emblemáticos.

Espaço Oscar Niemeyer

17h – Abertura “O Mestre e o Aprendiz”.

Concha Acústica

18h – “As Duas Faces”.

20h – “Protegendo o Inimigo”.

23/4 – SÁBADO

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “Niemeyer”, fotografias de Juan Carlos Vega

10h às 12h – Show de mágica.

14h às 20h – Feira criativa.

18h às 20h – Orquestra Popular Salve Glória.

20h às 22h – Orquestra Popular Rockfônica.

Museu da Cidade

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – “Poeira Lona e Concreto” com quarteto da OSTNCS.

Complexo Cultura de Planaltina

9h às 19h – “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Kumuu Dan Wapichana, Heloísa Cruz de Araújo, Nívia Costa e Kessia Daline. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

11h – Contação de histórias no Espaço Infantil, inauguração do grafite “Livro da Rua”.

Concha Acústica

18h – “Trolls”

20h – “Saída de Mestre”.

24/04 – DOMINGO

Eixo Cultural Ibero-americano

10h às 18h – Piquenique no gramado.

10h às 17h – Mostra “Niemeyer”, fotografias de Juan Carlos Vega

10h às 12h – Percussão para crianças.

14h às 20h – Feira criativa.

16h às 18h – Chorinho no gramado

18h às 20h – Orquestra Alada Trovão da Mata.

20h às 22h – Orquestra Marefreboi.

Biblioteca Nacional de Brasília

8h às 14h – Poema em Cartaz.

Museu da Cidade

9h às 17h – Exposição permanente.

Espaço Lúcio Costa

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu Nacional da República

9h às 18h30 – “Xingu 57″ e ‘Envenenada: profanações e polimorfismo tonais”.

Panteão da Pátria

9h às 17h – Exposição permanente.

Museu de Arte da Brasília

9h – Exposições e feiras.

Museu Vivo da Memória Candanga

9h às 17h – “Poeira Lona e Concreto” com quarteto da OSTNCS.

Complexo Cultura de Planaltina

9h às 19h – “Via Sacra ao Vivo de Planaltina – Rumo aos 50 anos”.

Memorial dos Povos Indígenas

10h às 17h – Feira étnica com shows de Waurá, Ybá Sanenawa, Fernando Gomes e Javier. Exposição “Artes para Descobrir as Culturas Indígenas”.

Concha Acústica

18h – “Como Treinar o Dragão”.

20h – “Cinema Paradiso”.

Agência Brasília* | Edição: Carol Lobo

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec)

Cem mil motoristas serão beneficiados diariamente com a ampliação da Estrada Parque Aeroporto (Epar/DF-047), inaugurada pelo governador Ibaneis Rocha nesta segunda-feira (11). Com a obra, o fluxo de veículos no trecho poderá ser aumentado em 70%.

Para tanto, foram construídas duas novas faixas de rolamento em cada sentido da DF-047. Iniciado em maio de 2020 e finalizado em abril de 2022, esse trabalho permitiu a geração de 50 empregos e contou com investimento de R$ 12 milhões. “Essa é mais uma obra importante para a mobilidade da nossa cidade”, afirma o governador. “Essa região concentra um grande fluxo de veículos do Lago Sul, Park Way, Gama e Entorno, e agora nós ampliamos a via para dar mais conforto aos motoristas.”

O trecho, de aproximadamente 2 km, compreende a Estrada Parque Dom Bosco (DF-025) e a Estrada Parque Guará (DF-051), entre o antigo Balão Dona Sarah Kubitschek e o Viaduto Camargo Corrêa. Executada pelo DER-DF, a obra incluiu a construção de ciclofaixas, ciclovia e a execução de sinalização horizontal e vertical, além da instalação de uma barreira de concreto do tipo New Jersey na extensão do trecho.

Mais funcionalidade

“Fizemos vias marginais para dar funcionalidade às duas pontes existentes e que não levavam a lugar algum”, explica o diretor-geral do DER-DF, Fauzi Nacfur Júnior. “Essas marginais foram feitas para dar funcionalidade a essas pontes e fazer a triagem dos veículos.”

Com a obra, os motoristas que desejam ir para o aeroporto poderão contar com faixas únicas. Quem vem e vai da Saída Sul terá duas faixas novas para acessar o caminho para o Gama e Valparaíso, e quem deseja ir ao Lago Sul pode fazer o contorno para acessar a cidade.

