20 de maio

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
23/05/23 às 11h12 - Atualizado em 23/05/23 às 11h12

Novo tomógrafo do Hospital de Base aumentará número de exames em até 70%

COMPARTILHAR

O Hospital de Base do Distrito Federal (HB) contará com novo tomógrafo no pronto-socorro, a partir desta segunda-feira (22), devendo passar de 5.000 para 8.500 a quantidade de exames realizados por mês. O aparelho fornecerá imagens com mais precisão e detalhes para rastreamento e diagnóstico precoce de doenças e lesões corpóreas, principalmente de vítimas de quedas, acidentes de trânsito e violência.

Para colocar a máquina em funcionamento, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IgesDF) contratou mais oito técnicos. “A aquisição desse novo tomógrafo se fez necessária, visto que o aparelho de 2009 alocado no pronto-socorro está ultrapassado e aquém da tecnologia atual, sobretudo na disponibilidade de novos recursos para a detecção de múltiplas patologias”, observa a enfermeira Elaine Araújo, especialista em diagnóstico e imagem e gerente de Apoio Diagnóstico e Terapêutico do HB.

Desde 2020, o IgesDF trabalha para transformar o sonho em realidade. Em dezembro de 2020, o aparelho foi adquirido por meio de recursos originais na ordem de R$ 2,1 milhões obtidos via emenda parlamentar do deputado federal Julio Cesar Ribeiro, atualmente secretário de Esporte e Lazer do GDF. O tomógrafo custou R$ 2,3 milhões em valores atualizados. A utilização do aparelho demandou mais ações para montagem em espaço especial, adaptado pelo Instituto.

“Sabemos das dificuldades que a saúde enfrenta em todo o país. Compete a nós, parlamentares, que temos a prerrogativa de destinar recursos, eleger essas prioridades “, afirmou Julio Cesar, à época em que destinou os recursos. “Como o IgesDF faz um trabalho de excelência na gestão da saúde dos hospitais e UPAs, destinei recursos ao Instituto por saber que serão bem aproveitados na aquisição de equipamentos em prol da saúde da população do DF”, completou.

De acordo com Elaine Araújo, o antigo equipamento de 6 canais, adquirido em 2009, não realiza angiotomografias por limitações do próprio aparelho, incluindo a ausência de bomba injetora de contraste. Assim, os exames que deveriam durar um tempo médio de 5 minutos, levavam o dobro do tempo, gerando grandes atrasos nas demais emergências e a desistência de diversos pacientes.

Com esse novo tomógrafo de 64 canais, há uma melhoria na tomada de decisão assistencial frente a múltiplas patologias, condizentes com os atendimentos de média e alta complexidade, proporcionando mais segurança, qualidade e agilidade. Elaine ressaltou que o ganho com a nova aquisição não será apenas no número de exames realizados, mas na produtividade, levando em conta os tempos das etapas do exame, as alterações de rotina que eventualmente serão introduzidas e a qualidade de vários protocolos.

“Vamos aprofundar no alto volume da esfera de atendimentos de pacientes, inicialmente no trauma, que requer um atendimento rápido e preciso; na neurologia, que também é grandioso em número de pacientes em urgência/emergência, como janela AVC. Isso sem falar na diversidade de UTIs com pacientes em suporte ventilatório”, comenta a enfermeira.

*Com informações do IgesDF

Mapa do site Dúvidas frequentes