“Antes tínhamos três faixas que se transformavam em uma, e ocorria um estrangulamento na saída do túnel do aeroporto; agora temos seis faixas sentido Brasília e cinco faixas no sentido aeroporto, dando mais conforto para os usuários”, complementa o diretor-geral do DER-DF.

“Tínhamos a necessidade de completar esse Balão da Dona Sarah”, comenta o administrador do Lago Sul, Rubens Santoro. “Está aí, entregue, mais uma obra de qualidade feita pelo governador Ibaneis Rocha.”

Por: Ian Ferraz, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

Em relação aos questionamentos da imprensa sobre a Feira da Ponta Norte, a Administração esclarece que:

1. A Administradora Regional reforça o compromisso de sua gestão com a agricultura familiar, bem como o incentivo ao fomento dessa atividade. Foi explicado aos representantes da Feira Ponta Norte quanto aos dois instrumentos legais que normalizam a realização da atividade de feira no DF: Lei Nº 6.956/2021 e Lei 5281/2013. Hoje a Administração Regional não dispõe de instrumento legal que permita a realização de feiras livres no conjunto urbanístico do Plano Piloto, fazendo com que a Feira da Ponta Norte fique configurada como ocupação irregular de área pública, a menos que seja feito o licenciamento eventual, enquanto se busca outra alternativa.

2. A Feira da Ponta Norte deixou de ser um evento de pequeno porte, que atende exclusivamente à comunidade da unidade de vizinhança e se consolidou como um evento maior que produz reflexos no sistema viário e na vizinhança. Assim, a Regional vislumbra a possibilidade de enquadramento nesta categoria (evento), com o processo de licenciamento sendo feito a partir do cadastramento na SSP e seguindo o fluxo previsto neste link: https://www.planopiloto.df.gov.br/2019/07/12/licenciamento-de-eventos/

3. Outras feiras têm sido licenciadas no Plano Piloto através desta modalidade, incluindo feiras realizadas através de termos de fomento viabilizados com recursos de emendas parlamentares, como é o caso da Feira No Setor, realizada na Galeria dos Estados aos domingos.

4. Está em discussão o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (nosso Plano Diretor). É necessário que exista designação no Plano das áreas onde a modalidade de feira livre possa ser instalada, em conformidade com a lógica de uso de solo da cidade. Enquanto não houver normativo sobre a possibilidade de uso de solo para a referida finalidade, não existe a possibilidade de regularizar a Feira da Ponta Norte com o enquadramento nesta categoria.

5. Importante pontuar que os organizadores da Feira da Ponta Norte esclareceram que o DETRAN vem oferecendo apoio ao trânsito, por uma iniciativa da Prefeitura Comunitária da 216 Norte, que teria solicitado o serviço para o Detran e que essa ação já tem colaborado a melhorar o fluxo no local durante a feira. Em relação ao lixo produzido, informaram que as reclamações eram em relação ao supermercado “PRA VOCÊ” e com o fechamento do estabelecimento comercial não há mais concentração de lixo, porque, segundo a organização, os feirantes recolhem integralmente todo o lixo produzido ao término da feira. Também destacaram a importância de serem assistidos pela Emater, visto que a organização não dispõe dos recursos necessários para custear as taxas de pagamentos por ocupação de área pública, inviabilizando a presença dos feirantes.

6. Por fim, importante registrar que foi solicitada reunião pelos representantes da Feira Agroecológica da Ponta Norte em virtude da notificação de interdição, autuada pela DF Legal, em 26/03/2022. Foi formalizado pedido de apoio para regulamentação da Feira da Ponta Norte e apresentado o documento, assinado pelas lideranças comunitárias das quadras residenciais da SQN 216, 415 e 416 (83174421), que foi juntado ao processo de origem (00141-00002720/2020-48). Os organizadores da feira informaram que deram entrada a processo junto a Emater, registrando o interesse da Associação da Feira em aderir aos programas de incentivo e regulação. Os organizadores se comprometeram a encaminhar o número do processo para acompanhamento e atuação conjunta desta Regional.

Acesse a íntegra da Nota Informativa aqui.

Mapa do site Dúvidas frequentes